Home / Google é processado novamente por monopólio de publicidade nos EUA

Google é processado novamente por monopólio de publicidade nos EUA

Fonte: Terra

26 de janeiro de 2023

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos apresentou nesta terça-feira, 24, um processo antitruste contra o Google alegando um monopólio da gigante no setor de publicidade. A pasta e outros oito estados americanos acusam a empresa de tecnologia de abusar ilegalmente do seu domínio na publicidade digital e de violar uma lei antimonopólio.

De acordo com o processo, o Google mantém as principais ferramentas de controle de como a publicidade na internet é entregue, o que torna categorias como editores e anunciantes “reféns” da ferramenta da empresa.

“A competição no espaço da tecnologia foi interrompida por razões que não foram acidentais nem inevitáveis”, diz a ação judicial.

Em entrevista coletiva concedida nesta terça, para anunciar o processo, o procurador-geral dos EUA, Merrick Gardland, comentou que a conduta “excludente” do Google “enfraqueceu gravemente — se não destruiu — a concorrência na indústria da publicidade tecnológica”.

“Como resultado deste esquema, os sites ganham menos e os anunciantes pagam mais”, declarou Gardland.

O processo, instaurado no Distrito Leste da Virgínia, tem como objetivo obrigar a empresa a abandonar o Google Ad Manager (sua plataforma de gestão de anúncios) e que o tribunal proíba o Google de continuar participando de qualquer uma das práticas anticompetitivas descritas no processo judicial.

Junto com o Departamento de Justiça, os estados de Nova York, Califórnia, Connecticut, Virginia, Colorado, Nova Jersey, Rhode Island e Tennessee assinaram o pedido.

Histórico

Esta é a segunda grande ação judicial antimonopólio apresentada contra o Google pelo Departamento de Justiça nos últimos três anos. Em 2020, uma ação por uso de táticas anticompetitivas foi anunciada juntamente com um grupo de procuradores-gerais. A acusação era de que a empresa utilizava artifícios para monopolizar ilegalmente os mercados de pesquisa e publicidade online.

Em 2021, a empresa ganhou US$ 209 bilhões com publicidade, sendo a maior empresa do ramo no mundo. O domínio do Google na área é, em grande parte, o resultado da sua aquisição de tecnologia de publicidade que lhe deu uma vantagem na divulgação de anúncios sobre os concorrentes.

Em 2007, o Google comprou a DoubleClick, uma empresa de serviços que lhe permitiu vender anúncios gráficos em sites. Em 2010, adquiriu a AdMob, uma rede de publicidade móvel que impulsionou o seu negócio neste segmento. Gardland explicou à imprensa que este processo judicial é mais um exemplo do desafio do seu departamento para lutar pelos direitos dos consumidores e salvaguardar a concorrência, “independentemente da indústria”.

Já o procurador Jonathan Kanter, chefe da Divisão Antimonopólio, explicou que o processo acusa o Google de manter, durante 15 anos, uma conduta que tem “reduzido a concorrência” e “inflacionado” os custos de publicidade, enquanto “reduz” os lucros dos sites, “impedindo a inovação” e “aplanando o mercado das ideias”.

O procurador antimonopólio explicou que a própria empresa estima ter ganhado US$ 0,30 para cada dólar investido pelos anunciantes que fizeram uso das ferramentas do Google, embora na sua opinião possa ser uma quantia “significativamente” mais elevada.

Confira matéria no Terra

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

ANPD divulga lista completa dos indicados ao Conselho Nacional de Proteção de Dados
A ANPD divulgou a lista completa de indicados para compor o Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade. A Coalizão do Setor da Comunicação Social – que reúne 15 entidades, entre elas a ABAP – indicou o advogado e professor Vitor Morais de Andrade. Leia Mais
11 companhias assinam acordo de novos controles autorregulatórios para marketing de alimentos (em inglês)
11 das maiores companhias globais de alimentos e bebidas concordaram em restringir ainda mais a publicidade de produtos com alto teor de gordura, açúcar e sal. Entre as mudanças, o acordo prevê que cinco categorias não serão mais anunciadas para menores de 13 anos: chocolates, doces e confeitos, batatas fritas, refrigerantes e sorvetes.

Receba a newsletter no seu e-mail