Home / Quarta onda do digital chegou e vai exigir a reinvenção de muitas empresas

Quarta onda do digital chegou e vai exigir a reinvenção de muitas empresas

Fonte: Uol

8 de março de 2022

Tenho falado sobre isso há alguns anos, em conversas e entrevistas para outros veículos. Percebi que não havia falado nisso por aqui. Estamos entrando em uma quarta onda do digital. Não, nada de criar uma nova nomenclatura para a internet. Se trata apenas de uma conclusão lógica que parte de um premissa.

A evolução tecnológica é rápida e isso tem impacto em mudança de cultura, comportamento e do ambiente de negócios. A premissa é que nem tudo muda ao mesmo tempo. Como já sabemos há décadas, tecnologias mudam antes (e mais facilmente) que pessoas (cultura). Pessoas mudam mais facilmente que empresas e estas, por sua vez, antes que políticas públicas e legislação. São quase 30 anos de internet comercial, cerca de 15 da explosão das redes sociais e cerca de 8 das big techs se tornando tão poderosas. Algumas dessas mudanças estão tão consolidadas que às vezes é estranho pensar que alguns de nós vivemos a maior parte da vida sem iPhone ou redes sociais. A quarta onda chegou.

Enquanto ainda discutimos a transformação digital das empresas, a onda de impacto e transformação em políticas públicas e legislação já começaram. LGPD e ESG, que estão com muita força, são apenas o começo. A discussão antitruste voltou ao radar nos EUA, e na Europa a cada momento surgem questões novas, sobre imposto, privacidade, sustentabilidade, concorrência e tudo mais. É uma conclusão simples e óbvia, mas relevante. Principalmente quando estamos ainda vendo apenas fragmentos dessa mudança. O projeto das fake news está gerando polêmica porque grandes empresas do varejo como Mercado Livre estão criticando e entrada dos marketplaces na discussão da lei. É apenas o começo.

As big techs e startups que surgiram em um cenário praticamente sem legislação agora precisam aprender a lidar com a nova realidade. Muitos dos lemas do Vale do Silício passaram a ser considerados datados, quando não ofensivos. “Fake it till you make it” (finja até você conseguir) e “move fast and break things” (mova-se rápido e quebre coisas) são dois exemplos. A Apple aprendeu isso rápido, trazendo para si a alcunha de defensora da privacidade. Escolha fácil visto que a maior parte de sua receita não tem relação com propaganda ou frentes que precisem desrespeitar isso. O problema será para as empresas cujo modelo de receita (ou pior, modelo de negócio) estão atrelados a esfolar o consumidor. Empresas como Facebook não precisarão se reinventar, mas nascer de novo. Para outras, como Amazon, iFood e Mercado Livre, quanto antes entenderem e aceitarem isso, mais agilidade terão para responder às mudanças.

Confira matéria no Uol

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Publicidade digital é a maior despesa das PMEs no Brasil
Um levantamento realizado pela Tribal revelou a publicidade digital foi o maior gasto em comum nas transações realizadas com cartões corporativos de pequenas e médias empresas (PMEs) na América Latina, entre o primeiro semestre de 2021 e o final do primeiro semestre de 2022. Segundo a pesquisa que analisou 2.500 empresas da região, os gastos […]
Surto de coronavírus gera declínio recorde nos orçamentos de marketing do Reino Unido (em inglês)
Dados do IPA Bellwether Report do 2º trimestre revelam que os orçamentos de marketing do Reino Unido foram reduzidos a seus níveis mais baixos desde o início da elaboração do relatório. O documento, no entanto, antecipa uma recuperação nas condições macroeconômicas em 2021. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail