Home / Oracle é processada por violar a privacidade de bilhões de usuários

Oracle é processada por violar a privacidade de bilhões de usuários

Fonte: Olhar Digital

23 de agosto de 2022

Oracle está sendo processada por questões de privacidade nos Estados Unidos. O processo aberto na última sexta-feira (19), no Distrito Norte da Califórnia, acusa a big tech de acumular dossiês com dados detalhados sobre cerca de cinco bilhões de pessoas.

Atualmente os dossiês da Oracle incluem informações como nomes, endereços residenciais, e-mails, compras online e presenciais, informações sobre renda, interesses e opiniões políticas. Além disso, a empresa tem um comércio global de dossiês, a Oracle Data Marketplace.

A ação judicial tem três representantes: Dr. Johnny Ryan, membro do Conselho Irlandês para Liberdades Civis (ICCL); Michael Katz-Lacabe, diretor de pesquisa do Centro de Direitos Humanos e Privacidade; e a Dra Jennifer Golbeck, professora de ciência da computação da Universidade de Maryland. As partes são representadas pelo escritório de advocacia Lieff Cabraser, sediado em San Francisco, que no passado já moveu ações judiciais contra a Oracle.

De acordo com os representantes, a companhia está “agindo em nome de usuários da Internet em todo o mundo que foram sujeitos a violações de privacidade da Oracle”.

 “A Oracle violou a privacidade de bilhões de pessoas em todo o mundo. Esta é uma empresa da Fortune 500 em uma missão perigosa para rastrear para onde todas as pessoas no mundo vão e o que elas fazem. Estamos tomando esta ação para parar a máquina de vigilância da Oracle”, disse Ryan, um dos representantes.

A acusação faz menções a várias leis federais, constitucionais, de responsabilidade civil e estaduais, alegando que a empresa cometeu violações da Lei Federal de Privacidade de Comunicações Eletrônicas, a Constituição do Estado da Califórnia e a Lei de Invasão de Privacidade da Califórnia.

As alegações são que a Oracle coleta grandes quantidades de dados de usuários sem consentimento e uso de proxies para passar por controles de privacidade nos dispositivos. 

Confira matéria no Olhar Digital

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

“A publicidade deve ser vanguarda na prática da diversidade” – Dra. Valdirene Silva de Assis, Procuradora do MPT-SP
Em entrevista para o Propmark, a Procuradora do Ministério Público do Trabalho e coordenadora do “Pacto pela Inclusão de Jovens Negros e Negras no Mercado de Trabalho”, Valdirene Silva de Assis, fala sobre os resultados alcançados até o momento do pacto assinado no ano passado e comenta o manifesto Vidas Negras Importam.Leia Mais
Como fica a criação publicitária sem cookies?
Assunto antes mais reservado ao anunciante, a proteção de dados do usuário ou cliente se tornou preocupação integrante de múltiplas áreas das agências de publicidade. Uma vez que o Google anunciou o fim do uso de cookies de terceiros nas suas propriedades em 2020, e a adiou algumas vezes, publicitários tiveram que ficar a par de estratégias novas […]

Receba a newsletter no seu e-mail