Home / Coalizão ataca a legislação de reforma das mídias sociais no Brasil

Coalizão ataca a legislação de reforma das mídias sociais no Brasil

Fonte: Poynter

17 de maio de 2022

Juntos, Google, Facebook e o presidente Jair Bolsonaro lutaram contra a compensação por conteúdo e moderação de postagens de políticos

Mercurial Presidente brasileiro Jair Bolsonaro, Google e Facebook são aliados acidentais lutando na mesma trincheira para derrotar a regulamentação da Big Tech no Brasil.

Bolsonaro manobrou seus aliados no Congresso no mês passado e conseguiu frear um projeto de lei que estabeleceria requisitos de moderação e transparência para as plataformas de internet e pagamento por conteúdo de notícias.

Não há muita esperança entre os legisladores de que possam votar o regulamento, chamado PL 2630 ou Fake News Bill, antes das eleições presidenciais de 2 de outubro.

Dessa forma, Bolsonaro provavelmente entrará na campanha presidencial de 2022 sem nenhum risco de restrições ao Telegram, WhatsApp e às plataformas de mídia social que ele usa para divulgar a versão brasileira do “Stop the Steal”.

A decisão de adiar o debate sobre o projeto foi uma grande vitória para os esforços agressivos de lobby do Google e do Facebook contra o pagamento por conteúdo de notícias e requisitos de transparência para direcionamento de anúncios e moderação de conteúdo.

Por três dias, o Google apresentou em sua página inicial brasileira, logo abaixo da caixa de busca, links como: “Saiba como o PL 2360 pode forçar o Google a financiar notícias falsas”. 97% de todas as buscas na web no Brasil são feitas no Google, segundo a Statista.

A plataforma também publicou anúncios de página inteira nos principais jornais diários brasileiros dizendo que o projeto levaria a desinformação. Isso pressionou as pessoas a pressionar seus legisladores nas mídias sociais.

No Instagram da Meta, anúncios colocados pelo Google diziam: “Veja como isso pode prejudicá-lo – um projeto de lei pode dificultar a busca de notícias relevantes. O PL 2630 impactará sua internet.”

“Eles abusaram de seu domínio de mercado e espalharam desinformação para evitar a regulamentação”, me disse o deputado brasileiro Orlando Silva, um dos patrocinadores do projeto.

O Google também enviou e-mails para proprietários de pequenas empresas dizendo: “Olá, anunciante. O projeto de lei 2630 pode prejudicar pequenas e grandes empresas e diminuir sua capacidade de promover produtos e serviços online. … Se o projeto de lei for aprovado em sua forma atual, milhares de pequenas e médias empresas no Brasil terão dificuldades para aumentar suas vendas com a ajuda da publicidade online.” O e-mail também tinha um link – “veja como a fatura 2630 pode impactar seu negócio”.

O Facebook publicou anúncios de página inteira nos principais meios de comunicação, dizendo: “O projeto de lei de notícias falsas deve combater notícias falsas. Não deve brigar com o restaurante do seu bairro.”

Antes disso, Google, Facebook, Twitter e Mercado Livre, um site de comércio eletrônico, publicaram uma carta pública dizendo que o projeto de lei “é uma ameaça potencial contra uma internet livre, democrática e aberta”.

“O lobby das plataformas de internet tem sido extremamente desonesto. Estão produzindo desinformação sobre a legislação para convencer legisladores e usuários de que seria o fim da internet como a conhecemos”, disse Bia Barbosa, representante da sociedade civil no Comitê Gestor da Internet no Brasil e membro dos “Direitos na Rede”. ” coalizão, que inclui várias organizações da sociedade civil que defendem a privacidade, regulamentação e transparência.

“Duvido que as plataformas de internet usem essas táticas de lobby sórdidas em países da UE”, acrescentou. “No Brasil, eles acham que podem simplesmente usar a desinformação para se livrar da regulamentação.”

Google e Facebook afirmam que querem ter mais debate sobre a legislação e estão discutindo aspectos da lei que consideram problemáticos.

