Home / Telegram é acusado de descumprir acordo de combate às fake news

Telegram é acusado de descumprir acordo de combate às fake news

Fonte: Canaltech

9 de maio de 2022

O aplicativo de mensagens Telegram havia feito um acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no qual se comprometeu a adotar medidas para combater fake news sobre as eleições no Brasil. Contudo, o prazo para apresentação de um plano de ação expirou e até agora o mensageiro não apresentou quais ações seriam feitas para coibir a prática.

Após quase ser bloqueado no país em 20 de março, o programa conseguiu reverter a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Entre as promessas do Telegram estava o monitoramento dos canais mais populares no Brasil, a maioria relacionados à política e considerados uma central eficaz de distribuição de informações falsas.

Canais ainda ativos

Um dos canais citados na matéria é o Direita Channel, com 66,7 mil inscritos e textos favoráveis ao atual governo. Uma das chamadas diz que o principal candidato da oposição Lula teria admitido a derrota em um discurso realizado no Dia do Trabalhador (1º de maio). O clique leva para um vídeo no YouTube no qual o apresentador diz que o opositor provavelmente não vai disputar as eleições porque já teria entendido que a derrota é inevitável.

O conteúdo é embasado por um vídeo no qual o ex-presidente diz que ainda não era candidato. A afirmação, contudo, não mostra o contexto da fala, na qual Lula diz que só será pré-candidato a partir do dia 7, em referência ao evento realizado no último final de semana que lançou sua candidatura pelo Partido dos Trabalhadores.

Já o canal Médicos pela Vida, com 122,6 mil inscritos, traz um vídeo de um médico estrangeiro que acusa a Pfizer de ter omitido 17 mortes causadas pela vacina, além de outros efeitos colaterais. A Organização Mundial da Saúde, estudos e especialistas respeitados no mundo inteiro, contudo, dizem serem muitos raros os casos de sintomas graves decorrentes da vacinação e que, mesmo nesses casos, a morte não é causada pelo imunizante.

Manipulação das informações

Em outro exemplo mostrado pelo jornal, a deputada Carla Zambelli (PL-RJ) teria veiculado uma montagem comparativa entre o indulto concedido pelo presidente Jair Bolsonaro ao deputado Daniel Silveira (PL-RJ) com o caso do italiano Cesare Battisti. Daniel teria sido perdoado porque cometeu um crime relacionado à liberdade de expressão, enquanto Battisti teria sido perdoado por ser terrorista.

Na verdade, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva não concedeu o perdão presidencial ao italiano, mas sim negou o pedido de extradição para o país de origem. Battisti é acusado de cometer crimes na Itália, embora alegue ser vítima de perseguição por lá, porém só poderia ser “perdoado” se tivesse cometido crime em solo brasileiro.

A outra manipulação é a foto: a montagem diz que o presidente Jair Bolsonaro teria soltado um inocente. Na verdade, Silveira foi condenado pelo STF a oito anos e nove meses de prisão por estimular atos antidemocráticos e ameaçar ministros da Corte.

Em nota enviada ao jornal O Globo, o STF disse que as medidas tomadas pelo Telegram estão sob sigilo. Já o TSE explicou que o app apenas aderiu ao Programa Permanente de Enfrentamento à Desinformação, mas que ainda negocia os termos do documento que detalhará as providências.

Confira matéria no Canaltech

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Balanço Conar: Conselho de Ética analisa onze representações
O Conselho de Ética do Conar realizou duas reuniões nos últimos dias e analisou cinco representações, entre elas, cases da TIM, Ambev e Serasa.  A 1ª Câmara do Conselho de Ética do Conar abriu as reuniões de abril no dia 8. Confira os resultados: Representação Nº 155/20, “Evolution Shape, Forma Ideal Red Burner, Rossanna Passos […]
Relatório da Câmara dos EUA cita poder monopolizador de Apple, Amazon, Facebook e Google (em inglês)
Relatório de 449 páginas da Câmara dos Representantes dos EUA detalha o poder das gigantes da tecnologia e afirma que as quatro empresas que começaram como startups se tornaram monopólios que devem ser restringidos e regulados. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail