Home / Meta ameaça remover notícias da plataforma se projeto de lei do jornalismo for aprovado

Meta ameaça remover notícias da plataforma se projeto de lei do jornalismo for aprovado

Fonte: Media Post

6 de dezembro de 2022

A Meta Platforms ameaçou na segunda-feira remover as notícias de seu serviço de rede social se o Congresso aprovar a polêmica Lei de Competição e Preservação do Jornalismo. 

“Se o Congresso aprovar um projeto de lei imprudente sobre jornalismo como parte da legislação de segurança nacional, seremos forçados a considerar a remoção total de notícias de nossa plataforma, em vez de nos submetermos a negociações mandatadas pelo governo que desconsideram injustamente qualquer valor que fornecemos aos meios de comunicação por meio do aumento do tráfego. e assinaturas”, disse o porta-voz Andy Stone na segunda-feira no  Twitter .

A ação da Meta veio no mesmo dia em que os legisladores do Senado propuseram anexar a Lei de Concorrência e Preservação do Jornalismo ao projeto de lei de gastos com defesa obrigatório deste ano.

A Lei de Concorrência e Preservação do Jornalismo, que foi aprovada pelo Comitê Judiciário do Senado no início deste ano, permitiria que os meios de comunicação se unissem para negociar com grandes empresas de tecnologia o pagamento pelo “acesso” a artigos de notícias.

Organizações de notícias com menos de 1.500 funcionários seriam cobertas, exceto as emissoras, que não estariam sujeitas a esse limite.

O projeto de lei também proibiria as empresas de tecnologia de negociar a moderação de conteúdo – impedindo efetivamente o Google ou o Facebook de remover histórias enganosas, além de exigir que as plataformas subsidiem as organizações de notícias que publicam tais peças.

Outras disposições proíbem as plataformas de discriminar organizações de notícias que participam de negociações conjuntas ou de “retaliar” contra elas – inclusive rebaixando o conteúdo dessas organizações ou recusando-se a indexá-lo.

Alguns grupos da indústria de notícias, incluindo a News Media Alliance e associações de transmissão estaduais, apoiam o projeto de lei, argumentando que grandes empresas de tecnologia deveriam ser obrigadas a compensar as organizações jornalísticas pelo conteúdo.

A indústria de tecnologia geralmente se opõe à lei proposta. Grupos de direitos digitais também se opõem ao projeto de lei, argumentando que ele viola a Primeira Emenda ao forçar as empresas de tecnologia a promover artigos de notícias que são falsos ou que violam os próprios padrões editoriais das empresas.

Uma coalizão de 26 grupos de defesa e política – incluindo a American Civil Liberties Union, Chamber of Progress, Electronic Frontier Foundation e Public Knowledge – instou na segunda-feira os legisladores a rejeitar a medida.

Os grupos dizem em uma carta aos legisladores que a lei proposta “comporá alguns dos maiores problemas em nosso cenário de informação e fará pouco para permitir que os novos modelos mais promissores o melhorem”.

As organizações acrescentam que as disposições que proíbem as empresas de tecnologia de negociar conteúdo e de discriminar provedores de notícias representam “um ataque direto a um princípio fundamental de moderação de conteúdo na Internet” e “aumentarão a quantidade de desinformação em rede, discurso de ódio, e assédio encontrados lá.”

“Esta forma de mandato do governo para que as plataformas cobertas carreguem e paguem também é contrária às proteções da Primeira Emenda”, escrevem os grupos.

Eles também dizem que o projeto de lei entra em conflito com a lei federal de direitos autorais, bem como com processos judiciais anteriores.

“O mecanismo básico do projeto de lei expande os direitos dos proprietários de conteúdo além dos limites tradicionais da lei de direitos autorais de maneiras que seriam prejudiciais ao interesse público”, escrevem os grupos. “Exigir pagamento pelo uso de fatos também vai contra o precedente da Suprema Corte, baseado na Primeira Emenda, de que ninguém pode possuir fatos.”

Confira matéria no MediaPost

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Big Techs na mira de EUA e UE em memorando que antecede reunião de tecnologia e comércio (em inglês)
Os EUA e a UE planejam adotar uma abordagem mais unificada para limitar o poder de mercado das Big Techs, de acordo com o rascunho de um memorando de reunião do Conselho de Comércio e Tecnologia EUA-UE que deve ocorrer no próximo dia 29.
Movimento antirracista cresce, mas marcas devem fazer mais, aponta estudo
Estudo “Racismo e comunicação: Um panorama em dados”, realizado pela Ogilvy Brasil em conjunto com o núcleo interno Eixo Benguela, mostra como o racismo estrutural se reflete e a importância da representatividade na publicidade. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail