Home / As tendências do mercado e as transformações das empresas no varejo digital

As tendências do mercado e as transformações das empresas no varejo digital

Fonte: Propmark

14 de abril de 2022

Inovações como a criação de ecossistemas de negócios, o cross border e o metaverso devem impulsionar mudanças no setor, debatido durante o VTEXDay, que aconteceu em SP

Os caminhos das marcas de varejo em seus pontos de contato com os clientes no digital ganham novas perspectivas a todo instante. E levam a uma rotina de transformação dos negócios, com o surgimento de novos modelos estruturados, quase sempre, para encontrar o consumidor no momento e no lugar mais adequado.

São cenários que criam tendências como os ecossistemas de negócios, construídos por diversas verticais, a exemplo do Mercado Livre e do Magazine Luiza; o cross border, um comércio transfronteiriço como se percebe com a chegada de empresas chinesas ao Brasil; e o metaverso, o novo futuro espaço de conversas e de transações.

“São aquisições, investimentos e novos iniciativas de negócios que conseguem desgarrar o negócios do ambiente de origem em busca de um crescimento exponencial”, afirmou Alberto Serrentino, fundador da Varese Retail, ao falar sobre o potencial dos ecossistemas no VTEXDay, que terminou ontem (13) em São Paulo.  

Eduardo Terra, presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo, explica que o cross border pode ser também um caminho para as marcas brasileiras entrarem em outros mercados. Ele usa o e-commerce chinês Tmall para fazer uma comparação, espaço onde estão mais de mil empresas australianas e apenas 15 do Brasil. “As marcas brasileiras podem usar o digital para acelerar o processo de expansão”, acredita.

Sobre o tão comentado metaverso, Terra trabalha com duas perspectivas: curto e médio prazos, com a criação de serviços e produtos que serão consumidos apenas virtualmente; e o longo prazo, com operações que conectarão de fato o físico e o virtual, criando uma espécie de varejo 4.0.

Por sua vez, Julia Rueff, head de marketplace do Mercado Livre, adiciona outras tendências às quais o setor deve ficar atento. A primeira é em relação à melhoria dos serviços, com entregas mais rápidas e eficientes, uma demanda que cresceu muito nos últimos tempos.

A executiva também vê espaço para a penetração do varejo digital em outras categorias que hoje ainda dependem muito do espaço físico, como moda, supermercados e beleza. E novos canais de venda, como live streaming, ativação que tem se expandido mundialmente como forma de estabelecer conexões com os consumidores e aproximá-los de momentos de experimentação.

“O Mercado Livre vai investir R$ 17 bilhões neste ano, 70% a mais do que no ano passado. Valores baseados no que entendemos como  tendências para o futuro e tendências para o agora também”, afirma Rueff.

A conexão entre os canais digitais também tem apresentado ganhos importantes para o Grupo Boticário, de acordo com Maria Isabel Miranda, diretora executiva da Beleza na Web e Beauty Box. Ela conta que a partir do momento que conectaram os ativos do grupo, que reúne marca como O Boticário, Quem disse Berenice?, Eudora e Vulti, e transformaram tendências em estratégias de negócios, o crescimento “tem sido muito forte”.

“Dentro da Beleza na Web e no Beauty Box, o que eu posso destacar é cada vez essa conexão entre as marcas, profissionais e os influenciadores. Isso é muito forte dentro do mercado de beleza para a escalada do nosso marketplace. E o social commerce e live commerce como fatores bem importantes porque o consumidor de beleza tem uma demanda por conteúdo, experimentação e por referências”, explica.

E-commerce divertido
Grande parte da evolução do varejo digital mundial tem visto na China um espelho, como o caso do live shopping, que nasceu em 2016 com o Alibaba lançando o Taobao Live. Hoje, mais de 50% das vendas totais do varejo no país asiático são feitas por ecommerce, que trabalha com estimativa de fechar 2022 movimentando quase US$ 1,5 trilhão, segundo dados do emarketer. E o social commerce de varejo registrou US$ 351,6 bilhões em 2021 contra US$ 36,6 bilhões nos Estados Unidos, de acordo com a mesma fonte de pesquisa.

Não à toa, Zia Wigder, Chief Content Officer da Insider Intelligence, fala para o mercado não ignorar as tendências de social shopping. “As ações não serão idênticas às realizadas lá, mas não ignorem. Vocês podem perder uma grande oportunidade”.

Segundo a especialista, um dos atrativos das estratégias de shopping é que elas são criadas para serem divertidas e entreterem os potenciais consumidores. “Elas são sobre a experiência, sobre se divertir”, conta.

Um outro exemplo é a proposta do Pinduoduo, que oferece descontos a partir de compras coletivas e que acaba gerando compartilhamentos e ações entre amigos para que consigam comprar produtos mais em conta.. No Brasil, quem lançou algo semelhante foi a Magazine Luiza com a ferramenta “Compra Junto” no seu app.

Confira matéria no Propmark

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Novo texto do PL das Fake News pode sair em duas semanas
Comissão de parlamentares criada para elaborar o texto do projeto das Fake News na Câmara dos Deputados está recebendo sugestões e a previsão é de que em duas semanas um substitutivo do PL seja apresentado.Leia Mais
A leniência das Big Techs no Brasil
Levantamento realizado pelo professor Marcelo Alves, do Departamento de Comunicação da PUC-Rio, mostrou que o YouTube removeu só 4,4% dos vídeos com desinformação sobre o sistema eleitoral. O dado sugere uma defasagem das plataformas no cumprimento de suas próprias regras de moderação e de compromissos assumidos com o Poder Público.  Em março, o YouTube anunciou uma nova política […]

Receba a newsletter no seu e-mail