“Queremos trazer à tona aspectos da legislação que não estavam sendo discutidos e que podem ter consequências indesejadas não apenas para as plataformas, mas para todos os internautas”, disse Marcelo Lacerda, diretor de assuntos governamentais e políticas públicas do Google no Brasil.

Meta disse por meio de um porta-voz no Brasil: “Estamos dispostos a fazer parceria com o Congresso para trabalhar na legislação para combater a desinformação. No entanto, nossas análises técnicas indicaram que o PL 2630 precisa de melhorias em alguns aspectos que podem ter consequências indesejadas.”

O presidente brasileiro e seus aliados costumam entrar em desacordo com a Big Tech, principalmente quando as plataformas recorrem à moderação de conteúdo para combater a desinformação. O YouTube e o Facebook removeram ou rotularam vários vídeos de Bolsonaro com informações falsas sobre o COVID-19 ou alegações infundadas sobre fraude eleitoral. O WhatsApp não cedeu às pressões de Bolsonaro para lançar um recurso de “comunidades”, que permitiria grupos com milhares de membros, antes da eleição brasileira. (Esses enormes grupos criptografados teriam permitido a Bolsonaro turbinar sua estratégia de comunicação no WhatsApp, o que o ajudou a vencer em 2018.)

Mas em relação à regulamentação, os interesses de Bolsonaro e da Big Tech estão perfeitamente alinhados. Os bolsonaristas estão até aproveitando o investimento das plataformas para derrotar o projeto de lei.

Há duas semanas, Bolsonaro compartilhou uma carta pública do presidente do Google Brasil, Fábio Coelho, em um grupo do WhatsApp. A carta atacou o projeto de lei de “notícias falsas”. Em sua mensagem ao grupo – que inclui seus aliados próximos, amigos pessoais e membros do gabinete – Bolsonaro disse que o projeto traria “censura e revogaria a liberdade de expressão” no Brasil. A mensagem foi relatada pela primeira vez pela revista Crusoé .

O consultor Guilherme Ravache, colunista do UOL, portal de internet líder no Brasil, e mentor do Projeto Meta Jornalismo, publicou um artigo com a manchete: “ Falso projeto de lei pode render à Globo mais de 230 milhões de reais por ano ” que foi amplamente compartilhado online. A Globo, maior conglomerado de mídia do Brasil, é a principal defensora da cláusula de compensação de conteúdo jornalístico. É também o inimigo de Bolsonaro.

“Um dos aspectos mais polêmicos do projeto é obrigar Google e Facebook a pagar por conteúdo jornalístico (no Brasil). Isso, por si só, não é um problema. Ambas as plataformas de internet já investem milhões de dólares em jornalismo e dizem que não se opõem ao pagamento”, afirma o artigo. De acordo com Ravache, principalmente grandes conglomerados de mídia como a Globo se beneficiariam da conta no Brasil – e ele disse que muitos pequenos veículos ficaram de fora do código de pagamento de conteúdo da Austrália, que foi a inspiração para a legislação brasileira.

Questionado sobre onde ele conseguiu o valor de 230 milhões de reais para pagamento de notícias para a Globo, Ravache apontou para um artigo da Columbia Journalism Review que dizia que as empresas de tecnologia concordaram em pagar à News Corp. arranjo maior que inclui publicidade e outros negócios. Ele apenas converteu o valor para reais, dizendo que considerava o tamanho da Globo e o tamanho da população brasileira.

O senador Flávio Bolsonaro, um dos filhos do presidente Bolsonaro, pegou essa “estimativa” e a compartilhou no Facebook.

“O projeto de lei Fake News trará censura à internet e ocultará informações governamentais. As estimativas apontam que a Globo vai faturar R$ 230 milhões por ano com a conta” , escreveu . “Você sabe o que vai acontecer com você, companheiro cristão, se o projeto for aprovado e você discordar das opiniões da mídia? Você pode ir para a cadeia por suposto ‘discurso de ódio’”.

