Home / Entenda como a Lei de Serviços Digitais pode impactar empresas de tecnologia (e se pode chegar ao Brasil)

Entenda como a Lei de Serviços Digitais pode impactar empresas de tecnologia (e se pode chegar ao Brasil)

Fonte: Money Times

27 de abril de 2022

Nos últimos meses, a União Europeia (UE) protagonizou intensos embates com empresas de tecnologia global a fim de assegurar a criação e cumprimento de normas reguladoras para o setor.

Após intensas 16 horas de negociações, o bloco aprovou a Lei de Serviços Digitais (ou Digital Services Act, em inglês). A nova legislação prevê maior controle e impõe novas limitações para empresas de tecnologia que atuarem em países europeus.

Com as novas normas, companhias como Google, Meta e Microsoft serão obrigadas a ter maior controle sobre o direcionamento de publicidades, solicitação de dados pessoais e a desenvolverem novas políticas de gestão de crises voltadas a disseminação de fake news.

Outro ponto sensível para as empresas do segmento é que a nova lei prevê o fornecimento de dados acerca de seus algoritmos para órgãos reguladores e pesquisadores.

Até então, muitas dessas plataformas utilizavam seus “algoritmos secretos” como ferramentas comerciais para atrair novos usuários e impelir esforços de produção de conteúdo a empresas digitais.

Para Arthur Igreja, especialista em inovação e tecnologia, a abertura desses algoritmos para órgãos públicos tem impactos relevantes tanto no mercado quanto na própria sociedade.

“São segredos industriais e de propriedade, mas que têm um impacto social importante. A partir do momento que se tem essa verificação, começa a ter compreensão e o que pode acontecer é que não necessariamente vão encontrar só lisuras. Outro ponto é o diferencial competitivo entre as empresas, que vão tentar se proteger ao máximo”, diz.

“Um bom paralelo para exemplificar é aquilo que tivemos na década de 70 e 80, principalmente, na indústria química, que desenvolveu uma série de compostos sintéticos inéditos e documentos internos comprovavam que se sabiam dos potenciais danos e perigos. Estamos entrando agora nessa era em relação a software”, explica o especialista.

Líderes políticos internacionais, como ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, além do próprio presidente norte-americano Joe Biden já alertaram empresas de tecnologia sobre os impactos de suas ações sobre a população, assim como seus comportamentos, hábitos de consumo e mesmo saúde mental

Igreja avalia que a principal motivação da União Europeia é justamente a imposição de limites e criação de novas regulamentações legais para estas empresas.

“Por muito tempo as empresas de tecnologia ficaram num certo limbo para tentar fugir de classificações mais tradicionais e se esquivar de questões tributárias e trabalhistas. Um exemplo é o caso da mobilidade, com o Uber”, explica.

“Acontece que agora a União Europeia está tentando enquadrar e definir melhor essas zonas de responsabilidade”.

Para muitos especialistas, a nova legislação europeia – que se junta à Lei de Mercados Digitais aprovada em março deste ano – poderá ser reproduzida pelo Brasil em pouco tempo.

De acordo com Arthur Igreja, esse movimento já aconteceu no país anteriormente e pode se repetir.

“Foi o que aconteceu com a LGPD. Esso movimento vai ser mais intenso, acontecerá antes em alguns países, mais tarde em outros, mas é fato que isso vai acontecer. Teremos um progresso expressivo nesse sentido”, ressalta.

Confira matéria no Money Times

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Ministro do TCU defende suspensão de contrato entre governo e ferramenta do Google
O ministro Bruno Dantas, membro do TCU, recomendou que os contratos firmados entre o governo federal e o Google sejam encerrados caso fique comprovado que o algoritmo adotado pela empresa não é compatível com o que determina a Constituição do Brasil. Leia Mais
Mulheres na criação: 12 líderes que estão mudando a publicidade
A área da criação em agências de publicidade é historicamente dominada por homens. Em 2020, elas ocupavam apenas 25% do total de profissionais da área, enquanto homens eram 75% dos líderes do departamento, de acordo com a pesquisa do PropMark em parceria com More Grls. Por outro lado, as poucas que ocupam estes espaços resistem e batalham […]

Receba a newsletter no seu e-mail