Home / Eugênio Bucci: ‘democracias sólidas têm regulação forte da comunicação’

Eugênio Bucci: ‘democracias sólidas têm regulação forte da comunicação’

Fonte: Opera Mundi

10 de novembro de 2022

Para professor de jornalismo, Brasil precisa regular concentração de poder e coibir confusão entre igreja, partido e meios de comunicação

A falta de regulação atual, democrática e moderna dos meios de comunicação causa um déficit democrático ao Brasil, na opinião do jornalista Eugênio Bucci, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. “As democracias sólidas têm uma regulação muito forte da comunicação”, observou ele em conversa com o jornalista Breno Altman, no programa 20 MINUTOS desta terça-feira (08/11).

Esse déficit traz riscos concretos à democracia brasileira, como ficou evidente nas eleições presidenciais que se encerraram com a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva. “No conjunto, a atuação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Supremo Tribunal Federal (STF) garantiu a eleição de 2022 no Brasil. Havia um ataque feroz, pesado, articulado com setores do poder, contra as urnas eletrônicas e por extensão a própria instituição da eleição democrática”, avalia Bucci. “Temos visto atos em que pessoas recebem a Polícia Rodoviária Federal a bala. O que justifica esse tipo de ataque contra uma decisão democrática dos eleitores? Vai ficando muito claro o caráter do movimento em curso, que é contra a democracia”. 

Para ele, o Brasil precisa regular prioritariamente a fusão informal que se estabeleceu entre igreja, meios de comunicação e partidos políticos. “Na democracia, não podemos ter uma igreja ou um grupo de igrejas com claros interesses partidários e ao mesmo tempo claros interesses no campo da radiodifusão”, argumenta. “Se há vasos comunicantes entre essas duas coisas, vira uma confusão que distorce o ambiente democrático”. 

A regulação deveria ser estendida às redes sociais e às chamadas “big techs”, transnacionais privadas como Facebook e Google, pelas quais circula toda a informação pública, sem qualquer transparência: “Se é uma praça pública, como disse recentemente Mark Zuckerberg, tem que ter regra pública, e não privada. Isso significa que os critérios do algoritmo precisam ser conhecidos”. O caminho a ser tomado deveria ser a quebra desses monopólios, defende Bucci.

Localmente, a concentração de poder por poucos grupos familiares de comunicação também deveria ser objeto de regulação: “Isso funciona em todos os setores da economia, o Brasil poderia regular também esse setor do mercado de forma mais competente. Se existe concentração de propriedade, existe concentração de poder, e o nível de liberdade é um pouco abaixo do que seria desejado”. Bucci evita caracterizar conglomerados como a Rede Globo como monopólios: “Pode ser que exista uma concentração nacional de audiência ou faturamento publicitário, mas são coisas dentro do ajustável. Tecnicamente não são monopólios”.

Confira matéria no Opera Mundi

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Reino Unido anuncia lei para multar empresas de mídias sociais que não conseguirem remover conteúdos abusivos (em inglês)
O Reino Unido anunciou planos para sancionar a Online Safety Bill, uma lei que pretende multar empresas de mídias sociais que não eliminarem abusos online. A nova lei também busca fortalecer a liberdade de expressão, assegurar o debate político democrático e proteger o conteúdo jornalístico. Leia Mais
Agências usam programas de estágio para ampliar diversidade
Programas de estágio e mentoria buscam construir ambientes mais igualitários e representativos nas agências.

Receba a newsletter no seu e-mail