Home / Quase metade das médias e grandes indústrias adota trabalho remoto no Brasil

Quase metade das médias e grandes indústrias adota trabalho remoto no Brasil

Fonte: Folha de SP

29 de setembro de 2023

Quase metade das médias e grandes indústrias do Brasil adotava o modelo de trabalho remoto em 2022. É o que indica uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (28) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Segundo o órgão, 47,8% das empresas industriais com cem ou mais trabalhadores ocupados contavam com o teletrabalho em pelo menos um grau de suas estruturas no ano passado. O percentual equivale a 4.583 companhias de um total de 9.586.

Os dados integram a Pintec Semestral 2022, pesquisa que abrange indústrias extrativas e de transformação de médio e grande porte (com cem ou mais trabalhadores).

O levantamento é realizado pelo IBGE em parceria com a ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) e a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

O trabalho remoto ficou em evidência nos últimos anos em razão das restrições impostas pela pandemia de Covid-19. As estatísticas divulgadas nesta quinta, contudo, são consideradas experimentais, e não há dados comparáveis de períodos anteriores a 2022.

A metodologia da pesquisa considera que o teletrabalho está associado à prestação de serviços preponderantemente fora das dependências do empregador, a partir do uso de tecnologias de informação e comunicação. A modalidade abrange as atividades que não se constituem como trabalho externo.

Conforme o IBGE, o teletrabalho foi mais utilizado pelas indústrias na área de administração em 2022 (94,5%). Comercialização (85,7%), desenvolvimento de projetos (71,4%) e logística (56,9%) apareceram na sequência. A área de produção, mais associada a atividades presenciais das fábricas, registrou a menor porcentagem (38,7%).

“Existe uma materialidade na natureza da atividade [produção], que é transformar insumos em produtos. Então, a presença física humana é importante. É muito coerente que a área de produção seja a menos utilizada para o teletrabalho”, disse Flávio José Marques Peixoto, gerente de pesquisas temáticas do IBGE.

Também há um recorte na Pintec sobre os setores industriais que mais adotavam o teletrabalho. Os destaques de 2022 vieram dos ramos de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (83,6%), bebidas (83,2%) e equipamentos de informática, eletrônicos e ópticos (72,6%).

Por outro lado, o teletrabalho foi menos frequente nos setores de produtos do fumo (21,2%), artefatos de couro, artigos de viagem e calçados (25,9%) e confecção de vestuário e acessórios (28,3%).

QUASE 85% DAS INDÚSTRIAS USAVAM TECNOLOGIAS

A Pintec ainda traz informações sobre o uso de seis tecnologias digitais nas indústrias com cem ou mais ocupados. Em 2022, 84,9% dessas companhias utilizavam pelo menos uma das ferramentas pesquisadas, diz o IBGE.

Computação em nuvem foi a opção mais declarada (73,6%). Em seguida, vieram internet das coisas (48,6%) e robótica (27,7%).

Análise de big data e manufatura aditiva (impressora 3D) apareceram depois, com percentuais de 23,4% e 19,2%, respectivamente. A inteligência artificial teve a menor proporção (16,9%).

De acordo com a pesquisa, o uso de tecnologias digitais foi mais intenso nos setores de máquinas e equipamentos (94,5%), indústrias extrativas (92,2%) e produtos diversos (92%).

Os menores percentuais foram registrados nos ramos de outros equipamentos de transporte (68,2%), confecção do vestuário (71,6%) e madeira (72,2%).

Os fatores que mais contribuíram para a adoção das tecnologias foram estratégia autônoma das empresas (87%) e influência de fornecedores ou clientes (63%). Já as questões que mais dificultaram o uso foram os altos custos (80,8%) e a falta de pessoal qualificado nas empresas (54,6%).

Confira matéria na Folha de SP

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Resultados de grupos de mídia são termômetro para a publicidade
Nas últimas semanas, os principais conglomerados de mídia divulgaram suas receitas trimestrais, proporcionando evidências sobre o estado da publicidade – particularmente a de TV e streaming – em meio a condições macroeconômicas desafiadoras. Apresentações da Disney, Fox, Paramount e NBCUniversal, além da Warner Bros. Discovery, podem ter deixado muitos em Wall Street em estado de […]
Investimento global em rádio terá alta em 2024
Uma previsão positiva sobre investimentos publicitários em mercados como o dos Estados Unidos pode ter um efeito animador no cenário brasileiro. Impactado negativamente por variáveis semelhantes às vistas também no Brasil, há uma sensação de “virada de página” para os próximos meses e anos. Segundo uma análise publicada pela WARC, existe uma previsão de taxa […]

Receba a newsletter no seu e-mail