Home / R$ 1 investido em publicidade gera R$ 8 na economia brasileira, diz estudo

R$ 1 investido em publicidade gera R$ 8 na economia brasileira, diz estudo

Fonte: UOL

24 de setembro de 2021

Cada real investido em publicidade em 2020 gerou R$ 8,54 para a economia brasileira. Esta é a principal conclusão do estudo “O valor da publicidade no Brasil”, produzido pela Deloitte a pedido do Cenp (Conselho Executivo das Normas-Padrão), entidade que reúne os principais anunciantes, agências de publicidade e veículos de comunicação do país.

Para estimar o impacto da publicidade na atividade econômica, a Deloitte utilizou um modelo econométrico, criado pela consultoria no Reino Unido, que analisa a correlação entre valor bruto investido em propaganda no país e o PIB brasileiro.

O modelo foi adaptado no Brasil para validar o impacto da publicidade no contexto do país. O estudo levou em conta dados da Kantar Ibope Media e do Cenp-Meios, dois dos principais levantamentos sobre o dinheiro colocado em publicidade no Brasil, para gerar a estimativa dos investimentos no país.

Segundo a Deloitte, 1% de crescimento no investimento publicitário está associado a um crescimento de 0,06% no PIB per capita. Isso significa que, em 2020, para cada R$ 1 aplicado na publicidade houve um incremento de R$ 8,54 na economia como um todo.

Considerando que, ano passado, a compra de espaços publicitários nos principais meios de comunicação totalizou R$ 49 bilhões, o impacto estimado da publicidade na economia brasileira foi de R$ 418,8 bilhões no período —cerca de 6% do PIB.

Setor gera 435 mil empregos

Segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), do Ministério da Economia, a publicidade gera mais de 196 mil empregos e sustenta parte de atividades econômicas que empregam cerca de 240 mil pessoas. Quando somados os segmentos diretos e indiretos, como tecnologia da informação e área gráfica, por exemplo, o estudo chega ao número de 435.370 empregos (direta ou indiretamente) relacionados ao setor.

Para Mario D’Andrea, presidente da ABAP, o estudo comprova, em números, o que as entidades defendem há anos. “A publicidade não beneficia apenas os anunciantes e veículos, ela traz enormes benefícios econômicos para o PIB brasileiro, cria empregos, dissemina a informação. É a indústria que impulsiona as outras indústrias”.

“O efeito multiplicador do investimento em publicidade já é bem conhecido tanto pelos anunciantes quando pelos estudiosos do assunto. O estudo da Deloitte reafirma esta certeza e baliza o fator de multiplicação da publicidade no Brasil, mesmo em um ano marcado por enormes desafios em razão da tragédia da pandemia”, diz Caio Barsotti, presidente do Cenp.

Outros impactos positivos para a economia e sociedade são apontados pelo estudo da Deloitte, como o financiamento dos meios de comunicação, apoiando a liberdade de expressão, importante pilar da democracia; a promoção da cultura, da educação e do entretenimento e o estímulo à competitividade entre as empresas, ao oferecer opções aos consumidores, informação de preços, inovações e internacionalização de marcas.

O relatório foi produzido a partir de 41 entrevistas com líderes do setor publicitário no Brasil, que representam agências de publicidade, veículos de comunicação, anunciantes, consultorias de marketing, institutos de pesquisa e entidades do setor, além da revisão e análise de pesquisas de mercado e de tendências para o setor.

Confira a matéria no UOL.

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Autorregulação das Big Techs falhou, diz Avaaz
“As plataformas de tecnologia não estão agindo eficazmente”, diz Laura Moraes, coordenadora sênior de campanhas da Avaaz. “Estamos pressionando por uma regulação eficaz e baseada em soluções que funcionem comprovadamente”. O tema é uma das principais preocupações entre empresas, organizações e entidades que lidam com comunicação e, no Brasil, é acompanhado de perto pela ABAP […]
16 agências participam de licitação pela conta da Sabesp
A Sabesp recebeu esta semana as propostas das agências interessadas em participar do processo licitatório que escolherá seis agências. 16 agências enviaram suas propostas: Adag, Artplan, Babel, Berghtoledo, E3, Lew’Lara\TBWA, Lua, Nacional, Nova/SB, Octopus, Ogilvy, Propeg, RP, Vivas, WMcCann e Z515. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail