Home / Agências em 2023: as fusões, aquisições e encerramentos do ano

Agências em 2023: as fusões, aquisições e encerramentos do ano

Fonte: Meio e Mensagem

18 de dezembro de 2023

O ano de 2023 foi repleto de muitas fusões e aquisições de agências, e até mesmo o fechamento repentino de uma operação. Agências independentes notáveis, como a Gut, venderam participações para diferentes entidades.

Um dos maiores negócios do ano foi a compra da gigante do comércio eletrônico Flywheel pela Omnicom, por US$ 835 milhões. O anúncio da fusão da VML também gerou muitas reações da indústria.

Confira alguns dos casos mais notáveis ​​em que agências se fundiram, foram adquiridas ou desapareceram em 2023.

Adam&EveDDB Nova York

Em maio, a DDB Worldwide fundiu a Adam&EveNYC e a DDB New York, formando uma nova agência: Adam&EveDDB. Caroline Winterton, recentemente presidente da Digitas Nova York e Atlanta, foi nomeada CEO da nova entidade.

Alex Lubar, presidente global e diretor de operações da DDB Worldwide, manteve conversas com o diretor criativo global da Adam&Eve, Richard Brim, por alguns meses antes de decidirem combinar as duas agências do Grupo Omnicom.

Esta não foi a primeira fusão do ano para a DDB. Em fevereiro, a DDB Canada se fundiu com a TBWA\Group Canada.

Butchershop

Butchershop, uma agência de São Francisco cujo mantra é “vencer o fracasso”, fechou repentinamente suas portas em maio, afetando cerca de 100 funcionários. Vários disseram que a agência encerrou atividades sem aviso prévio.

A carteira da Butchershop era composta principalmente por clientes de tecnologia. Na petição, a agência reivindicou receitas de US$ 12 milhões em 2021, o que, segundo ela, representou um aumento de 50%. Para 2022, projetou receita de US$ 30 milhões.

Anteriormente, em 2021, a Butchershop adquiriu a Maniak, uma agência de design e desenvolvimento Web3 com sede no México, além de abrir um escritório em Viena.

CP+B

No último movimento para reviver o outrora renomado CPB, a Stagwell fundiu três de suas agências. Em abril, foi noticiado que a MMI, Vitro e a Observatory se juntariam à CP+B, abrindo mão de suas marcas. A notícia veio logo depois que o CEO da Gale, Brad Simms assumiu o cargo de CEO global da CP+B.

Como parte da mudança, a ex-CEO da MMI, Maggie Malek, foi nomeada presidente da CPB North America, reportando-se a Simms.

A fusão aumentou o tamanho da CP+B para mais de 300 funcionários. Além disso adicionou recursos em entretenimento de marca, produção e trabalho de influenciadores. Em 2021, Ad Age informou que a agência, que no seu auge tinha cerca de mil funcionários, caiu para cerca de 40 colaboradores.

EssenceMediacom

Em janeiro, a EssenceMediacom, parte do GroupM, braço de investimento em mídia da WPP, foi lançada oficialmente. A apresentação ocorreu nove meses depois do anúncio dos planos de fusão. Jill Kelly é agora a CEO da EssenceMediacom para os Estados Unidos.

O movimento formou a maior entidade global de mídia e fazia parte de um plano para simplificar as ofertas do GroupM.

Flywheel

O Omnicom Group fechou o maior acordo de sua história ao adquirir a Flywheel Digital, o negócio de comércio digital da Ascential, por US$ 835 milhão.

A aquisição é significativa em vários níveis. A Flywheel tem mais de 2 mil funcionários e atende mais de 4.500 marcas, incluindo mais da metade das 100 maiores marcas de bens de consumo embalados do mundo. Alguns dos clientes compartilhados por ambas as entidades incluem L’Oréal, Johnson & Johnson, Marte, Philips e Clorox.

Além disso, o movimento também duplica a quantidade de dados que a Omnicom tem disponível para fornecer insights. Assim, torna a Omnicom uma das líderes em e-commerce, um dos maiores impulsionadores do negócio de agências atualmente.

