Home / Telegram é acusado de descumprir acordo de combate às fake news

Telegram é acusado de descumprir acordo de combate às fake news

Fonte: Canaltech

9 de maio de 2022

O aplicativo de mensagens Telegram havia feito um acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no qual se comprometeu a adotar medidas para combater fake news sobre as eleições no Brasil. Contudo, o prazo para apresentação de um plano de ação expirou e até agora o mensageiro não apresentou quais ações seriam feitas para coibir a prática.

Após quase ser bloqueado no país em 20 de março, o programa conseguiu reverter a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Entre as promessas do Telegram estava o monitoramento dos canais mais populares no Brasil, a maioria relacionados à política e considerados uma central eficaz de distribuição de informações falsas.

Canais ainda ativos

Um dos canais citados na matéria é o Direita Channel, com 66,7 mil inscritos e textos favoráveis ao atual governo. Uma das chamadas diz que o principal candidato da oposição Lula teria admitido a derrota em um discurso realizado no Dia do Trabalhador (1º de maio). O clique leva para um vídeo no YouTube no qual o apresentador diz que o opositor provavelmente não vai disputar as eleições porque já teria entendido que a derrota é inevitável.

O conteúdo é embasado por um vídeo no qual o ex-presidente diz que ainda não era candidato. A afirmação, contudo, não mostra o contexto da fala, na qual Lula diz que só será pré-candidato a partir do dia 7, em referência ao evento realizado no último final de semana que lançou sua candidatura pelo Partido dos Trabalhadores.

Já o canal Médicos pela Vida, com 122,6 mil inscritos, traz um vídeo de um médico estrangeiro que acusa a Pfizer de ter omitido 17 mortes causadas pela vacina, além de outros efeitos colaterais. A Organização Mundial da Saúde, estudos e especialistas respeitados no mundo inteiro, contudo, dizem serem muitos raros os casos de sintomas graves decorrentes da vacinação e que, mesmo nesses casos, a morte não é causada pelo imunizante.

Manipulação das informações

Em outro exemplo mostrado pelo jornal, a deputada Carla Zambelli (PL-RJ) teria veiculado uma montagem comparativa entre o indulto concedido pelo presidente Jair Bolsonaro ao deputado Daniel Silveira (PL-RJ) com o caso do italiano Cesare Battisti. Daniel teria sido perdoado porque cometeu um crime relacionado à liberdade de expressão, enquanto Battisti teria sido perdoado por ser terrorista.

Na verdade, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva não concedeu o perdão presidencial ao italiano, mas sim negou o pedido de extradição para o país de origem. Battisti é acusado de cometer crimes na Itália, embora alegue ser vítima de perseguição por lá, porém só poderia ser “perdoado” se tivesse cometido crime em solo brasileiro.

A outra manipulação é a foto: a montagem diz que o presidente Jair Bolsonaro teria soltado um inocente. Na verdade, Silveira foi condenado pelo STF a oito anos e nove meses de prisão por estimular atos antidemocráticos e ameaçar ministros da Corte.

Em nota enviada ao jornal O Globo, o STF disse que as medidas tomadas pelo Telegram estão sob sigilo. Já o TSE explicou que o app apenas aderiu ao Programa Permanente de Enfrentamento à Desinformação, mas que ainda negocia os termos do documento que detalhará as providências.

Confira matéria no Canaltech

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Orlando Silva busca pactuar texto do PL das Fake News com Senado e votação em março
O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) segue conversando com líderes parlamentares estratégicos na tentativa de conseguir fechar um acordo para garantir a votação do PL 2.630/2020, o PL das Fake News ainda neste mês de março. Nesta terça-feira, 15, Silva tem agendada uma conversa à tarde com o senador Angelo Coronel (PSD-BA) para discutir o apoio do senador para […]
Senado aprova projeto das fake news; texto segue para a Câmara
O Senado Federal aprovou a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet, que trata da disseminação de conteúdo falso na internet. O projeto cria regras para empresas de redes sociais e impulsionamento e propaganda nessas redes. https://glo.bo/3eSN6iw Leia também: PL das fake news inclui a Anatel e o Conar no Conselho da InternetTelesíntese Representantes da Anatel e […]

Receba a newsletter no seu e-mail