Home / STJ: incide ISS, e não ICMS, sobre a veiculação de publicidade em sites

STJ: incide ISS, e não ICMS, sobre a veiculação de publicidade em sites

Fonte: Jota

2 de setembro de 2022

Relator afirmou que serviço de inserção de publicidade online não se confunde com serviço de comunicação

Os ministros da 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiram, por unanimidade, que a atividade de veiculação de material publicitário em sites não se enquadra no conceito de serviço de comunicação. Com isso, os magistrados reconheceram que essa atividade dever ser tributada pelo ISS, e não pelo ICMS. O ISS é recolhido aos municípios, ao passo que o ICMS é de competência estadual.

Os magistrados negaram provimento ao recurso da Fazenda do Estado de São Paulo, mantendo, na prática, decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Para o tribunal de origem, a atividade em questão não caracteriza serviço de comunicação, e a competência para a tributação dessa atividade foi atribuída aos municípios (incidindo o ISS) por meio da Lei Complementar 157/2016.

O relator, ministro Gurgel de Faria, afirmou que o serviço de inserção de publicidade e de veiculação de propaganda em sites de internet não se confunde com o serviço de comunicação. Quando o serviço é de comunicação, a legislação entende que deve incidir o ICMS. A atividade desenvolvida pelo Universo Online S/A, afirmou, se caracteriza como serviço de valor adicionado, nos termos do artigo 61 da Lei 9.472/97.

O magistrado ressaltou ainda que o Supremo Tribunal Federal, no julgamento da ADI 6034, reconheceu que deve incidir ISS, e não ICMS, sobre a prestação de serviço de “inserção de textos, desenhos e outros materiais de propaganda e publicidade em qualquer meio, exceto em livros, jornais, periódicos e nas modalidades de serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens de recepção livre e gratuita”.

“A legislação tributária não pode, para definir ou limitar competências tributárias, alterar definição ou alcance e conteúdo de institutos, conceitos e formas de direito privado”, afirmou Gurgel de Faria.

O processo é o AREsp 1598445/SP.

Confira matéria no Jota

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

APRO apresenta balanço do mercado audiovisual publicitário
A APRO reuniu dados de Registro de Obras Publicitárias da Ancine a informações coletadas em pesquisa junto às associadas para apresentar um retrato da atual situação e o impacto da pandemia no mercado audiovisual publicitário. Leia Mais
AGU fará grupo de trabalho para enfrentamento às fake news
Em encontro com jornalistas nesta quarta-feira (25), o ministro-chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), Jorge Araújo Messias, manifestou preocupação com a sofisticação no processo de elaboração e publicação de fake news contra instituições de Estado nos últimos anos. Para enfrentar esse sistema, o ministro anunciou que está elaborando a criação de um grupo de trabalho especializado no órgão. “Nós sabemos […]

Receba a newsletter no seu e-mail