Home / Como o novo marco da radiodifusão impacta o mercado?

Como o novo marco da radiodifusão impacta o mercado?

Fonte: Meio e Mensagem

15 de junho de 2023

Em 10 de maio deste ano, o Ministério das Comunicações (MCom) anunciou uma série de medidas para o fortalecimento da radiodifusão no Brasil.

Dentre essas medidas,  está a elaboração de novo marco legal para o setor.

Por isso, a partir de trabalho realizado pelo Centro de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias das Comunicações (CCOM) da Universidade de Brasília, o MCom consolidou um conjunto de normas para o segmento.

O Diário Oficial publicou as normas em 7 de abril por meio da Portaria de Consolidação MCom Nº 9.012, de 5 de abril de 2023.

Portanto, o documento tem como objetivo incentivar o cumprimento das regulamentações, além de reduzir o número de condutas irregulares realizadas por empresas do segmento.

Segundo o secretário de Comunicação Social Eletrônica do MCom, Wilson Wellisch, a fiscalização pode gerar ambiente melhor para as empresas de radiodifusão.

“É muito importante destacar, contudo, que a fiscalização responsiva não implica em flexibilização dos regramentos do setor”, afirma Wellisch.

“Pelo contrário, essa abordagem busca garantir a efetividade das normas por meio de uma fiscalização mais inteligente e eficiente que leve em conta as particularidades de cada empresa e de cada situação”, diz.

Quais são os impactos do marco legal para a radiodifusão

Em termos gerais, um dos principais impactos para o segmento de radiodifusão pode levar à modernização das regras e da fiscalização, tendo em vista que a atual legislação é de 1960.

Na época, ainda não existiam muitos dos meios de comunicação que são mais populares atualmente.

Para Rodolfo Salema, diretor jurídico da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), essa regulamentação antiga limita e tem um viés restritivo, pois foi desenvolvida com base em premissas da época.

“Na prática, a atual legislação impõe à mídia tradicional um pesado ônus em termos regulatórios e financeiros, que limitam receitas e impedem algumas inovações”, afirma o diretor.

Por isso, afirma, essas medidas ajudam a construir políticas públicas que podem desburocratizar e simplificar as regras aplicáveis à radiodifusão.

Além disso, as medidas conseguem corrigir questões relacionadas aos ambientes digitais que também fazem parte dos meios de comunicação.

Outro ponto a ser abordado é o que envolve questões de publicidade.

Um exemplo que aconteceu recentemente foi o decreto das diretrizes da TV 3.0.

Assim, pelo documento, os objetivos das diretrizes se destinam à melhoria da experiência com relação à TV.

Portanto, o novo marco da regulamentação de radiodifusão é uma portaria desse decreto.

Ademais, no caso do rádio, a propósta do MCom é estabelecer regras para sobre fiscalização responsiva, que é um modelo regulatório baseado em punições.

“É extremamente urgente e necessário buscar medidas para gerar celeridade na análise de processos administrativos em trâmite nos órgãos reguladores, simplificar regras de produção, programação e de ordem societária das emissoras”, explica Salema.

Confira matéria no Meio e Mensagem

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Nova lei proíbe os influenciadores de fazerem propaganda
Uma mudança na lei ameaça colocar centenas de influenciadores australianos sem trabalho. A agência reguladora de medicamentos da Austrália, a Therapeutic Goods Administration, atualizou suas regras de publicidade para este ano e agora proibirá influenciadores de redes sociais possam receber qualquer forma de pagamento (em dinheiro, serviços ou bens) por falar bem de produtos terapêuticos. Entre outras […]
Mulheres negras são 4,6% da liderança das agências de publicidade no Brasil
Queria começar propondo um exercício a você que está lendo, de que se lembre e me fale, considerando o contexto de Brasil, qual foi a última propaganda na televisão aberta em que tenha visto uma mulher negra dirigindo um carro de luxo? Ou na qual usava joias? E até campanhas de restaurantes também marcados por […]

Receba a newsletter no seu e-mail