Home / Número de negros na publicidade não reflete a população brasileira

Número de negros na publicidade não reflete a população brasileira

Fonte: Cultura

25 de fevereiro de 2022

Mercado da comunicação e a representatividade foi o tema do Estação Livre

O Estação Livre questionou o mercado da comunicação sobre a representatividade e diversidade nos setores da mídia e da publicidade.

Apesar do aumento de negros nos comerciais e na televisão, o número ainda não corresponde aos 56% da população brasileira.

O programa conversou com a publicitária Renata Hilário para entender como esse problema está sendo solucionado.

Renata explicou que os números estão melhorando. Em 2015, apenas 3% das campanhas publicitárias na televisão tinham mulheres negras. Em 2020, essa parcela subiu para 22% e a população negra em geral nas telinhas foi de 1% para 7%. Porém, para a publicitária, “ainda é muito pouco”.

“Tanto o mercado, quanto a televisão, tem despertado para essa importância. É inteligente e é estratégico, mas acho importante citar também esse despertar por trás das câmeras. É importante que se tenha uma equipe preta. Isso tem mudado a passos lentos, mas a gente já vê desdobramento e espera que isso aumente”, contou Renata.

Ela ainda afirma que a publicidade tem o potencial para mudar pensamentos na sociedade.

“Ela marca épocas e hábitos. Se o consumidor preto se sentir representado, isso também pode contribuir”, completou a publicitária.

O programa Estação Livre é apresentado pela jornalista e empreendedora Cris Guterres, considerada pela revista Forbes uma das criadoras de conteúdo mais inovadoras de 2020. Feita por uma maioria de mulheres pretas, a atração tem a missão de valorizar a cultura negra, a rica diversidade do Brasil e trazer a sociedade para repensar e ajudar a reconstruir um país mais justo para todos.

Confira matéria na Cultura

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Especialistas apontam bloqueio de sites ilegais como principal estratégia de combate à pirataria
Em painel no Expocine 2020, foi consenso entre os especialistas que a melhor forma de combate à pirataria de conteúdo audiovisual na atualidade é por meio do “site-blocking” e citaram exemplos de outros países, onde estão sendo adotados o site-blocking administrativo ou o judicial.Leia Mais
UE vê batalha difícil para reguladores antitruste contra big techs
A União Europeia trava uma batalha difícil contra as gigantes da tecnologia. Segundo as autoridades antitruste, há dificuldade de encontrar soluções, com aplicação ineficaz de uma série de decisões. Parte do problema está nas regras antitruste da UE, que só permitem que os executores ajam depois que uma infração foi cometida.Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail