Home / Prazos, demandas e reuniões: o que pressiona a rotina das agências?

Prazos, demandas e reuniões: o que pressiona a rotina das agências?

Fonte: Meio&Mensagem

13 de agosto de 2021

Com manifesto, entidades do setor tentam incentivar clientes a encararem debate sobre demandas excessivas e definições de modelos de trabalho que preserve a saúde mental

No mercado publicitário, a lógica de “missão dada é missão cumprida” sempre foi, de certa forma, exaltada pelas empresas e profissionais do setor como um trunfo. Atender às demandas dos clientes da melhor forma, nem que isso exigisse virar as noites para realizar trabalhos e sacrificar períodos de descanso foi considerada uma obrigação natural para quem quisesse construir uma carreira no ambiente das agências. A pandemia da Covid-19, que desde o ano passado mudou a lógica de trabalho ao colocar equipes inteiras para atuar de forma remota acabaram, no entanto, trazendo novos limites para o que pode – ou não – ser considerado saudável no ambiente corporativo.

Pela primeira vez, entidades de agências de publicidade manifestaram-se publicamente para se queixar dos fluxos de trabalho desequilibrados na rotina dos profissionais da comunicação. Em carta divulgada na semana passada, a Federação Nacional das Agências de Propaganda (Fenapro), a Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap) e a Associação Brasileira de Agentes Digitais (Abradi) explicitaram seu descontentamento em relação às demandas excessivas por parte dos clientes. A decisão de atuar em conjunto perante à causa aconteceu pela observação de que as reclamações sobre prazos curtos, pedidos com pouco tempo de execução e demandas fora do horário tradicional de trabalho não eram questões que vinham acontecendo em uma ou outra agência, mas sim um problema endêmico da categoria.

A pandemia acabou exigindo um esforço adicional de todos os segmentos e, na publicidade, não foi diferente. O problema foi que essa pressão sob as demandas perdura até hoje e os pedidos de trabalho não só aumentaram muito, como passaram a ser feitos da noite para o dia, em prazos exíguos e até inviáveis – e, em alguns casos, em altas horas na noite de sexta-feira para entrega na segunda pela manhã, como relata Daniel Queiroz, presidente da Fenapro.

Outros exemplos relatados por ele certamente são fáceis de serem identificados por quem está vivendo a rotina do trabalho remoto: número de reuniões intensificado, muitas vezes sem intervalo entre uma e outra, dificultando a troca de informações entre as equipes e impactando a disposição física e mental dos colaboradores. “Até existes questões que são mais internas ou individuais, mas é comum observar que os processos foram atropelados. As vantagens das reuniões online vieram associadas a um contato excessivo, muitas vezes exigindo a participação de mais pessoas em reuniões que se tornaram mais numerosas a ponto de reduzir o tempo produtivo, de fato”, coloca Queiroz. A isso, somam-se os prazos para a conclusão dos trabalhos cada vez mais curtos e o nível de ansiedade mais intenso. “Logicamente isso tudo se potencializa com o cenário de tensão que todos ainda estão vivendo em função das questões externas e comuns a todos, inclusive de ordem pessoal, que termina se somando a este contexto. Mas, naquilo que é possível atuar e ajustar, é necessário que se encontrem as soluções”, pontua.

Expor essas queixar em âmbito coletivo é, na visão das entidades, uma forma de convidar os clientes e todo o mercado a refletirem a respeito dessas questões. O presidente da Fenapro destaca, no entanto, que o problema destacado pelas entidades não está na alta demanda de trabalho. A grande questão, diz ele, é na forma como ela chega, como se processa e como os profissionais podem se posicionar para que o cotidiano fique mais equilibrado, sobretudo nesse contexto de trabalho online, onde os limites de horário, muitas vezes, deixaram de ser respeitados.

Por enquanto, Fenapro, Abradi e Abap não travaram um diálogo direto com os anunciantes ou com a entidade que os representa (a ABA) mas a ideia é que esse manifesto abra as portas para discussões particulares entre agências e seus parceiros. O manifesto, segundo o presidente da Fenapro, é o start para um debate maior envolvendo todos os interessados. Os próximos passos das entidades será inserir especialistas que possam ajudar no contexto das soluções, que são desde o foco imediato na ampliação dos cuidados da saúde mental, mas também passando por consultorias de gestão que auxiliem a azeitar essa relação mais equilibrada na definição e formalização contratuais, bem como na revisão de processos que tornem o fluxo e o ambiente de trabalho mais saudável para todos.

Daniel Queiroz vê esse movimento como uma oportunidade para discutir situações e problemas que vão além das situações trazidas pela pandemia. “O mercado publicitário, de forma geral, se acostumou com uma certa informalidade” contratual no atendimento das demandas. E esse estilo empresarial tornou-se muito perigoso à medida que os formatos de remuneração e o tipo de trabalho foram mudando”, alerta. Apesar de não acreditar em um único modelo de relação de trabalho entre agência e cliente, o presidente da Fenapro destaca a importância de que os acordos contratuais sejam claros e, principalmente, cumpridos. “Não estamos reclamando da quantidade de trabalho. A questão é a sustentabilidade econômica da relação Demanda/Entrega versus Contrato/Retorno. Se isto não for mais equilibrado, a pandemia vai passar e os problemas irão permanecer”, avisa.

Confira a matéria no Meio&Mensagem.

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Grupo aprova e projeto das fake news avança na Câmara
O grupo de trabalho da Câmara que analisa o PL 2630/20 aprovou o texto principal que tramitará na Casa. Trechos da proposta ainda serão analisados separadamente em outra reunião.
Falta de profissionais chega à publicidade
O mestre do marketing francês Jacques Séguéla estava sendo irônico quando intitulou seu livro “Não Conte para Minha Mãe que Trabalho em Publicidade… Ela Pensa que Toco Piano num Bordel”. Mais de 40 anos depois, as dificuldades das agências de publicidade para encontrar e reter funcionários não são nada engraçadas. A publicidade é mais um […]

Receba a newsletter no seu e-mail