Home / Facebook não prioriza o Brasil em investigação de conteúdo violento

Facebook não prioriza o Brasil em investigação de conteúdo violento

Fonte: Isto é Dinheiro

7 de novembro de 2021

Um relatório interno do Facebook recomenda que a empresa investigue a circulação de conteúdo violento na plataforma e no aplicativo WhatsApp, mas o documento orienta que a equipe foque nos Estados Unidos e no Reino Unido, apesar do problema também ter sido relatado no Brasil.

A percepção da empresa, de acordo com o relatório, é de que a circulação de conteúdo violento é muito maior no Facebook e no WhatsApp do que em plataformas como Instagram, TikTok e Twitter. As informações são da Folha de São Paulo.

A recomendação é que a divisão de integridade cívica se concentre no conteúdo que circula nos Estados Unidos e no Reino Unido.

No Brasil, segundo o documento, há a percepção de que desinformação, linguagem política incendiária, bullying e exploração de crianças são problemas muito maiores no Facebook do que em outras plataformas.

A empresa recomenda que uma equipe investigue por que o alcance de conteúdo de exploração infantil é maior no Facebook do que em outras plataformas no Brasil e na Colômbia.

O texto de julho de 2020 diz que as declarações e mensagens políticas são desinformações com maior alcance na plataforma no Brasil.

Uma das principais críticas feitas ao Facebook é que a empresa negligencia a moderação de conteúdo em países vistos como menos importantes que os Estados Unidos, o Reino Unido e nações da União Europeia.

A Meta afirmou, em nota à Folha, que os resultados dessas pesquisas mostram a percepção das pessoas sobre o conteúdo que elas veem nas plataformas. Essas percepções são importantes, mas dependem de uma série de fatores, incluindo o contexto cultural.

Uma ex-funcionária disse, em abril, que o Facebook deixou de agir diante de líderes de países como Honduras, que usou a plataforma para fins autoritários. Segundo ela, a empresa resolveu não agir alegando que não valia a pena.

Confira matéria completa na Isto é Dinheiro

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

EUA: ‘governo não quer matar big techs’, mas melhorá-las, diz assessor
O assessor especial da presidência dos EUA para tecnologia e políticas de concorrência, Tim Wu, explicou que os esforços da Casa Branca para restringir o poder das Big Techs tem como objetivo torná-las mais competitivas.
Plataformas precisam de regras claras contra informações falsas, diz Barroso
Em evento da XP Investimentos, o presidente do TSE e ministro do STF, Luís Roberto Barroso, afirmou que as plataformas têm de explicitar o que é proibido e proativamente retirar do ar discursos de ódio e conteúdos mentirosos ou anticientíficos.

Receba a newsletter no seu e-mail