A Globo também vem fazendo lobby de forma agressiva, defendendo a legislação em seus programas de TV, jornais e mídia online. O projeto ainda tem disposições que beneficiariam diretamente o conglomerado, como garantias específicas para veículos do mesmo grupo de mídia negociarem coletivamente com as plataformas e restrições à publicidade que afetariam diretamente as plataformas de tecnologia. Apesar da pressão, os legisladores não incluíram a possibilidade de um imposto sobre Big Tech e um fundo de mídia, o que poderia beneficiar os meios de comunicação menores.

A Globo é alvo frequente da ira de Bolsonaro. O presidente brasileiro ataca constantemente o conglomerado de mídia, que ele chama de “fake news”, e ameaça não renovar sua licença caso seja reeleito. Além disso, a licença governamental da Globo expira em abril de 2023. No Brasil, os canais de TV em rede pertencem ao governo, que os licencia para empresas de mídia por meio de licitações. As licenças são temporárias e precisam ser renovadas.

Os meios de comunicação independentes temerosos de perder seu financiamento também se opuseram ao projeto. A Ajor, associação de jornalismo digital, publicou uma carta apontando a falta de transparência nos negócios fechados entre os meios de comunicação e as plataformas na Austrália. Também menciona a recusa das empresas de tecnologia em negociar com alguns pequenos estabelecimentos.

O código de barganha da mídia australiana, promulgado em fevereiro do ano passado, é a inspiração para a legislação brasileira que foi morta por Bolsonaro e Big Tech.

A lei australiana permite que os meios de comunicação negociem com o Google e o Facebook o pagamento pelo uso de conteúdo de notícias. Na Austrália, as organizações de notícias conseguiram negociar acordos no valor de mais de US$ 200 milhões (aproximadamente US$ 150 milhões) desde que o código entrou em vigor. O governo estima que o Google fechou 20 negócios e o Meta fechou 14.

Na semana passada, a Reuters informou que o Google concordou em compensação de conteúdo com 300 editores europeus. O Canadá e o Reino Unido estão discutindo códigos de pagamento de notícias semelhantes aos da Austrália. No Brasil, “todos estão fazendo lobby de forma agressiva; não há anjos neste jogo”, disse Ravache, que defende um fundo de mídia independente para financiar o jornalismo.

Marcelo Rech, presidente da Associação Brasileira de Jornais, rejeita as críticas de que o projeto beneficiaria principalmente a Globo. A associação faz parte de uma coalizão que inclui grandes empresas de mídia, incluindo a Globo.

Google e Facebook dizem que são os principais apoiadores do jornalismo.

“Entendemos firmemente a importância do jornalismo de qualidade no combate à desinformação; é por isso que precisamos de mais debate sobre a lei”, diz Lacerda, diretor de assuntos governamentais e políticas públicas do Google no Brasil. “No Brasil, o Google tem inúmeras iniciativas para apoiar o ecossistema do jornalismo. Os meios de comunicação (obtêm) dois bilhões de cliques mensais por meio da pesquisa de notícias do Google gratuitamente. De 2019 a 2021, o Google pagou mais de R$ 1 bilhão para as 10 maiores organizações de mídia do Brasil por meio de nossas plataformas de publicidade do Google. Tudo isso deve ser levado em consideração.”

Um porta-voz da Meta disse: “Os meios de comunicação podem aumentar sua audiência, buscar mais assinantes e expandir suas receitas publicitárias quando estão presentes nas mídias sociais. Os meios de comunicação decidem se e quando publicam no Facebook e no Instagram.”

Pesquisadores e jornalistas brasileiros criticaram o que consideram falhas graves no projeto de lei. Para convencer os políticos a apoiá-la, os parlamentares incluíram na lei uma cláusula de imunidade que impossibilitaria as plataformas de internet de moderar o conteúdo postado por deputados e senadores, os dois tipos de legisladores que compõem o Congresso. A cláusula é vista como uma “vacina Trump”, pois tornaria mais difícil para as plataformas de internet banir políticos durante a campanha eleitoral deste ano, mesmo que violem os padrões de integridade eleitoral das mídias sociais.

