Home / A denunciante do Facebook, Frances Haugen, diz que é mais barato veicular anúncios “odiosos” na plataforma do que outro tipo de anúncio

A denunciante do Facebook, Frances Haugen, diz que é mais barato veicular anúncios “odiosos” na plataforma do que outro tipo de anúncio

Fonte: Insider

26 de outubro de 2021

A denunciante do Facebook, Frances Haugen, disse aos legisladores britânicos na segunda-feira que colocar anúncios “de ódio, raiva e divisão” na plataforma da empresa saiu mais barato do que colocar outros tipos de anúncio.

Haugen, que trabalhou na equipe de integridade cívica do Facebook antes de deixar a empresa em maio, apareceu em uma reunião do comitê parlamentar selecionado cerca de três semanas depois de testemunhar no Congresso dos Estados Unidos . Ela disse que os preços dos anúncios no Facebook eram “parcialmente baseados na probabilidade de as pessoas gostarem deles, compartilhá-los de novo, fazer outras coisas para interagir com eles – clicar em um link”.

“Um anúncio que consegue mais engajamento é um anúncio mais barato”, disse ela.

Isso tornou “substancialmente” mais barato veicular um “anúncio raivoso, odioso e polêmico do que um anúncio compassivo e empático”, disse ela.

Haugen repetiu o que disse aos legisladores dos Estados Unidos durante sua audiência no Senado no início deste mês: que ela acha que a classificação baseada no engajamento no Facebook – otimizar o conteúdo para obter a maior interação dos usuários – causa muitos problemas de segurança na plataforma.

Haugen disse em seu depoimento ao Congresso que a própria pesquisa do Facebook mostrou que esse tipo de classificação baseada em engajamento leva os algoritmos da empresa a favorecer conteúdo prejudicial. Na segunda-feira, Haugen disse que isso se aplica tanto aos anúncios na plataforma quanto ao conteúdo gerado pelo usuário.

Um porta-voz do Facebook direcionou a Insider para esta postagem do blog da empresa   sobre a qualidade do anúncio e destacou uma seção que lembra os leitores de que os anúncios no Facebook devem obedecer aos padrões da comunidade e às políticas de publicidade. Isso inclui políticas que proíbem   anúncios sensacionais e  anúncios  que “contenham conteúdo que explore crises ou questões políticas ou sociais controversas para fins comerciais”.

O Facebook já havia acusado Haugen de descaracterizar a empresa , e o CEO Mark Zuckerberg disse que algumas de suas afirmações anteriores são “absurdas “.

Numerosas organizações de notícias publicaram histórias sobre o Facebook na segunda-feira após analisar documentos da empresa, conhecidos como “Facebook Papers”, vazados por Haugen.

A gigante da tecnologia deve anunciar uma mudança de marca já na quinta-feira desta semana, com foco em sua ambição de se tornar uma empresa “metaversa” .

Confira matéria no Insider

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

São Paulo será sede do Festival Mundial da Criatividade 2024
A capital paulista será sede de mais uma edição do Festival Mundial da Criatividade, que será realizado entre os dias 19, 20 e 21 de abril de 2024. Com mais de 500 atrações, entre palestras, workshops, painéis, experiências e performances para profissionais, empreendedores e empresas de todos os setores que integram a economia criativa brasileira, o evento […]
Número de negros na publicidade não reflete a população brasileira
O Estação Livre questionou o mercado da comunicação sobre a representatividade e diversidade nos setores da mídia e da publicidade. Apesar do aumento de negros nos comerciais e na televisão, o número ainda não corresponde aos 56% da população brasileira. O programa conversou com a publicitária Renata Hilário para entender como esse problema está sendo […]

Receba a newsletter no seu e-mail