O reconhecimento do nome Flywheel no espaço “especialmente com marcas de CPG” é o que torna a mudança atraente para os anunciantes, disse Tom Denford, CEO da consultoria de mídia e publicidade ID Comms sobre a mudança em outubro.

O fechamento do negócio deverá acontecer durante o primeiro trimestre de 2024.

Gut

Cinco anos após sua fundação, a Gut vendeu uma participação majoritária de sua empresa para a consultoria global de tecnologia e digital Globant. A mudança foi uma surpresa para alguns profissionais do setor, dado o rápido crescimento da Gut e a promessa feita em 2018 pelo cofundador e presidente criativo da Gut, Anselmo Ramos, de manter a agência “independente para sempre”.

Desde então, a agência atingiu cerca de 500 funcionários e 60 clientes em todo o mundo, com escritórios em Miami, Buenos Aires, Argentina, São Paulo, Toronto, Cidade do México, Los Angeles e Amsterdã.

Segundo os executivos, a decisão promove o objetivo da agência de se tornar uma das cinco principais redes criativas globais. “Da mesma forma que a nossa independência total foi fundamental nos nossos primeiros cinco anos para chegarmos onde estamos hoje, sentimos que esta parceria será fundamental para chegarmos onde precisamos de estar dentro de cinco anos”, disse Ramos.

A mudança também dá imediatamente à Gut capacidades tecnológicas e digitais que não tinha anteriormente.

Obviously e Goat

Em março, a VMLY&R reforçou suas habilidades de marketing para criadores de conteúdo ao adquirir agências influenciadoras Obviously e Goat na mesma semana.

O CEO global da VMLY&R, Jon Cook, disse que a necessidade desses tipos de aquisições surgiu quando ele percebeu que a empresa tinha uma lacuna na capacidade da rede de agências de fornecer serviços de marketing de influência em escala global.

As compras fizeram parte de uma tendência contínua de agências reforçando suas ofertas relacionadas aos creators, à medida que a mídia social e o trabalho de influenciadores se tornam uma demanda cada vez maior entre os profissionais de marketing.

VML

A WPP obteve bastante reação da indústria quando anunciou planos de fusão de duas de suas maiores redes criativas, VMLY&R e Wunderman Thompson. A nova entidade, que se chamará VML, começará a operar em janeiro de 2024 e terá 30 mil funcionários, tornando-se o que a holding chama de maior agência criativa global.

Jon Cook irá liderar a VML como CEO global, e Mel Edwards como presidente global. Cook atualmente atua como CEO da VMLY&R e Edwards é a CEO global da Wunderman Thompson.

Cook disse ao Ad Age que a combinação das duas agências criará uma oferta mais forte em comércio, fidelidade e tecnologia, com a criatividade na vanguarda para melhor competir com consultorias e outras agências. Segundo ele, a fusão faz sentido, dado que as agências compartilham 80% de seus respectivos clientes, incluindo Ford, Microsoft, Dell, Colgate-Palmolive, Nestlé e Coca-Cola.

Confira matéria no Meio e Mensagem

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Pesquisa aponta receios de profissionais de marketing e vendas com a IA
A Totvs realizou uma pesquisa para a  H2R Insights e Trends que registrou que 42% dos profissionais de marketing e vendas brasileiros têm algum medo ou receio em relação à evolução da IA e os impactos negativos que podem atingir suas posições. A taxa representa o maior índice do relatório. O impacto na empregabilidade é […]
Disney tem planos de incluir publicidade no streaming
A Disney irá incluir publicidade na sua plataforma de streaming, Disney+. A empresa destinará esses anúncios a uma assinatura mais acessível, suportada financeiramente por meio de propagandas para os perfis, com exceção dos níveis pré-escolares (infantis). No início, a plataforma pretende limitar o tempo dos anunciantes, sendo exibidos intervalos de apenas quatro minutos a cada […]

Receba a newsletter no seu e-mail