Os critérios que estabelecem quem seria considerado um meio de comunicação e, portanto, quem teria direito a receber pagamento de plataformas de internet por conteúdo de notícias são realmente vagos – e podem permitir que sites de notícias inúteis e blogueiros e youtubers extremistas obtenham financiamento.

“Não há dados em nenhum lugar do mundo que comprovem que a existência de lei leve à redução da desinformação. Além disso, o PL 2.630 erra ao dedicar apenas um parágrafo à educação, proteger os políticos em exercício e criar uma ajuda financeira que parece ser exclusiva da grande mídia”, disse Cristina Tardáguila, fundadora da Lupa, principal serviço de checagem de notícias do país. Brasil.

Mas alguns aspectos do projeto de lei são vistos pelos pesquisadores de desinformação como atrasados. A lei obrigaria as plataformas de mídia social a divulgar detalhes sobre suas equipes de moderação de conteúdo – quantas pessoas contratam, qual é sua língua materna e nacionalidade e quanto investem em inteligência artificial em português. A partir de agora, tudo isso é um segredo. Denunciantes apontaram que, em países que não falam inglês, muitas vezes há um número insuficiente de moderadores que falam o idioma.

A legislação tem requisitos de transparência para medidas anti-desinformação. As plataformas da Internet teriam que divulgar não apenas o número de postagens desinformativas removidas ou rotuladas, mas também o alcance das publicações enganosas antes que uma ação fosse tomada.

Também estabeleceria que os internautas teriam o direito de ver um histórico de anúncios e conteúdo promovido, com informações sobre os critérios de segmentação utilizados. As plataformas se opõem a esses requisitos de transparência, dizendo que tornariam as plataformas vulneráveis ​​a maus atores e violariam a privacidade e os segredos comerciais.

Em um país que se tornou um símbolo do abuso do WhatsApp e da desinformação desenfreada, o projeto de lei do Brasil proíbe mensagens em massa automatizadas e impede o encaminhamento de mensagens para várias pessoas, o que alimenta a desinformação viral. Essa é uma das principais razões pelas quais Bolsonaro se opõe. Ele disse que as tentativas de regular o Telegram são “covardes”.

“Sabemos que o projeto tem cláusulas problemáticas, mas não devemos matar o projeto. Devemos negociar para melhorá-lo”, disse Bia Barbosa, representante da sociedade civil no Comitê Gestor da Internet no Brasil.

O Brasil está caminhando para novas eleições presidenciais em outubro sem nenhuma legislação exigindo que as plataformas de internet implementem medidas de transparência e estabeleçam políticas claras de moderação. As empresas de tecnologia estão fazendo pouco para evitar que uma insurreição brasileira aconteça em uma democracia muito menos estável do que a americana.

“Corremos o risco de ter um processo eleitoral semelhante às eleições presidenciais de 2018. Dependeremos apenas da autorregulação das plataformas, o que obviamente é insuficiente. Vimos a magnitude da desinformação e da violência política em 2018”, disse Barbosa.

Confira matéria no Poynter

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Autoridade antitruste da Coreia do Sul apresentará caso envolvendo Google este ano (em inglês)
A Korea Fair Trade Commission (KFTC) investiga alegações de que o Google restringe a concorrência no mercado de aplicativos móveis e no mercado de sistemas operacionais e planeja enviar um dos dois casos à deliberação do comitê até o final deste ano. Leia Mais
Consumidores preferem marcas alinhadas a causas socioambientais
Um levantamento realizado pelo movimento ModaComVerso, liderado pela Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), organização que congrega redes nacionais e internacionais de varejo de moda, mostra o movimento de consciência do consumidor do impacto de suas escolhas e a tendência de questionamento das empresas sobre seu papel social. No caso de marcas envolvidas em denúncia […]

Receba a newsletter no seu e-mail