Home / UE põe data para TikTok e YouTube listarem medidas de proteção infantil

UE põe data para TikTok e YouTube listarem medidas de proteção infantil

Fonte: Olhar Digital

14 de novembro de 2023

A União Europeia (UE) deu um prazo para o TikTok e o YouTube listarem suas medidas para proteger crianças e adolescentes de conteúdo ilegal e prejudicial nas plataformas. Segundo a Comissão Europeia, as empresas terão até 30 de novembro para demonstrar que estão cumprindo o novo conjunto de regras para big techs, a Lei dos Serviços Digitais (DSA). 

  • O Google, dono do YouTube, e TikTok ainda não se pronunciaram sobre o pedido de informações, relatou a Reuters; 
  • Segundo a Comissão, a intenção é verificar se as empresas intensificaram seus esforços a fim de cumprir a DSA;
  • O pedido ocorre dias após uma reunião entre o chefe da indústria da UE, Thierry de Breton, e o CEO do TikTok, Shou Zi Chew; 
  • Na ocasião, Breton pediu ao TikTok para não poupar esforços para combater a desinformação em sua plataforma; 
  • O chefe da UE também já alertou o Google, lembrando o CEO da Alphabet, Sundar Pichai, sobre a obrigação da empresa de proteger crianças e adolescentes; 
  • Vale pontuar que violações da DSA na UE podem gerar multa de até 6% da receita global da big tech

A Meta e a Snap, dona do Snapchat, também foram notificadas sobre medidas para proteção de crianças. As companhias têm até 1 de dezembro para apresentar relatório. 

O CEO do TikTok, Shou Zi Chew, enfrentou os chefões da UE recentemente em um encontro para discutir o papel da rede social na proliferação da desinformação sobre a guerra Israel-Hamas. A Comissão Europeia solicitou formalmente, em outubro, informações sobre como o TikTok estava lidando com o conteúdo, que viola as políticas do bloco.

A rede chinesa chegou a listar as medidas contra os conteúdos com tema Israel-Hamas, afirmando que suas ações incluíam o lançamento de um centro de comando e o aprimoramento de seus sistemas automatizados de detecção para remover conteúdo gráfico e violento.   

Sob a acusação de ser uma das plataformas que mais promove, através do seu algoritmo, conteúdo pró-terrorismo, no início deste mês a rede social de vídeo curtos atualizou que já retirou do ar uma enorme quantidade de material falso sobre o conflito.  

Confira matéria no Olhar Digital

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Entidades de comunicação defendem transparência das Big Techs sobre impulsionamentos
Marcelo Bechara, do Conselho Superior da ABERT, e Alexandre Gibotti, diretor-executivo da ABAP, representaram a Coalizão Liberdade com Responsabilidade em debate da Câmara dos Deputados sobre PL das Fake News.
Márcia Esteves encerra primeiro dia do NM2B 2023 falando sobre a era do propósito na publicidade
A importância da construção das marcas é o que Márcia Esteves, CEO e sócia da Lew’Lara\TBWA e presidente da ABAP, abordou no NM2B 2023. Para explicar isso, Márcia conta como funcionam as eras durante a história, iniciando pela a era da educação, onde os anúncios vinham para ensinar a funcionalidade dos produtos. A era da […]

Receba a newsletter no seu e-mail