Home / Governo, empresas e ONGs: onde está a confiança dos brasileiros

Governo, empresas e ONGs: onde está a confiança dos brasileiros

Fonte: Propmark

19 de abril de 2023

A Edelman lançou a pesquisa anual Edelman Trust Barometer 2023, que tem como objetivo medir como está a confiança das pessoas, com recortes para o Brasil. Os dados da análise apontaram para colapso no otimismo em relação à economia e um estado de forte polarização, alimentada pela desconfiança.

Os achados brasileiros do estudo mostraram um aumento na confiança no Governo, enquanto as empresas e ONGs se mantiveram como as únicas instituições consideradas confiáveis, competentes e éticas pelos respondentes.

Os dados apresentaram um desequilíbrio entre as instituições, apontando que as empresas têm vantagem de 24 pontos em relação ao Governo em termos de confiança. A média é superior à global, que fica em 11 pontos.

Além disso, a desigualdade baseada na renda gera duas realidades de confiança no país e, entre os respondentes de renda alta, o índice de confiança (média percentual da confiança em ONGs, Empresas, Governo e Mídia) fica em 56, no patamar da neutralidade. Já entre os respondentes de renda baixa, o índice cai para 48, ficando no patamar da desconfiança.

No Brasil, a figura do “Meu Empregador” segue sendo a que goza de maior confiança entre os respondentes, com 78%. No entanto, a percepção é de que empresas não estão fazendo o suficiente no tratamento de questões como acesso à saúde, mudanças climáticas e desigualdade econômica. Da mesma forma, a expectativa é de que CEOs posicionem-se publicamente sobre temas sociais.

“Esse é um ponto importante para empresas refletirem, principalmente em um mundo polarizado como o que vivemos hoje. O estudo mostra que apenas 48% dos brasileiros acham possível que as empresas evitem serem políticas ao tratar de questões controversas da sociedade. É essencial que elas estejam abertas a trabalhar em parceria com outras instituições e que tomem ações baseadas na ciência, que ajam de acordo com seus valores e que sejam uma fonte de informação confiável”, afirmou Ana Julião, gerente geral da Edelman no Brasil.

A pesquisa demonstra que as empresas têm em média seis vezes mais chances de obter resultados ideais atuando em parceria com o governo do que se atuarem sozinhas em ações construtivas para endereçar questões sociais. Além disso, 76% dos brasileiros acreditam que as marcas enfatizarem os interesses que temos em comum fortaleceria o tecido social.

Confira matéria no Propmark

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Segmentação contextual aumenta em 32% o interesse do consumidor em publicidade, aponta Seedtag/Nielsen
A indicação de um amigo ainda é fator decisivo na hora do consumidor decidir por uma compra. Apesar de confiar mais em conhecidos do que na publicidade, a estratégia de mídia paga ainda é bastante relevante para a decisão de compra. O interesse do consumidor nesse canal, no entanto, pode ser maior ou menor de […]
Anatel: regulação de plataformas digitais exigiria cooperação internacional
Em evento promovido pela Anatel que debateu competição e plataformas digitais, especialistas concluíram que uma ação regulatória focada na atuação de gigantes da internet deve passar por uma abordagem internacional. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail