Home / STF discute Marco Civil da Internet com big techs e ministros de Lula

STF discute Marco Civil da Internet com big techs e ministros de Lula

Fonte: CNN

28 de março de 2023

O Supremo Tribunal Federal (STF) realiza nesta terça (28) e quarta-feira (29) audiências públicas para discutir as regras do Marco Civil da Internet. Ao todo, participarão 47 expositores, entre entidades, especialistas e representantes do governo federal e de big techs, como GoogleFacebook e Twitter.

Os ministros Dias Toffoli e Luiz Fux devem comparecer à abertura dos trabalhos, às 9h de terça. Os magistrados são relatores de ações que discutem pontos do Marco Civil da Internet.

Esta norma legal legisla sobre a responsabilidade de provedores de aplicativos ou de ferramentas de internet pelo conteúdo gerado pelos usuários e a possibilidade de remoção de conteúdos que possam ofender direitos de personalidade, incitar o ódio ou difundir notícias fraudulentas a partir de notificação extrajudicial.

A presidente da Corte, ministra Rosa Weber, também deve acompanhar o início da audiência. Na manhã de terça, estão agendadas as falas dos ministros Paulo Pimenta, da Secretaria de Comunicação, e Silvio Almeida, do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania.

A audiência ocorrerá das 9h às 18h20, na terça-feira (28), e das 9h às 12h, na quarta-feira (29). Cada participante poderá falar por 10 minutos.

Veja a lista de participantes:
28 de março
BLOCO I: das 9h30min às 12h:
  • Facebook Serviços online do Brasil Ltda;
  • Google Brasil Internet Ltda;
  • Bruno Henrique Trevizan Forti;
  • Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Paulo Pimenta, ministro Chefe da Secretaria de Comunicação Social, e João Brant, Secretário de Políticas Digitais a Secretaria de Comunicação Social);
  • Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania (Sílvio Almeida, ministro de Direitos Humanos e Cidadania);
  • Frente Parlamentar Mista da Economia e Cidadania Digital;
  • Ministério da Justiça e Segurança Pública (Estela Aranha, assessora especial do Ministro da Justiça);
  • Ministério das Comunicações (Maximiliano Salvadori Martinhão, secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações);
  • Procuradoria Nacional da União de Defesa da Democracia da Advocacia-Geral da União (Marcelo Eugênio Feitosa Almeida, Procurador-Geral da União);
  • Ministério das Mulheres (Isis Menezes Taboas, assessora do Gabinete da ministra Das Mulheres).
BLOCO II: das 14h às 16h:
  • Twitter Brasil;
  • ByteDance Brasil;
  • Wikimedia Foundation Inc;
  • Mercado Livre;
  • GetEdu;
  • Associação Brasileira de Internet (ABRANET);
  • Federação das Associações das Empresas de Tecnologia da Informação (Assespro Nacional);
  • Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (ABRINT);
  • Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL);
  • Autoridade Nacional de Proteção de Dados Pessoais (ANPD);
  • Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP);
  • OAB/SP.
BLOCO III: das 16h20 às 18h20:
  • Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT);
  • Associação Nacional de Jornais (ANJ);
  • Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI);
  • Associação Brasileira de Comunicação Pública (ABCPública);
  • Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC);
  • Instituto Brasileiro de Política e Direito do consumidor;
  • Artigo 19 Brasil;
  • Núcleo de informação e coordenação do Ponto BR (NIC.br);
  • Instituto Alana;
  • Confederação Israelita do Brasil (CONIB).
29 de março
BLOCO IV: das 9 às 12h:
  • Associação Brasileira de Jurimetria (ABJ);
  • Partido dos Trabalhadores – PT (Diretório Nacional);
  • Instituto de Liberdade Digital Laboratório de Direito Digital e Democracia da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie;
  • Legal Grounds Institute;
  • InternetLab;
  • Associação Brasileira de Centros de Inclusão Digital (ABCID);
  • Rede de Direito Civil Contemporâneo;
  • Clínica de Responsabilidade Civil da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (“UERJ resp”);
  • Instituto Brasileiro de Direito Civil – IBDCivil;
  • Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS/RIO);
  • Instituto Internet no Estado da Arte (ISTART) e Instituto Norberto Bobbio (INB);
  • Centro de Tecnologia e Sociedade da FGV DIREITO RIO;
  • Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação da Escola de Direito Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (CEPI – FGV DIREITO SP);
  • Associação Brasileira de Rádio e Televisão (ABRATEL);
  • Associação Nacional dos Editores de Revistas (ANER).

Confira matéria na CNN

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Big techs atrapalham debate sobre PL das fake news, avalia Lira
Durante coletiva de imprensa ocorrida nesta terça-feira (3), o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que a urgência do Projeto de Lei das Fake News não será votada nas próximas semanas por conta da dificuldade em obter consenso entre as bancadas pela sua aprovação. Entre os motivos da dificuldade, dois fatores pesam na discussão: a falta de […]
ANPD monta GT para se posicionar sobre plataformas digitais
A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) decidiu criar um grupo de trabalho para analisar a atuação frente às plataformas digitais. O presidente da autarquia, Waldemar Gonçalves, destaca que o debate é “extremamente importante”.  “A finalidade é nós discutirmos isso, ver onde a proteção de dados pode ser relativa às plataformas digitais e termos […]

Receba a newsletter no seu e-mail