Home / TV 3.0: o impacto da nova geração da televisão nas emissoras

TV 3.0: o impacto da nova geração da televisão nas emissoras

Fonte: Meio e Mensagem

7 de dezembro de 2023

Com a publicação do decreto com diretrizes que marcam a evolução do Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre (SBTVD-T) para a TV 3.0, algumas mudanças devem acontecer na relação das emissoras com a produção e distribuição de conteúdo. Com premissas que garantem maior qualidade no sistema audiovisual brasileiro, a terceira geração da televisão deve ser mais dinâmica e conectada.

Por isso, os canais de radiodifusão devem adaptar parte da sua produção de conteúdo. Estruturalmente, toda a população terá o direito de receber transmissão por meio do sinal 4K,. Essa característica gera ao espectador maior qualidade de som e imagem. Desse modo, as emissoras estarão autorizadas a produzir todo seu conteúdo neste modelo.

Canais de mídia se adaptam ao novo modelo

Atualmente, essa recepção acontece por meio de mecanismos – que podem ser integrados à TV ou  virem embutidos no aparelho –, com colaboração da produção. Alguns streamings, como a Netflix e a Globoplay, têm conteúdo gerado em 4K. Na televisão, a Globo, por meio do canal de TV paga SporTV, produz conteúdo nesse padrão. Pelo menos um jogo exibido pela emissora conta com essa qualidade de transmissão aos espectadores.

Além disso, com a implementação da TV 3.0, o sistema de áudio deve ter melhorias. Na TV Cultura, por exemplo, existem planos de implementação do áudio imersivo. Esse recurso está disponível em algumas plataformas de streaming.

Segundo o diretor de engenharia da TV Cultura, Nelson Faria, a terceira geração da TV deixará o meio com navegação semelhante ao que acontece nos aplicativos on demand. “O espectador passa a trabalhar como se fosse em um app. A TV poderá ser acessada por dispositivos móveis para ser assistida. Desse modo, a audiência da TV aberta tende a aumentar”, diz.

Já para a Globo, a TV 3.0 é oportunidade de ultrapassar as barreiras entre TV e internet, como explica Ana Eliza Faria e Silva, gerente sênior de regulatório da Globo. “A chegada da TV 3.0 vai derrubar definitivamente as barreiras entre a TV e a internet e abrirá a oportunidade de levar essa audiência massiva para o ambiente digital, onde será possível entregar nos canais abertos todos os recursos típicos da internet, como segmentação, interatividade e recomendação de conteúdo”.

Conectada e interativa

Além das premissas de evolução tecnológica, a TV 3.0 deve proporcionar aos espectadores mais interatividade e conexão. Com isso, os canais de televisão conseguirão entregar conteúdo personalizado e endereçado.

“Além de continuar sendo o meio mais eficaz e rápido para alcançar grandes grupos de pessoas, a TV passará a maximizar sua entrega em aplicações de relacionamento, ultra segmentação, programáticas e endereçáveis”, explica Roberto Franco, diretor de tecnologia e operações do SBT.

Confira matéria no Meio e Mensagem

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Abracom promete rigor no combate aos pregões para contratação de relações públicas
A Associação Brasileira das Agências de Comunicação (Abracom) distribuiu comunicado esta semana denunciando que órgãos públicos como a AGU e o Tribunal de Contas do Município de São Paulo (TCM-SP) estão desrespeitando a lei nº 14.356/22, que equiparou as contratações de serviços de comunicação e digitais aos procedimentos já adotados para a área de publicidade pela […]
Colaboradores de agências: mais autonomia no home office
Segundo estudo do RunRun.it, 82% das agências brasileiras estão operando de forma 100% remota. A empresa ouviu colaboradores de agências para entender as percepções em relação ao home office sob diferentes aspectos: estado de espírito, relação com as lideranças, visão sobre a empresa e expectativas para o futuro.Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail