Home / Instituto Legal Grounds publica recomendações sobre o PL das Fake News

Instituto Legal Grounds publica recomendações sobre o PL das Fake News

Fonte: Conjur

5 de outubro de 2021

Por Amália Batocchio, pesquisadora do Instituto Legal Grounds, mestranda em Filosofia e Teoria Geral do Direito pela Faculdade de Direito da USP e especialista em Business Economics pela Escola de Economia da FGV/SP

Um dos principais assuntos discutidos nos últimos anos é o tema das fake news. No Brasil, a discussão legislativa é travada no âmbito do Projeto de Lei 2630/2020, que propõe a Lei de Transparência e Responsabilidade na Internet. O projeto de lei passou por intensos debates na Câmara e no Senado, bem como foi assunto em uma série de audiências e eventos, mobilizando diversos atores da sociedade civil.

É nesse mesmo sentido que o Instituto Legal Grounds traz suas contribuições para o debate, por meio do documento Regulação de Fake News no Brasil. O documento tem como proposta aprofundar e propor aperfeiçoamentos, especialmente, quanto a dois temas centrais: 1) a atividade de moderação de conteúdo pelas plataformas digitais; e 2) o modelo de autorregulação regulada.

A partir da análise de dados sobre a moderação de conteúdo das plataformas YouTube, Facebook e Twitter, e dos principais pontos de propostas internacionais para a regulação da atividade de moderação, como os Princípios de Manila, os Princípios de Santa Clara e a NetzDG da Alemanha, o documento conclui que o tratamento dado pelo Projeto de Lei 2630/2020 quanto à moderação de conteúdo é incompleto. “Faltam regras de transparência e prestação de contas naquilo que ocorre no processo de tomada de decisão pela plataforma, seja em relação aos moderadores, seja em relação aos algoritmos empregados, bem no que diz respeito à disponibilização de mecanismos claros para reclamação para os usuários ofendidos e ao empenho dos provedores no sentido de mitigar impactos do conteúdo nocivo que foi propagado na rede” (p. 16). De forma a resolver esse e outros problemas suscitados, o documento destaca oito pontos que merecem especial atenção quanto à moderação de conteúdo privado pelos provedores e, por fim, traz uma proposta de redação para o artigo 12 do Projeto de Lei 2630/2020, que trata sobre o tema.

Quanto à “autorregulação regulada”, apesar de entender ser a mesma um instrumento adequado para lidar com notícias fraudulentas nos meios eletrônicos diante das complexidades e incertezas do mundo digital, segundo o documento, o Projeto de Lei 2630/2020 deixou de incluir aspectos cruciais para que o instituto prospere. Por exemplo, o projeto não apresenta mecanismos de incentivo para que as plataformas venham a aderir à autorregulação ou delineamentos mínimos sobre a estrutura da instituição. De forma a solucionar essas e outras limitações destacadas, o documento também apresenta uma proposta de redação para o artigo 30 do Projeto de Lei 2630/2020.

O texto integral do documento pode ser encontrado aqui

Para mais informações sobre o Instituto Legal Grounds, clique aqui.

Confira o artigo no ConJur.

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Mercado publicitário movimentou mais de R$ 11 bilhões no 1º trimestre de 2021
O diretor-executivo da ABAP, Alexandre Gibotti, comentou os resultados do levantamento sobre investimentos publicitários da Kantar Ibope Media e a contribuição do setor para a economia: “Publicidade em alta é ativação do Produto Interno Bruto brasileiro e geração de milhões de empregos”. Leia Mais
Japão vai investigar ‘Big Techs’ junto com EUA e União Europeia
Autoridades regulatórias do Japão confirmaram que o país vai olhar mais atentamente para as gigantes da tecnologia para evitar práticas anticompetitivas e não descartam a abertura de investigação sobre fusões e aquisições que sejam grandes demais. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail