Home / Eleições, fake news e segurança de dados

Eleições, fake news e segurança de dados

Fonte: Jornal de Brasília

3 de fevereiro de 2022

Com as eleições presidenciais no Brasil se aproximando, retorna o debate sobre a disseminação de fake news, assim como a cobrança de que autoridades no assunto tomem atitudes a respeito do tema. Em todo o mundo, o número de ataques cibernéticos semanais aumentou 40% em 2021, na comparação com o ano anterior, segundo relatório da Check Point Research, empresa de inteligência em cibersegurança. Segurança de dados se tornou palavra de ordem no Brasil, onde o que mais surpreendeu foi a onda de ataques cibernéticos a instituições, como o casos do Conecte SUS, do Ministério da Saúde.

Para Luiza Leite, advogada especialista em segurança da informação, e CEO da startup Dados Legais, responsável por auxiliar empresas no compliance com a LGPD, em período de eleição, fica ainda mais evidente, a necessidade de transparência dos critérios utilizados para análise do conteúdo do usuário que é alvo potencial de denúncias.

O Twitter (de social e um serviço de microblog) implementou um botão para denúncia de fake news. Eles alertam, ainda, para o risco de ações orquestradas com o objetivo de derrubar conteúdo de adversários. Há quem elogie a ferramenta e aponte que contribuirá para o combate a desinformação relacionada a temas como a pandemia da Covid-19 e as eleições no Brasil. Segundo o próprio Twitter, as eleições de 2022 pesaram para implementar logo a medida no país.

Por outro lado, as incertezas a respeito de quais conteúdos serão restringidos ou retirados do ar e como serão filtradas as denúncias ligaram o alerta de advogados.

“O botão anti-fake do Twitter é um bom passo para o combate a fake news nas redes sociais. Se antes não existia um canal de denúncia, hoje com o botão pode-se dar início a uma triagem e análise do conteúdo postado evitando a disseminação de conteúdos enganosos. Contudo, é importante ressaltar a necessidade de critérios e procedimentos objetivos de análise deste conteúdo, a fim de evitar ataques ou descriminação dos usuários”, completou Luiza.

Confira matéria no Jornal de Brasília

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Novo recurso educacional ajuda jovens a entenderem anúncios online (em inglês)
Um novo recurso desenvolvido para ajudar os jovens a entenderem o mundo da publicidade online e como obter a melhor experiência dos anúncios foi lançado pelo programa educacional sem fins lucrativos de publicidade do Reino Unido, Media Smart, em colaboração com a European Interactive Digital Advertising Alliance (EDAA), coalizão da indústria publicitária europeia.Leia Mais
Há 62 plataformas de streaming em operação no brasil
Há 62 plataformas de streaming no Brasil. Diante da competição acirrada, as parcerias se tornaram solução para evitar uma disputa desenfreada de preços. Especialistas e representantes do setor divulgaram números e abordaram várias questões em evento nesta sexta, 20, durante evento realizado em São Paulo pela fabricante de equipamentos Roku. As 62 plataformas de streaming […]

Receba a newsletter no seu e-mail