Home / Custos globais de mídia de TV aumentam mais de 30% no pós-pandemia

Custos globais de mídia de TV aumentam mais de 30% no pós-pandemia

Fonte: Propmark

4 de agosto de 2022

O custo do investimento em mídia está aumentado no mundo e a TV é o meio que vem sofrendo com o maior impacto, segundo levantamento do serviço de inteligência em marketing Warc. Globalmente, os CPMs de TV (custo por mil) registraram alta 31,2% desde 2019, o maior percentual em mais de duas décadas. Em 2022, a elevação já está em 9,9o%.

O processo é notado principalmente nos Estados Unidos. Lá, os CPMs de TV devem alcançar US$ 73,14 em dezembro deste ano. O valor representa uma alta de  40,0% em comparação com os números de 2019.

O estudo traz ainda que algumas categorias têm experimentado com mais peso o novo cenário. Segundo dados da Warc Media, as marcas de alimentos investiram, em média, 79,8% de seus orçamentos em TV em 2019, e as do automotivo, 67,7%. Mantido o nível de aporte, até 2021 o volume de impressões teria caído 18 pontos percentuais.

Mídia digital também aumenta
A inflação dos meios também é sentida pelo mercado anunciante ao buscar audiências em canais digitais. Os CPMs de redes sociais tiveram alta de 33% entre 2019 e 2021 (fonte: Skai).

Também cresce o custo da publicidade em plataformas, como a Amazon, assim como os custos de anúncios over-the-top (OTT ou streaming de vídeo). Nos Estados, os desembolsos nos formatos avançados de TV devem subir em 9,9%, segundo Federação Mundial de Anunciantes (WFA).

Apesar das altas acentuadas nas principais mídias do mercado, alguns meios como rádio e OOH apresentam uma dinâmica diferente, relata o estudo. Na Austrália, o custo da mídia em rádio ao longo do ano está 1,1% abaixo dos níveis pré-pandemia. Nos Estados Unidos, o quadro praticamente não se alterou no intervalo dos três anos.

Acontece algo semelhante também OOH, levando em conta painéis estáticos e digitais. No Reino Unido, os preços de anúncios externos estão 3,1% mais baixos, e nos Estados Unidos, 5,8%.

Para Alex Brownsell, chefe de conteúdo da Warc Media e autor do relatório, afirma que à medida que a participação da TV linear no consumo total de mídia cai, as marcas procuram alcance em outros lugares.

“No entanto, a eficiência da entrega de alcance por meio de canais que não são de TV está sendo ameaçada pela inflação em todo o ecossistema de mídia”, afirma.

Confira matéria no Propmark

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Facebook pode levar multa pesada por explorar dados de usuários
Uma ação judicial apresentada pela autoridade regulatória do Reino Unido pode levar a empresa a pagar até US$ 3,2 bilhões e representa "todos os britânicos que usaram o Facebook entre 2015 e 2019".
Adriana Machado vai para o Conselho Superior do Conar
Depois de dez anos como integrante do Conselho de Ética do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), a publicitária mineira Adriana Machado assumiu a presidência da Primeira Câmara do Conselho Superior do órgão. Instância máxima do Conar, o Conselho Superior é o órgão normativo e de administração da associação. “O Código de Autorregulamentação é a […]

Receba a newsletter no seu e-mail