Home / Quais são os desafios do mercado para reter talentos e manter o foco na diversidade

Quais são os desafios do mercado para reter talentos e manter o foco na diversidade

Fonte: Propmark

28 de fevereiro de 2023

Era digital trouxe desafios para as demandas do mercado, que busca novas metodologias para evitar evasão de profissionais

O olhar clássico de recursos humanos continua valendo, mas passou a agregar novas demandas que ultrapassam a fronteira processual dos benefícios, promoções e de grana. Agora é preciso propor interesse real para assegurar por meio de investimento constante, não só nos modelos de crescimento profissional, mas, principalmente, na evolução virtuosa dos talentos com programas de gestão que entraram na pauta dos C-Levels para evitar a rotatividade, que quase sempre é fomentada por ofertas financeiras que, porém, nem sempre são garantia de fidelização.

A questão é séria. E já contempla a abertura de empresas especializadas, sobretudo para o preenchimento do vácuo digital com suas expertises que exigem percepção agile, como as recentes tecnologias do ChatGPT e Midjour\ney, por exemplo. A New Vegas lançou recentemente a NVX, Talent Tech Co, spin-off com plano de acelerar “de forma humanizada” a transformação digital das marcas com oferta de curadoria de talentos da nova economia.

“Nós treinamos as equipes com visão, missão e valores da New Vegas. Essas equipes estão orientadas a desenvolver soluções que influenciam na boa qualidade das relações entre pessoas e marcas de forma culturalmente relevante, socialmente responsável e economicamente sustentável”, detalha Ian Black, CEO, fundador e sócio da New Vegas.

A executiva Dilma Campos também fortalece a estrutura da holding B&Partners, controladora da New Vegas, para incrementar o olhar ESG nas suas 16 empresas. Não apenas com percepção inclusiva e sustentável na economia criativa. “Temos na B&Partners um potencial enorme de expandir iniciativas e ações com impacto social, ambiental e de governança positiva para todas as pessoas”, observa Dilma.

Lustrar talentos requer a conexão de jobs a pessoas e vice-versa. Essa é a essência da Konecte.me, plataforma gratuita de recrutamento e seleção do mercado de comunicação fundada por Celio Ashcar Jr. em 2021, atualmente com 10 mil profissionais cadastrados e 350 empresas. A maior demanda é por profissionais de criação (23%), seguida por atendimento (17%), produção (13%), vendas (12%) e mídia (8%).

“Atualmente estamos vivendo um novo momento na forma de recrutamento de profissionais. Na Konecte.me apuramos que os profissionais buscam vagas mais flexíveis e formato home office, e as empresas buscam mais profissionais por talento onde quer que estejam. O que por um lado é muito bom, pois tira a centralização do Sudeste e oferece chances a profissionais talentosos de outras regiões, que muitas vezes perdem oportunidades de crescimento. O grande desafio das empresas é como criar cultura forte e um ambiente saudável com uma equipe híbrida e espalhada por vários locais”, pondera Ashcar Jr., sócio da Konecte.me e CEO da AKM Performma.

Por outro lado, Aline Noya, CCO da Bullet, reforça a ideia da conexão às pessoas com métrica individual. “A gestão de talentos é um trabalho de escuta e proximidade, encabeçado pelos heads das áreas, que têm como job description realizar conversas one to one com suas equipes constantemente e mapear os pontos críticos e oportunidades de evolução para acompanhamento. Por aqui, a gente possui um hub de talentos, que é alimentado e atualizado pelas próprias equipes. Experimentamos também diferentes ferramentas digitais para curadoria de freelancers, priorizando a diversidade e a formação de equipe multidisciplinares (o que favorece a troca de referências constante e um ambiente de trabalho sempre fresco e oxigenado)”, diz Aline.

“A importância de evoluir talentos dentro da agência antes de buscar novos profissionais fora dela está relacionada a vários fatores. Primeiro porque os colaboradores já conhecem a cultura, os valores e as metodologias utilizadas, o que permite um alinhamento maior com a visão e os objetivos da empresa. Além disso, a retenção de talentos pode ser uma vantagem competitiva significativa, já que reduz os custos de recrutamento e treinamento e cria uma equipe mais engajada e produtiva”, afirma Aline.

Vontade de fazer as coisas é o KPI que orienta a Conteúdo Urbano, de Doug Monteiro. “Quanto mais vontade de fazer acontecer, melhor. Para a gestão de talentos, uso muito a psicologia do esporte. Isso ajuda a incentivar as pessoas a darem o seu melhor a liderar. Quanto mais talento, melhor é o nosso desenvolvimento de negócio.”

Gerenciar talentos ganhou espaço com o fenômeno das redes sociais. A Brasileira, do diretor-executivo Lindomar Ervate, está de olho no mundo digital corporativo. “Convidamos os talentos a fazerem parte da nossa ‘causa’, a agirem de forma ‘genuína’ e motivados na transformação num ambiente que respira conteúdo e criatividade”, comenta Ervate.

“Produtora é o que não falta no mercado e a escolha dos talentos, aliada a um bom processo de trabalho, é o que faz a agência/cliente querer trabalhar de novo, e de novo. Fidelidade é o que impulsiona qualquer negócio”, se posiciona a executiva Giovana Grigolin, produtora-executiva da Café Royal. “A gestão dos talentos aqui é muito focada no desenvolvimento profissional, conectada com a nossa jornada de cultura. É algo bem individualizado e pensado junto ao plano de carreira que cada um deseja seguir. Junto a este processo, temos o compromisso de promover um ambiente de trabalho diverso e inclusivo que visa a garantir a formação de um time que possa agregar pontos de vista e vivências diferentes, dar oportunidade a todos e trazer discussões de negócio mais ricas e saudáveis”, declara Ana Beatriz Guerra, head de marketing para a categoria de pesticidas da Reckitt Hygiene Comercial.
Enriquecer a visão de negócios a partir de diferentes backgrounds é relevante na R/GA. “Aqui também temos o Make/Change, que engloba todas as nossas iniciativas de ED&I da agência, que passam por iniciativas de contratação, pertencimento e treinamento”, diz Marcio Oliveira, SVP, managing director, da R/GA.

A Artplan tem uma equipe de  gestão de pessoas, recrutamento e seleção que, segundo Ale Bernardo, diretor-executivo de criação do escritório de São Paulo, “possui expertise no hunting de perfis com diversidade e valoriza experiências e soft skills, além das habilidades técnicas. Também contamos com parcerias, como a da consultoria Indique uma Preta, que nos auxilia a termos um olhar mais apurado sobre alinhamento de perfis”.

Confira matéria no Propmark

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Google gastou R$ 2 milhões em anúncios sobre o PL das fake news
Executivos do Google disseram em depoimento à Polícia Federal que a empresa gastou cerca de R$ 2 milhões em anúncios sobre o PL das Fake News. A informação foi confirmada pelo presidente do Google no Brasil, Fábio José Silva Coelho, e o diretor de Relações Governamentais e Políticas Públicas da empresa Marcelo Lacerda. Eles foram […]
Nielsen lança metodologia para publicidade digital sem cookies
A Nielsen apresentou nesta quinta-feira, 7, o Digital Ad Ratings, uma metodologia de medição de anúncios digitais com o apoio do sistema de identificação Nielsen Identity System, também lançado essa semana. As soluções são lançadas no Brasil, Alemanha. Austrália, Canadá, Espanha, Índia e Indonésia. O Digital Ad Ratings oferece a possibilidade de anunciantes medirem alcance […]

Receba a newsletter no seu e-mail