Home / Meta processada por anúncios de imitações

Meta processada por anúncios de imitações

Fonte: Media Post

27 de abril de 2022

Um artista que vende esculturas de cobras está processando a Meta, mãe do Facebook, por supostamente permitir que falsificadores anunciassem versões falsas de seu trabalho.

Em uma ação coletiva apresentada no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Norte da Califórnia, Jennifer Cook, que comercializa seu trabalho no Snakearts.com, alega que falsificadores usam fotos de seu site para criar anúncios de imitações de suas esculturas.

Os falsificadores supostamente postam esses anúncios no Facebook, que então se baseia em “estatísticas granulares” para direcionar esses anúncios para um “público indutor de receita”.

“As poderosas ferramentas de anúncios do Facebook e a aplicação frouxa o ajudaram a se tornar a plataforma preferida de afiliados obscuros que atacam pessoas com golpes e usam declarações falsas e fotografias infratoras para atrair usuários a pagar por produtos que nunca chegam ou estão longe do que foi prometido”, alega Cook.

“Isso está arruinando a capacidade dos criadores de publicar seu trabalho por medo de que ele seja imediatamente roubado”, acrescenta ela.

Suas reivindicações incluem violação de direitos autorais e propaganda enganosa.

As cláusulas de “porto seguro” da Lei de Direitos Autorais do Milênio Digital protegem os operadores de sites como o Facebook da responsabilidade por violação de direitos autorais, desde que algumas condições sejam atendidas – incluindo que eles retirem o material mediante solicitação.

Cook diz em sua reclamação que, mesmo quando o Facebook remove anúncios específicos, outros anúncios com as mesmas imagens infratoras “aparecerão no site”.

Mas os juízes determinaram efetivamente no passado que a Lei de Direitos Autorais do Milênio Digital exige apenas que os sites retirem o material no local ou URL específico sinalizado pelo proprietário do conteúdo – em vez de policiar seus sites proativamente por material infrator.

Os proprietários de conteúdo criticam esse sistema de “aviso e remoção”, argumentando que ele exige que eles constantemente policiem os serviços online e enviem vários avisos para o mesmo conteúdo.

Alguns desses críticos propõem que o Congresso adote um sistema de “aviso e permanência”.

Os legisladores não o fizeram, mas atualmente estão considerando um projeto de lei que exigiria que empresas da web usem medidas técnicas para filtrar material infrator.

Cook também alega que o Facebook não conseguiu remover contas que ela identificou como infratoras.

Mas as cláusulas de porto seguro da Lei de Direitos Autorais do Milênio Digital não exigem que as empresas proíbam os infratores após uma única alegação de pirataria, de acordo com o especialista em direitos autorais Eric Goldman, professor de direito da Universidade de Santa Clara.

Ele diz que enquanto as empresas da web devem emitir “greves” contra os infratores e aplicar uma política para lidar com infratores reincidentes, a lei não exige uma abordagem de “um golpe e você está fora”.

O Facebook ainda não respondeu a um pedido de comentário sobre o processo.

Confira matéria no Media Post

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Rede DDB une três agências e relança marca DM9
Após um hiato de quase quatro anos, a rede DDB anuncia a volta da DM9. O retorno da marca ocorre com a fusão de três agências da rede administradas no Brasil pelo Grupo ABC: a SunsetDDB, que tem foco principal em publicidade, a TracyLocke, especializada em shopper marketing, e a Track, de CRM. A nova DM9 […]
Orçamentos de marketing no Reino Unido continuam diminuindo acentuadamente em meio ao impacto da Covid-19 (em inglês)
Empresas no Reino Unido registraram mais uma drástica redução nos orçamentos de marketing durante o 3º trimestre, de acordo com o mais recente IPA Bellwether Report. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail