Home / Quais são os e-commerces com melhor acessibilidade no Brasil?

Quais são os e-commerces com melhor acessibilidade no Brasil?

Fonte: Canaltech

30 de maio de 2022

Para tratar de acessibilidade digital com responsabilidade é preciso pensar de maneira estratégica e estrutural

A Yaman, empresa especializada na consultoria em engenharia e qualidade de software e segurança cibernética do Brasil, por meio do seu Centro de Inclusão Digital, avaliou o nível de acessibilidade dos 30 e-commerces com maior participação de mercado no Brasil para conhecer quais estão mais adequados ao design e desenvolvimento acessível. Os e-commerces da Apple, Samsung, Elo7, QConcursos e 123 Milhas, foram os que tiveram melhor resultado no ‘Ranking Yaman de Acessibilidade 2022 – Categoria TOP 30 E-commerces’.

A empresa testou o nível de acessibilidade do Ranking dos 30 maiores e-commerces, de acordo com as diretrizes mais atuais da Web Content Accessibility Guidelines (WCAG, iniciativa que busca padronizar internet de forma acessível) por meio de uma dupla de QAs especializados no tema, composta por uma pessoa com deficiência e outra não, classificando os bugs em “impeditivos”, “altos”, “médios” e “baixos”. Nessa avaliação, o site que melhor se saiu foi o da Apple, seguido pelo da Samsung e da Elo7. Na ponta da lista, ficaram O Boticário, em 30º; Aliexpress, em 29º; e Shopee, em 28º.

A pesquisa da Yaman também avaliou e-commerces globais, com os principais destaques nessa frente sendo o Rakuten, loja de Tóquio conhecida pelo seu extenso programa de cashback (e não disponível no Brasil); Walmart; e Etsy. O Mercado Livre também se faz presente entre as empresas globais com melhor acessibilidade em seu site, ocupando a quinta posição do ranking do estudo.

“Em meio ao cenário de pandemia que vivemos nos últimos dois anos, as vendas de produtos e serviços online aumentaram muito. Mesmo após a flexibilização das restrições e a retomada gradual do comércio físico, os e-commerces tendem a crescer. Adaptar os sites para que sejam acessíveis para todas as pessoas é o que pode fazer a diferença nos negócios, além de oferecer uma boa experiência digital para todos.”, destaca Andrey Coelho, CEO da Yaman.

Importância da Acessibilidade em e-commerces

Segundo o último Censo do IBGE (2010), no Brasil há cerca de 46 milhões de pessoas com deficiência, que encontram dificuldades ou não conseguem acessar sites e aplicativos. Apesar de ser um público que movimenta US$ 22 bilhões (R$ 104,5 bilhões) por ano, apenas 0,89% dos sites brasileiros são acessíveis a essas pessoas. Além disso, a acessibilidade digital não é apenas relevante, como também é lei. A Lei Brasileira de Inclusão (LBI) torna obrigatória a acessibilidade nos sites da internet mantidos por empresas com sede ou representação comercial no país.

“Acessibilidade não é apenas para pessoas com deficiência, mas para todos os públicos, de maneira a proporcionar acesso universal a toda gama de recursos físicos ou tecnológicos disponíveis ao ser humano para garantir igualdade de condições para que possam viver e trabalhar com dignidade. Em outras palavras, acessibilidade digital é uma internet acessível para todos. Além disso, ao criar sites ou aplicativos acessíveis são otimizados os investimentos em publicidade e marketing graças às estratégias de SEO, que aumenta a visibilidade da empresa nos algoritmos das redes sociais e também no Google”, ressalta Coelho.

Confira matéria no Canaltech

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Ancine publica ainda este ano regra que afasta a condecine do streaming
O presidente da Agência Nacional do Cinema (Ancine), Alex Braga Muniz disse nesta quarta-feira, 23, que até o fim do ano será publicado regulamento que afasta definitivamente a possibilidade de empresas de streaming recolherem a Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional sobre seus catálogos – a chamada Condecine VOD. O Congresso Nacional derrubou […]
Google institui novas regras para privacidade de menores
O Google anunciou mudanças em suas políticas de uso para aumentar a privacidade de menores de 18 anos e restrições na publicidade para esse público.

Receba a newsletter no seu e-mail