Home / Como a criatividade publicitária pode ganhar com o ChatGPT

Como a criatividade publicitária pode ganhar com o ChatGPT

Fonte: Propmark

7 de fevereiro de 2023

Inteligência Artificial Generativa criada pela Open AI já recebeu aporte de US$ 10 bi da Microsoft e pode ajudar a reduzir custos das agências

Esse texto não foi escrito com a tecnologia ChatGPT. Mas poderia! Criada pela Open AI, a ferramenta está pronta para revolucionar o mundo da comunicação e, segundo especialistas, avançar para além das buscas pelo método SEO, Wikipedia etc.  Ela entrega prontinha as demandas sugeridas à essa Inteligência Artificial Generativa que promete ser o maior passo já dado desde a revolução industrial no século passado.

Esse robô consegue pensar, por assim dizer, como nunca foi visto antes nesse ecossistema tecnológico, com respostas em tempo real para qualquer tipo de pergunta. E de graça! Pode ser usado para perguntas e respostas, resumo de texto, tradução, classificação, geração de código etc. Algumas pessoas acreditam que pode substituir o Google. Será?

Em menos de um mês após seu lançamento, no fim de 2022, já recebeu investimento de US$ 10 bilhões da Microsoft. E também de fundos. Já há sinalização de  que o ChatGPT entre na fase 4 no segundo semestre deste ano.

Nas palavras de Alex Winetzki, CEO da Woopi e diretor de P&D do Grupo Stefanini, o ChatGPT tem a pretensão de imitar a inteligência humana, mas tem algo que os robôs não conseguem contemplar: a consciência. Segundo ele, o sistema não sabe o que está fazendo ainda que reproduza características humanas com eficiência.

“A IA Generativa já dá mostras de como vai mudar o mundo. Ela avança sobre o território que sempre achamos que estava além da fronteira das máquinas: a criatividade humana. Dall-e, Stable Difusion, ChatGPT e outras muitas tecnologias que vieram à luz nos últimos meses de 2022 mostram que robôs agora sabem criar tão bem ou melhor que a maioria dos humanos”, pondera o executivo da Woopi, que prossegue.

“ChatGPT é apenas o enchedor de linguiça mais poderoso de todos os tempos. Ele não tem nenhum compromisso com a realidade, por duas razões. A primeira é que ele não entende a realidade. Isto é, ele não tem uma história pessoal, nenhuma sensação que o conecte ao mundo físico, autocrítica, freios morais ou comportamentais, relações pessoais, ética ou bom senso. O que ele faz, simplesmente, é buscar materiais já produzidos por alguém, em algum lugar, e os reempacotar de maneira esperta, baseados em parâmetros dados pelo usuário”, esclarece Winetzki.

“De fato, a lógica inicial da IA Generativa era buscar a próxima palavra que mais faria sentido numa frase, simplesmente isso. Um jogo de montar que cresceu com o poder computacional para bilhões de parâmetros (um parâmetro é um pequeno bloco de texto digerido na internet), deixando o resultado cada vez mais sofisticado. O desafio que se tem, portanto, é conseguir criar modelos eficientes de IA Generativa com menos parâmetro de treinamento, que permitam mais flexibilidade no uso da ferramenta. Isto posto – e essas são notas técnicas –, o potencial comercial e de disrupção social do que temos visto até agora é profundo”, disse Winetzki, enfatizando que o ChatGPT é um modelo de Deep Learning, mas que ainda é uma caixa-preta.

Os parâmetros da geração 1 do ChatGPT  somavam 117 milhões; na 2, já saltou para 1,2 bilhão; na 3, a expectativa é de 175 bilhões; e na 4, a previsão de Andrew Feldman, da Cerebras e sócio da Open AI, em entrevista à Wired, é que serão 100 trilhões de parâmetros. O fato é que o ChatGPT oferece múltiplas funcionalidades para o universo de negócios: pequenos, médios e graúdos, sobretudo o varejo (físico e digital).

E como a publicidade pode se beneficiar, ou não, desse recurso de IA Generativa? Como as agências devem entender o Chat- GPT? Quem responde é Daniel Martins, head de operações e transformação da Galeria.ag. “Absolutamente em todas as disciplinas que temos hoje é possível encontrar algum benefício. Já existem dezenas de ferramentas que têm potencial e curva de adoção excelentes e podem agregar desde atividades de adaptação e desdobramentos de conteúdo – imagem, texto, audiovisual –, até algumas que já oferecem algum benefício para atividades em estágios mais abstratos”, diagnostica Martins.

Ele lembra que há riscos para a publicidade: “Além da questão da privacidade das informações, que é sempre um tema crítico quando trabalhamos com o uso de dados – que são fundamentais para qualquer IA trabalhar –, temos também questões importantes relacionadas a vieses inconscientes dessas plataformas e ainda potenciais riscos de propriedade intelectual. Acho que o maior desafio ainda vai continuar sendo como iremos formar uma geração de talentos que saiba conectar o melhor da tecnologia com o potencial e a criatividade humana. Orquestrar isso tudo trará impactos para nosso negócio numa escala que ainda não vivenciamos”, avança Martins.

Confira matéria no Propmark

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Entenda os detalhes do processo movido pela UE contra o Google
A União Europeia abriu um processo antitruste contra o Google no último dia 14, acusando-o de abusar de seu poder no mercado de publicidade online para prejudicar a concorrência. O Departamento de Justiça dos EUA já havia entrado com uma ação civil semelhante contra a empresa no dia 24 de janeiro de 2023. O ecossistema […]
Por que as in-houses têm despertado a atenção dos anunciantes
O histórico das chamadas house-agencies tem cenários distintos no mercado brasileiro de publicidade. Um deles era sombrio e provocava calafrios nos empressários do setor quando ouviam falar da internalização da comunicação na estrutura de marketing de um anunciante. Quando deixou a SGB, o Ponto Frio, atualmente Ponto, investiu na Fama sob a liderança dos publicitários […]

Receba a newsletter no seu e-mail