Home / UE: lei determina que Big Techs combatam conteúdos ilegais e desinformação

UE: lei determina que Big Techs combatam conteúdos ilegais e desinformação

Fonte: Uol

23 de abril de 2022

O Conselho Europeu aprovou neste sábado (23) a DSA (Digital Services Act), uma lei que determina que Big Techs (como Meta, Google, Microsoft, Amazon, entre outras) combatam conteúdos ilegais online para tornar a navegação de usuários mais segura pela internet.

Caso não cumpram as novas regras, que passam a vigorar em 2024, as companhias podem ser multadas em até 6% da receita global. Para empresas com valor de mercado na casa do trilhão de dólares, como a Amazon, isso pode representar punições na casa dos US$ 6 bilhões.

A legislação tem o seguinte princípio: o que é ilegal offline também deve ser ilegal online.

O conjunto de regras inclui, por exemplo, regras sobre dados que podem ser usados para publicidade, determinações sobre como redes devem facilitar a notificação de conteúdos ou produtos ilegais (no caso de varejistas) e até a proibição de padrões enganosos de interface, conhecidos como dark patterns (os truques sujos de design usados por serviços para levar pessoas a aceitarem condições ocultas).

Algumas das regras da DSA:

É proibido propagandas tendo crianças como alvo ou baseada em dados sensíveis, como religião, gênero, raça e opiniões políticas;

Plataformas de redes sociais deverão fornecer formas fáceis de sinalizar conteúdos ilegais;

As companhias deverão monitorar e reduzir riscos de manipulação de serviços que tenham impacto no processo democrático e na segurança pública;

Empresas de marketplace [que permitem que terceiros comercializem seus produtos dentro de suas plataformas, como a Amazon] deverão ter sistemas para notificação de produtos suspeitos, como tênis falsos ou brinquedos inseguros;

Governos do bloco europeu poderão requisitar a remoção de conteúdos ilegais, como os que promovem pornografia infantil, terrorismo, discurso de ódio e golpes comerciais;

Companhias poderão ter de ceder dados de seus algoritmos para reguladores e pesquisadores;

Grandes plataformas terão de tornar o funcionamento de seus algoritmos mais claros. A legislação diz, por exemplo, que usuários deverão ter uma opção de recomendaçaõ não baseada em “perfilamento”;

Big Techs terão de informar como estão lidando com disseminação de desinformação — inclusive em situações especiais, como o conflito da Rússia contra a Ucrânia.

“As plataformas deveriam ser transparentes como suas decisões de moderação de conteúdo, prevenir desinformação se tornar viral e evitar produtos inseguros de serem oferecidos em marketplaces”, disse Margrethe Vestager, vice-presidente da Comissão Europeia responsável pela nova política digital, em comunicado. “Com o acordo de hoje, asseguramos que plataformas sejam responsabilizadas pelos riscos de seus serviços que podem oferecer algum tipo de risco à sociedade e aos cidadãos”.

O DSA (Digital Services Act) é uma das ações da Comissão Europeia para tentar regular o mercado dominado por Big Techs, como Meta (empresa dona do Facebook e Instagram), Google, Amazon, Twitter e Microsoft.

No fim de abril, a mesma Comissão Europeia aprovou o Digital Markets Act (Lei dos Mercados Digitais), com obrigações e proibições para evitar práticas anticompetitivas das Big Techs.

Tradicionalmente, a União Europeia acaba influenciando políticas relacionadas à regulação de internet no mundo todo. Foi assim com a brasileira LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), inspirada na da GDPR europeia (Regulamento Geral de Proteção de Dados). Estados Unidos e Canadá consideram legislações semelhantes à aprovada neste sábado pela Comissão Europeia.

Confira matéria no Uol

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

STF define que incide ISS na inserção de textos publicitários
Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram, por unanimidade, definir que incide ISS, e não ICMS, sobre o serviço de inserção de textos publicitários e de propaganda em qualquer meio. Na ADI 6034, os ministros julgaram improcedente a ação do estado do Rio de Janeiro e declarar a constitucionalidade do item 17.25 da lista anexa à Lei […]
Vencedores do 22º Prêmio Contribuição Profissional da APP Brasil
A Associação de Profissionais de Propaganda – APP Brasil, entidade que apoia e estimula as atividades da comunicação, anuncia os nomes dos vencedores da 22ª edição do Prêmio Contribuição Profissional. A cerimônia de premiação e entrega do Troféu Garra será realizada na terça (17), a partir das 19h, somente para convidados. Posteriormente, o evento ficará […]

Receba a newsletter no seu e-mail