Home / O que o mercado valoriza em plataformas e publishers

O que o mercado valoriza em plataformas e publishers

Fonte: meio&mensagem

17 de fevereiro de 2017

Realizada pela Troiano Branding para o Meio & Mensagem, a pesquisa Veículos Mais Admirados entrevistou mais de 800 executivos de agências e anunciantes para identificar os principais quesitos a fortalecerem a reputação de marcas entre Produtores de Conteúdo e Plataformas de Mídia. No resultado geral da pesquisa, a Globo lidera o ranking de Produtores de Conteúdo e o Facebook está na primeira posição dos top 10 de Plataformas de Mídia. Veja todos os vencedores por meio aqui.

Aos respondentes, foi solicitado que atribuíssem diferentes pesos a diferentes atributos, conforme a importância específica de cada um deles segundo os objetivos do veículo, valor que é utilizado no cálculo do IPM (Índice de Prestígio da Marca). A Qualibest conduziu o campo e o processamento estatístico foi realizado pela Elementos Pesquisa, que questionaram os respondentes sobre 60 publishers e 25 plataformas.

No grupo de produtores de conteúdo, Valor Econômico se destaca em dois atributos, Conteúdo e Credibilidade. Já a Veja lidera o grupo em relação à influência.

No grupo de plataformas de mídia, o destaque fica por conta do Google (primeiro colocado em quatro dos seis atributos) e Facebook (primeiro do ranking em duas categorias).Três players puramente digitais, o Twitter, o LinkedIn (controlado pela Microsoft) e o Spotify, também fazem parte das menções entre os top 5. Finalmente, o segmento de out-of-home (OOH) destacasse por meio de três empresas — JCDecaux, Otima e Elemidia.

Veja a íntegra deste estudo no especial Veículos Mais Admirados, que acompanha a edição 1747, de 13 de fevereiro, exclusivamente para assinantes do Meio & Mensagem, disponível nas versões impressa e para tablets iOS e Android.

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Publicidade vê recuperação econômica, mas quanto tempo vai durar? (em inglês)
A recuperação econômica da publicidade está tomando forma, mas uma possível recessão e inflação no mercado publicitário levam a incertezas.
Plataformas não querem combater para combater fake news
A falta de comprometimento das plataformas digitais com o combate às notícias falsas pode ser atribuída a interesses econômicos , diz o antropólogo e investigador David Nemer , do Centro Berkman Klein para Internet e Sociedade da Universidade Harvard. Na semana passada, o TSE renovou a parceria com as plataformas para combater a divulgação de notícias falsas, a cerca de oito meses das eleições. Em […]

Receba a newsletter no seu e-mail