Home / STF define que incide ISS na inserção de textos publicitários

STF define que incide ISS na inserção de textos publicitários

Fonte: Jota

8 de março de 2022

Relator, Toffoli observou que, mesmo que uma atividade seja mista, entendimento do STF é que a tributação ocorra pelo ISS

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram, por unanimidade, definir que incide ISS, e não ICMS, sobre o serviço de inserção de textos publicitários e de propaganda em qualquer meio.

Na ADI 6034, os ministros julgaram improcedente a ação do estado do Rio de Janeiro e declarar a constitucionalidade do item 17.25 da lista anexa à Lei Complementar 116/03, incluído pela Lei Complementar 157/16. O dispositivo prevê a incidência do ISS sobre a atividade de “inserção de textos, desenhos e outros materiais de propaganda e publicidade em qualquer meio, exceto em livros, jornais, periódicos e nas modalidades de serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens de recepção livre e gratuita”.

O estado do Rio argumentava que a atividade de “inserção” de textos publicitários se confunde com a própria publicidade e deveria, então, ser tributada pelo ICMS-Comunicação.

O relator, ministro Dias Toffoli, afirmou que cabe à lei complementar definir os serviços de qualquer natureza para fins de incidência do ISS. No caso em questão, foi justamente o que ocorreu, uma vez que a Lei Complementar 157/16 previu que a atividade em discussão seja tributada pelo ISS.

O ministro observou ainda que, pela jurisprudência do STF, mesmo que uma atividade seja mista, envolvendo as chamadas obrigações de dar e de fazer, o entendimento é que a tributação ocorra pelo ISS, a partir da adoção de um critério objetivo.

No voto, Toffoli explicou que, de acordo com o critério objetivo, caso a atividade esteja definida em lei complementar como serviço de qualquer natureza tributável pelo imposto municipal, apenas o ISS deve incidir, ainda que a atividade envolva a utilização ou o fornecimento de bens, ressalvadas as exceções previstas na própria lei.

“Desse modo, ainda que se considere essa atividade como mista ou complexa, por envolver serviço conectado, em alguma medida, com comunicação, o simples fato de ela estar prevista em lei complementar como tributável pelo imposto municipal já afastaria a pretensão de se fazer incidir o ICMS-comunicação”, afirmou.

Além disso, o ministro concluiu que a atividade em discussão pode ser compreendida como ato preparatório ao serviço de comunicação, e não o serviço de comunicação propriamente disso.

“Tal atividade, embora seja imprescindível à operacionalização do serviço de comunicação social, encontra-se, por ser preparatório desse serviço, fora do âmbito de materialidade do ICMS-comunicação”, afirmou o relator

O prazo para apresentação de votos se encerrou às 23h59 desta terça-feira (8/3).

Confira matéria no Jota

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

7% dos CMOs não se sentem estruturados para alcançar bons resultados
Uma pesquisa global com mais de 600 CMOs e tomadores de decisão sênior de marketing, intitulada “CMO Outlook Index” e feita pela GfK, examinou quais são as percepção desses executivos sobre os fatores de sucesso que impulsionam o marketing eficaz em suas empresas. Nas respostas recebidas pela pesquisa, que será publicado em setembro, ficou evidente […]
Governo ouve sociedade sobre propaganda na Internet
A Secretaria de Comunicação Social (SECOM), comandada pelo ministro Paulo Pimenta, publicou nesta quarta-feira (20) a Consulta Pública nº2, na qual pretende colher da sociedade sugestões sobre como “disciplinar a publicidade veiculada na Internet pelos órgãos e entidades do Sistema de Comunicação de Governo do Poder Executivo Federal (SICOM). As sugestões que forem aceitas deverão […]

Receba a newsletter no seu e-mail