Home / Morre Paulo Giovanni, radialista e líder publicitário

Morre Paulo Giovanni, radialista e líder publicitário

Fonte: Janela Publicitária

2 de outubro de 2023


Faleceu na manhã de domingo, 01/10, aos 72 anos, em São Paulo, Giovanni Wilbert Servolo, conhecido no meio de comunicação como Paulo Giovanni.

Nascido em Petrópolis, em 9/11/1950, Giovanni iniciou sua carreira no meio radiofônico ainda adolescente, na Rádio Imperial, em sua cidade natal. Em 1968, já morando no Rio, estreou na Rádio Tupi AM e, três anos depois, apresentava um programa na Rádio Globo AM, onde adotou o nome de Paulo Giovanni Show.

Enquanto estava na rádio, em 09/07/1973, associado a Maurício Nogueira, contando somente com uma secretaria e um boy numa salinha na Rua Senador Dantas, abriu a agência Paulo Giovanni Publicidade, como decorrência natural dos negócios que o programa foi capaz de atrair.

A agência cresceu de tal modo que, em 1982, mudou seu nome para Giovanni & Associados, buscando se desvincular da imagem do radialista. Na época, já contava com 42 funcionários e um faturamento de R$ 367,8 bilhões de cruzeiros.

A Giovanni, após negociação com a Foote, Cone & Belding (FCB), do Grupo Interpublic, passou a se assinar Giovanni, FCB, que, em 2006, se tornou Giovanni + Draft FCB com a FCB negociando internacionalmente a Draft. Bem mais tarde, esta agência concentrou-se apenas no nome de FCB Brasil, encerrando a presença da marca “Giovanni” na publicidade brasileira.

Em 2007, deixou temporariamente a área publicitária para se dedicar ao marketing promocional, criando as agências Mix Brand Experience e Pop Trade Marketing.

Já em 2011, de volta à propaganda, fundava a Tailor Made, vendida para a multinacional Leo Burnett e hoje batizada de Leo Burnett Tailor Made. E de 2014 a 2016, passou a chairman da Publicis Worldwide.

Enquanto existiu, a Giovanni foi uma das agências mais premiadas da história da propaganda carioca. Na foto abaixo, este colunista entrega os diplomas da agência a Maurício Nogueira, Paulo Giovanni e Adilson Xavier, seu diretor de criação, em 1996.

Em 1995, 2002 e em 2005, inclusive, como homenagem ao trabalho da agência, a mais premiada do Rio no Colunistas Brasil daqueles anos, Paulo Giovanni recebeu o título nacional de Publicitário do Ano. Em 2013, ele repetiu o título de Publicitário do Ano do Colunistas São Paulo, estando à frente da Leo Burnett Tailor Made.

Em mensagem para a Janela, o criativo Adilson Xavier escreveu:

“Paulo Giovanni foi mais que um sócio, foi um irmão, acolhedor, conselheiro, gentil, um exemplo de empreendedorismo, lealdade, e humanidade empresarial que trago comigo para sempre. Ninguém ficava imune ao seu magnetismo. Todos que o conheceram foram de alguma forma tocados por sua capacidade de comunicação, sua generosidade, seu esforço permanente para fazer as pessoas ao seu redor se sentirem bem. Sou um cara privilegiado por ter convivido com essa pessoa luminosa. Que Deus o receba de braços abertos e console sua família.”

Outras manifestações

Gustavo Oliveira, que dirigiu o escritório da Giovanni FCB no Rio, também enviou mensagem à Janela:

“Giovanni , além de um excepcional profissional com tive a honra de trabalhar muitos anos , era uma pessoa que sabia fazer amigos. Marcou presença não só na propaganda brasileira como também na vida das pessoas que tiveram a oportunidade de conviver com ele. Fará falta. Que Deus ilumine sua passagem.”

O grupo Publicis emitiu nota oficial sobre o falecimento de Paulo Giovanni.

“O Grupo Publicis Brasil lamenta a perda do amigo e grande referência da publicidade Paulo Giovanni.
Giovanni teve um papel fundamental na formação dos alicerces da indústria publicitária contemporânea e em especial do grupo Publicis. Em 2011 assumiu como CEO da Leo Burnett Tailor Made, quando a rede global comprou sua agência. De 2014 a 2016 foi chairman do grupo de agências que incluía a Publicis Brasil, a Leo Burnett Tailor Made, a DPZ&T e a Talent Marcel, e seguiu sendo uma referência para todos nós do mercado.
Toda nossa solidariedade aos familiares e amigos nesse momento difícil.”

Segundo informações de amigos, a morte de Paulo Giovanni foi causada por infarto.

Paulo Giovanni tinha dois irmãos, igualmente publicitários e atuantes na área de produção: Antonio Wilbert Servolo e Leonardo Wilbert Servolo. Ele teve cinco filhos em dois casamentos. Com Vera Lucia Kozlowski Tannenbaum, Gustavo e João Pedro (falecidos em 2002, após acidente automobilístico) e Fernanda. Com Roseli Puhl Zigmundo, Theodoro e Pietra.

Seu velório acontece no Funeral Home (Rua São Carlos do Pinhal, 376, na Bela Vista-SP), em 03/10, a partir das 08:00h, com o féretro saindo às 14:00h para o Cemitério Morumby (Rua Deputado Laércio, 468), sendo o sepultamento às 15:30h.

Confira matéria no Janela Publicitária

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Manipulação das redes sociais por líderes populistas é tema de livro de Patrícia Campos Mello
O livro “A Máquina do Ódio: Notas de uma repórter sobre fake news e violência digital”, de autoria da repórter especial da Folha de S.Paulo, Patrícia Campos Mello, trata do funcionamento das campanhas virtuais de desinformação, abordando as estratégias de manipulação das redes sociais por líderes populistas. Leia Mais
Relatório vazado do Instagram mostra que a maioria dos Reels não tem engajamento
O Instagram tem trabalhado cada vez mais para se tornar uma plataforma de vídeos, mas, de acordo com o americano The Wall Street Journal, a missão do aplicativo tem apresentado algumas falhas. O jornal informou nesta segunda-feira (12) que teve acesso a cópias de uma pesquisa interna da plataforma, chamada ‘Creators x Reels State of […]

Receba a newsletter no seu e-mail