Home / Europa se prepara para reescrever as regras da Internet

Europa se prepara para reescrever as regras da Internet

Fonte: Wired

3 de novembro de 2022

A Lei de Mercados Digitais forçará as plataformas de Big Tech a abrir seus jardins murados em 2023, diz o novo embaixador da UE no Vale do Silício

Em 1º de novembro, a Lei de Mercados Digitais da União Europeia entrou em vigor, iniciando um processo que deve forçar Amazon, Google e Meta a tornar suas plataformas mais abertas e interoperáveis ​​em 2023. Isso pode trazer grandes mudanças no que as pessoas podem fazer com seus dispositivos e aplicativos, em um novo lembrete de que a Europa regulamentou as empresas de tecnologia muito mais ativamente do que os EUA.

“Esperamos que as consequências sejam significativas”, diz Gerard de Graaf, um funcionário veterano da UE que ajudou a aprovar o DMA no início deste ano. No mês passado, ele se tornou diretor de um novo escritório da UE em São Francisco, criado em parte para explicar as consequências da lei para as grandes empresas de tecnologia. De Graaf diz que eles serão forçados a arrombar seus jardins murados.

“Se você tem um iPhone, deve poder baixar aplicativos não apenas da App Store, mas de outras lojas de aplicativos ou da internet”, diz Graaf, em uma sala de conferência com detalhes em verde esmeralda no consulado irlandês em São Francisco. , onde o escritório da UE está inicialmente localizado. O DMA exige que plataformas dominantes permitam a entrada de concorrentes menores e também pode obrigar o WhatsApp da Meta a receber mensagens de aplicativos concorrentes como Signal ou Telegram, ou impedir que Amazon, Apple e Google deem preferência a seus próprios aplicativos e serviços.

Embora o DMA entre em vigor na próxima semana, as plataformas de tecnologia não precisam cumprir imediatamente. A UE primeiro deve decidir quais empresas são grandes e entrincheiradas o suficiente para serem classificadas como “gatekeepers” sujeitas às regras mais rígidas. De Graaf espera que cerca de uma dúzia de empresas façam parte desse grupo, a ser anunciado na primavera. Esses gatekeepers terão seis meses para entrar em conformidade.

De Graaf previu uma onda de ações judiciais desafiando as novas regras da Europa para Big Tech, mas diz que está na Califórnia para ajudar a deixar claro aos gigantes do Vale do Silício que as regras mudaram. A UE já havia cobrado grandes multas contra Google, Apple e outros por meio de investigações antitruste , um mecanismo que coloca o ônus da prova nos burocratas, diz ele. Sob o DMA, o ônus está no negócio de se alinhar. “A mensagem principal é que as negociações terminaram, estamos em uma situação de conformidade”, diz de Graaf. “Você pode não gostar, mas é assim que é.”

Assim como a lei de privacidade digital da UE, GDPR , espera-se que o DMA leve a mudanças na forma como as plataformas de tecnologia atendem pessoas além dos 400 milhões de usuários de internet da UE, porque alguns detalhes de conformidade serão mais facilmente implementados globalmente.

Em breve, as empresas de tecnologia também terão que lidar com uma segunda lei abrangente da UE, a Lei de Serviços Digitais , que exige avaliações de risco de alguns algoritmos e divulgações sobre a tomada de decisões automatizadas, e pode forçar aplicativos sociais como o TikTok a abrir seus dados para escrutínio externo . A lei também deve ser implementada em etapas, com as maiores plataformas online previstas para cumprir em meados de 2024. A UE também está considerando aprovar regras específicas para inteligência artificial , que podem proibir alguns casos de uso da tecnologia.

De Graaf argumenta que regras mais rígidas para os gigantes da tecnologia são necessárias não apenas para ajudar a proteger as pessoas e outras empresas de práticas injustas, mas também para permitir que a sociedade receba todos os benefícios da tecnologia. Ele criticou uma Declaração de Direitos de IA não vinculativa recentemente divulgada pela Casa Branca , dizendo que a falta de regulamentação firme pode minar a confiança do público na tecnologia. “Se nossos cidadãos perderem a confiança na IA porque acreditam que ela os discrimina e leva a resultados prejudiciais às suas vidas”, diz ele, “eles vão evitar a IA, e ela nunca será bem-sucedida”.

O novo escritório da UE foi aberto após movimentos recentes do bloco e dos EUA para colaborar mais na política de tecnologia. De Graaf diz que ambos os lados estão interessados ​​em encontrar maneiras de lidar com a escassez de chips e as maneiras pelas quais governos autoritários podem alavancar a tecnologia e a internet.

Ele também está planejando uma viagem a Sacramento para conhecer os legisladores do estado da Califórnia que, segundo ele, foram pioneiros em enfrentar a Big Tech. Eles aprovaram um projeto de lei no mês passado exigindo configurações rígidas de privacidade padrão para crianças e controles sobre como as empresas usam os dados que coletam sobre crianças. O Congresso dos EUA aprovou relativamente pouca legislação que afeta a indústria de tecnologia nos últimos anos, além do CHIPS de US$ 52 bilhões e do Science Act em apoio à produção de semicondutores em julho .

Marlena Wisniak, que lidera o trabalho de tecnologia no grupo de liberdades civis do Centro Europeu para Leis Sem Fins Lucrativos, considera a nova presença da UE no quintal da indústria de tecnologia como uma nova prova de que leva a sério a definição de políticas de tecnologia globalmente. Ela diz que de Graaf deveria usar parte desse poder para beneficiar pessoas que dependem de plataformas de Big Tech fora dos EUA e da UE, que raramente são representadas na diplomacia tecnológica.

Wisniak também espera que os emissários digitais da UE possam evitar cair em armadilhas que atrapalharam os planos de alguns recém-chegados ao Vale do Silício, um lugar com muito mais executivos, empreendedores e investidores do que especialistas em políticas. “Espero que os formuladores de políticas da UE não fiquem deslumbrados com o hype tecnológico”, diz ela. “A narrativa do técnico é real.”

Confira matéria no Wired

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

APRO define boas práticas para a produção publicitária
Nessa quinta-feira, 11, a APRO (Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais) apresentou seu novo “Guia de boas práticas para a contratação de serviços de produção publicitária”. O documento foi desenvolvido em conjunto com o Comitê de Sourcing da ABA (Associação Brasileira dos Anunciantes) e visa reforçar os principais pontos de atenção das etapas de […]
Por que serviços de streaming têm cada vez mais propagandas
Quando os serviços de streaming chegaram ao mercado, parte de sua atratividade era eliminar os anúncios. Muitos consumidores trocaram a televisão para assistir a programas sem interrupções no streaming. A tendência chacoalhou a indústria do entretenimento e trouxe uma experiência nova e sob demanda aos consumidores. Agora, porém, ansiosas por aumentar a receita, as empresas de streaming estão inserindo anúncios em seus produtos. […]

Receba a newsletter no seu e-mail