Home / Relator do PL das Fake News vê responsabilidade de plataformas no ato

Relator do PL das Fake News vê responsabilidade de plataformas no ato

Fonte: Metrópoles

20 de janeiro de 2023

Relator do PL das Fake News na Câmara dos Deputados, Orlando Silva afirma que plataformas na web não podem se eximir sobre a invasão aos Três Poderes.

“As plataformas não podem dar uma de Pôncio Pilatos e lavar as mãos. Há redes sociais nas quais, até hoje, não foram removidas mensagens que convocaram manifestantes para os atos golpistas”, argumenta o relator do projeto de lei.

“É preciso que o Brasil estabeleça transparência para a moderação de conteúdo. Regras claras com fundamentos que permitam a remoção de conteúdo, bem como a possibilidade de o usuário contestar a remoção”, completou Orlando Silva.

O deputado afirma que tentará levar o PL das Fake News para votação no plenário assim que a nova composição da mesa diretora da Câmara for definida. Ao que tudo indica, Arthur Lira permanecerá à frente da Casa.

Para o advogado Carlos Frota, do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Educação Jurídica (Ibrapej), pontos complexos no projeto deverão virar alvo de debate na Câmara.

“A grande questão é equacionar liberdade individual com punição de noticia verdadeiramente falsa, já que não podemos criminalizar a opinião.

Um ponto polêmico no texto é a criação do Conselho de Transparência, pois a ele ficaria o encargo de definir o que é desinformação, fato que pode criar uma espécie de agência reguladora de informação”, ressalta Carlos Frota.

Em abril do ano passado, o parlamento quase aprovou um requerimento de urgência para votar o PL das Fake News. Foram 249 votos favoráveis e 207 contra. Para a aprovação eram necessários 257 votos, a maioria absoluta do parlamento.

Confira matéria no Metrópoles

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Cenp-Meios: mercado publicitário brasileiro cresceu 7,6% em 2022
Embora não tenha mantido o ritmo de crescimento apresentado nos primeiros seis meses do ano, o mercado publicitário brasileiro encerrou 2022 com crescimento de 7,6% em comparação com 2021, de acordo com dados do Cenp-Meios. O monitoramento aponta que, ao longo de todo o ano passado, as agências que compõem o estudo reportaram uma movimentação de […]
Qual é o limite do controle do conteúdo pelas plataformas?
Diante do questionamento do MPF ao Twitter sobre o porquê da empresa não ter, no Brasil, uma ferramenta de denúncia de fake news, especialistas em mídias digitais comentam como as plataformas poderiam coibir os conteúdos falsos e preservar o espaço para debates de ideias.

Receba a newsletter no seu e-mail