Home / New York AG pede restrições às proteções legais das empresas de tecnologia

New York AG pede restrições às proteções legais das empresas de tecnologia

Fonte: Media Post

20 de outubro de 2022

Citando preocupações com o extremismo online, a procuradora-geral de Nova York, Letitia James, pediu na terça-feira novas restrições às proteções legais das empresas de tecnologia para material criado por usuários.

“Não podemos mais confiar inteiramente na indústria para se regular por meio de compromissos voluntários”, afirmou James no relatório , escrito em resposta ao tiroteio em massa de 14 de maio em um supermercado em Buffalo.

Entre outras recomendações, James está pedindo que a Seção 230 da Lei de Decência nas Comunicações seja revisada de maneira a incentivar as plataformas a restringir a transmissão ao vivo e bloquear postagens que mostrem conduta “criminosa violenta ilegal”.

No relatório, James diz que o atirador, que matou 10 pessoas negras, foi radicalizado por “sites e plataformas anônimas e praticamente sem moderação”, como o 4chan.

“O anonimato oferecido pelo 4chan e plataformas semelhantes, e sua recusa em moderar o conteúdo de qualquer maneira significativa, garante que essas plataformas sejam e continuem sendo terreno fértil para discurso de ódio racista e radicalização”, afirma o relatório.

Em julho, um grande júri indiciou Payton Gendron, um adolescente, por crimes de ódio federais em conexão com o tiroteio.

O relatório de James defende revisões da Seção 230 do Communications Decency Act, que imuniza amplamente as empresas da web da responsabilidade por postagens de usuários. Essa lei, aprovada em 1996, já tem algumas exceções – inclusive para postagens de usuários que violam leis criminais federais, infringem direitos de propriedade intelectual ou violam leis estaduais de prostituição.

A Seção 230 também protege a capacidade das empresas de se envolverem na moderação de conteúdo, especificando que as plataformas da web podem restringir material censurável, incluindo conteúdo violento. (A Primeira Emenda protege separadamente o direito das empresas da web de moderar o conteúdo.)

James está recomendando que a Seção 230 proteja apenas as empresas que “tomam medidas razoáveis ​​para impedir que conteúdo criminoso violento ilegal (e solicitação e incitamento) apareça na plataforma”.

James também argumenta que as empresas que a Seção 230 não deve aplicar quando as empresas permitem que os usuários transmitam eventos ao vivo, a menos que as empresas imponham restrições como “requisitos de verificação e atrasos de fita” que são “adaptados para identificar violência em primeira pessoa antes que ela possa ser amplamente divulgada. .”

O relatório diz que a transmissão ao vivo agora é “uma ferramenta para atiradores em massa” que requer regulamentação.

“O atirador de Buffalo foi galvanizado por sua crença de que outros o assistiriam cometer violência em tempo real”, afirma o relatório. “A transmissão ao vivo se tornou uma ferramenta de atiradores em massa para divulgar instantaneamente seus crimes, aterrorizando ainda mais o público e as comunidades visadas pelo atirador.”

Twitch, a plataforma usada pelo atirador, desativou a transmissão ao vivo dois minutos após o início da violência, de acordo com o relatório.

O grupo de políticas financiado pela tecnologia Chamber of Progress argumenta que as revisões recomendadas por James à Seção 230 são desnecessárias, observando que a lei já protege a moderação de conteúdo.

O CEO da Câmara do Progresso, Adam Kovacevich, acrescenta que as restrições propostas à transmissão ao vivo não são práticas na internet.

“Os atrasos de fita funcionaram muito bem para transmissões de televisão ao vivo, quando há uma transmissão para todo o país e uma pessoa que precisa monitorar essa transmissão”, disse ele ao MediaPost. “Mas isso não funciona para a internet.”

Confira matéria no Media Post

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Lei das fake news que atinge Telegram opõe Lira e líder de Bolsonaro
O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e o líder do governo na Casa, deputado Ricardo Barros (PP-PR), têm externado posições divergentes sobre a prioridade a ser dada pelos deputados ao projeto que busca combater a disseminação de notícias falsas no país. Um dos objetivos do texto é enquadrar o Telegram, visto como uma das […]
Keka Morelle é única brasileira presidente de júri no D&AD
Keka Morelle, CCO da Wunderman Thompson no Brasil, será presidente de júri da categoria Art Direction do D&AD. “Estou muito feliz em ter a oportunidade de presidir o júri da disciplina da qual sou apaixonada, e que hoje tem uma relevância enorme em representatividade e inclusão na nossa indústria. Pessoalmente, é uma grande responsabilidade e […]

Receba a newsletter no seu e-mail