Home / CPMI das Fake News projeta ‘carona’ em CPI da Covid e deve mirar eleições

CPMI das Fake News projeta ‘carona’ em CPI da Covid e deve mirar eleições

Fonte: UOL

8 de novembro de 2021

Parada desde o início da pandemia, a CPMI das Fake News deve voltar a funcionar após o recesso parlamentar, em fevereiro de 2022, impulsionada por informações compartilhadas pela CPI da Covid. Um dos focos do colegiado deve ser o enfrentamento à produção e disseminação de notícias falsas ao longo das eleições do ano que vem, segundo informou o presidente da comissão, senador Angelo Coronel (PSD-BA).

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, que conta com a participação de senadores e deputados federais, foi instalada em 4 de setembro de 2019, mas está suspensa desde 20 de março de 2020. Na época, a maioria das atividades no Congresso foi congelada para não promover aglomerações devido à crise sanitária provocada pela covid-19.

As comissões têm voltado a funcionar com a adoção de medidas de prevenção, mas, até o momento, a CPMI das Fake News segue parada, embora ainda tenha 207 dias de funcionamento a serem utilizados, de acordo com Angelo Coronel.

O senador disse já ter conversado com o presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), sobre a retomada da CPMI e, em princípio, está acertado retomá-la em fevereiro.

A CPMI poderá se utilizar de informações relacionadas às fake news já colhidas pela CPI da Covid, se for vontade da maioria do colegiado. Inclusive, profissionais da CPMI chegaram a trabalhar com a comissão que terminou em outubro.

“Temos que nos ater ao que é fake news. […] O que tiver esse entrelaçamento com a CPI da Covid evidente que vamos aproveitar.”

Confira matéria completa no uol

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Caboré: conheça todos os indicados de 2021
Eduardo Simon, CEO e sócio-fundador da Galeria e VP da ABAP, foi indicado ao Prêmio Caboré 2021 na categoria Dirigente da Indústria da Comunicação, ao lado de Fatima Pissara, fundadora e CEO da Mynd, e Sergio Gordilho, copresidente e CCO da Africa. Conheça todos os indicados nas 14 categorias da premiação.
Alvos de inquérito das fake news, milícias digitais são usadas para lavagem de dinheiro, diz Alexandre de Moraes
Segundo o ministro Alexandre de Moraes, do STF, alvos do inquérito das fake news usam cursos, lives e sites de crowdfunding em esquema criminoso. Além disso, o uso de robôs para disseminar notícias falsas está sendo substituído por equipes de pessoas contratadas para divulgar desinformação. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail