Home / Obama pede mais supervisão regulatória dos gigantes da mídia social

Obama pede mais supervisão regulatória dos gigantes da mídia social

Fonte: The New York Times

21 de abril de 2022

O poder das empresas de tecnologia “turbou” a divisão política e exige escrutínio do governo, disse o ex-presidente Barack Obama em Stanford

O ex-presidente Barack Obama pediu nesta quinta-feira uma maior supervisão regulatória dos gigantes da mídia social do país, dizendo que seu poder de selecionar as informações que as pessoas consomem “turbou” a polarização política e ameaçou os pilares da democracia em todo o mundo.

Pesando no debate sobre como lidar com a disseminação da desinformação , ele disse que as empresas precisam submeter seus algoritmos proprietários ao mesmo tipo de supervisão regulatória que garante a segurança de carros, alimentos e outros produtos de consumo.

“As empresas de tecnologia precisam ser mais transparentes sobre como operam”, disse Obama em um discurso na Universidade de Stanford, há muito tempo uma incubadora do setor de tecnologia no Vale do Silício. “Grande parte da conversa sobre desinformação está focada no que as pessoas publicam. A questão maior é qual conteúdo essas plataformas promovem.”

O ex-presidente apoiou as propostas de revisão de um importante escudo legal para as empresas de internet : a Seção 230 da Lei de Decência nas Comunicações, que protege as plataformas de mídia social da responsabilidade pelo conteúdo postado por seus usuários. Os defensores de uma mudança acreditam que isso forçaria as empresas a fazer mais para coibir comportamentos ilegais ou perigosos – da venda de drogas à desinformação com consequências igualmente prejudiciais.

Obama, enquanto elogiava os benefícios transformadores da internet, exortou as empresas a colocar a responsabilidade social à frente da busca incansável por lucros.

“Essas empresas precisam ter outra Estrela do Norte além de apenas ganhar dinheiro e aumentar as participações nos lucros”, disse ele.

Obama falou em uma conferência organizada pelo Centro de Políticas Cibernéticas de Stanford, dedicado aos desafios que o mundo digital criou para a democracia nos Estados Unidos e além. Ele citou seu próprio uso efetivo das mídias sociais como candidato, mas também sua frustração com a forma como o presidente da Rússia, Vladimir V. Putin, usou as mídias sociais para influenciar o resultado das eleições presidenciais de 2016 .

“O que ainda me incomoda foi minha incapacidade de avaliar completamente o quão suscetíveis nos tornamos a mentiras e teorias da conspiração, apesar de ser alvo de desinformação”, disse ele, referindo-se, entre outras coisas, ao falso debate sobre seu nascimento nos EUA. certificado. “Putin não fez isso. Ele não precisava. Fizemos isso a nós mesmos.”

Entre os participantes estavam acadêmicos proeminentes, ex-funcionários do governo e representantes de várias empresas de tecnologia, incluindo Alphabet – proprietária do Google e do YouTube – e TikTok. Em discussões separadas, os palestrantes concordaram amplamente com o problema da desinformação e a toxicidade e o partidarismo que ela alimenta, mas houve pouco consenso sobre quais soluções específicas funcionariam melhor ou seriam politicamente possíveis.

“Não vamos curar ou mesmo conter esse problema da noite para o dia”, disse Larry Diamond, membro sênior da Hoover Institution e do Instituto Freeman Spogli de Estudos Internacionais de Stanford. Ele também é autor, mais recentemente, de “Ill Winds: Saving Democracy From Russian Rage, Chinese Ambition, and American Complacency”.

Nos bastidores, Obama também se reuniu com um grupo menor de estudantes e jovens acadêmicos da Fundação Obama . A certa altura, ele pediu a Elise Joshi, diretora de operações de um grupo chamado Gen-Z for Change, que explicasse como o TikTok era mais do que vídeos de dança.

“Será a sua geração que descobrirá isso”, disse Obama.

Confira matéria The New York Times

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Sistema Sinapro/Fenapro realiza pesquisa VanPro 2021
O Sistema Sinapro/Fenapro está realizando consulta junto às agências para a primeira edição da Pesquisa VanPro 2021. A VanPro é uma pesquisa trimestral que visa entender a movimentação dos negócios de propaganda via agências. Para participar, acesse o link em Leia Mais. Os respondentes ou agências não serão identificados e só é necessário enviar uma resposta por agência. O prazo para participar foi prorrogado […]
Parecer de projeto que combate “fake news” irá ao Plenário
O PL da fake news, que trata de normas, diretrizes e mecanismos relacionados às big techs, teve sua análise concluída na terça-feira, 7 de dezembro, pelo grupo de trabalho da Câmara e está pronto para votação em Plenário.

Receba a newsletter no seu e-mail