Home / Projeto de lei nos EUA pode ‘quebrar’ receitas do Google

Projeto de lei nos EUA pode ‘quebrar’ receitas do Google

Fonte: Yahoo

1 de fevereiro de 2022

Os legisladores de ambos os partidos devem apresentar projetos de lei que podem quebrar o domínio do Google sobre o negócio de publicidade e começar a acabar com os monopólios das Big Techs, segundo apurou o portal The New York Post. O senador Mike Lee (R-UT) deve apresentar, dentro de semanas, um projeto que impediria o Google e outras grandes empresas de tecnologia de controlar várias partes da cadeia de fornecimento de anúncios online. E embora a conta de Lee pareça ser direcionada diretamente ao Google, também pode afetar a Meta, empresa controladora do Facebook e do Instagram, que gera a maior parte de sua receita com publicidade.

Projeto seria ‘golpe’ multibilionário no Google

O projeto acabaria com a capacidade de uma empresa de atuar como corretora para um comprador ou vendedor de espaço publicitário e, ao mesmo tempo, possuir a bolsa onde o espaço publicitário é negociado, disse uma fonte com conhecimento da legislação proposta. A aprovação deste projeto de lei representaria um golpe potencialmente multibilionário para o modelo atual do Google, que, segundo os críticos, permite que a gigante da tecnologia cobre comissões injustamente altas.

Monopólio do Google

Os críticos dizem que o Google muitas vezes desempenha os papéis de comprador, vendedor e intermediário no mercado de anúncios online – uma posição que um dos próprios funcionários da gigante de tecnologia comparou ao Goldman Sachs, dono da Bolsa de Valores de Nova York. “Uma negociação de ações de US$ 100 mil custará alguns dólares em taxas de câmbio pagas à NYSE […] “Mas uma campanha publicitária de US$ 100 mil custará US$ 20 mil em taxas pagas à exchange do Google”, disse o professor de direito antitruste de Notre Dame, Roger P. Alford. A empresa passou a cobrar um “imposto de monopólio” de 22% a 42% em cada transação de publicidade que é repassada aos consumidores na forma de preços mais altos.

Anúncios renderam 80% da receita da empresa em 2020

O projeto de Lee também daria ao Google um dever fiduciário para com seus clientes de publicidade, da mesma forma que um consultor financeiro é legalmente obrigado a agir em benefício exclusivo de seus clientes. Tais requisitos potencialmente forçariam o Google a desmembrar ou vender partes de seus negócios de publicidade, que renderam US$ 147 bilhões (quase R$ 780 bi) em 2020 – mais de 80% da receita total da empresa.

Apoio do diversos partidos

No Senado, o projeto de Lee tem o apoio da presidente do comitê antitruste, senadora Amy Klobuchar (D-MN), senador Richard Blumenthal (D-CT) e senador Chuck Grassley (R-IA). O escritório de Lee também está conversando com os representantes David Cicilline (D-RI) e Ken Buck (R-CO) sobre um possível projeto de lei complementar da Câmara. Os congressistas estão entre os defensores mais sinceros no Congresso de ações antitruste contra grandes empresas de tecnologia.

Confira matéria no Yahoo

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Um protocolo para a volta ao trabalho nas agências
O “Protocolo de Prevenção à Covid-19 em Agências de Publicidade”, elaborado pela ABAP em parceria com o CENP e o Sinapro-SP, é destaque na edição de julho do CENP em Revista. A publicação também traz as ações das entidades do setor de comunicação diante dos impactos da pandemia. Confira esses e outros assuntos do CENP […]
Women To Watch 2020: raça, política, liderança e comunicação
Alexandra Loras, ex-consulesa da França em São Paulo e que atua em causas da equidade racial e de gênero, Patricia Ellen, secretária de desenvolvimento econômico, ciência e tecnologia do Estado de São Paulo, Daniela Cachich, VP de marketing da PepsiCo, e Maria Laura Nicotero, CEO da Momentum Brasil e VP da ABAP, participaram de painéis […]

Receba a newsletter no seu e-mail