Home / Nas agências, tecnologia tem função agregadora e complementar

Nas agências, tecnologia tem função agregadora e complementar

Fonte: Meio e Mensagem

7 de outubro de 2022

Lica Bueno, CEO da Talent Marcel, e Filipe Bartholomeu, presidente e CEO da AlmapBBDO, comentam papel de ferramentas na publicidade e como alinhá-las a talentos humanos

Muitas projeções mostram que o surgimento da tecnologia na maior parte dos setores teria o poder de substituir a força de trabalho humana. Em partes, as expectativas são verdadeiras, mas vêm com mais ou menos potência para determinadas indústrias. E a da criatividade é uma delas.

“Quanto mais tecnológico fica o nosso negócio e mais conseguimos um backboard de dados, mais gente nós temos. O mundo está tão mais complexo que temos que ter mais pessoas capazes de ler a cena”, disse Filipe Bartholomeu, CEO e presidente da AlmapBBDO. O executivo se juntou a Lica Bueno, CEO da Talent Marcel, no painel “Nova dinâmica das disrupções humana e tecnológica”, no Maximidia 2022. De acordo com ele, a tecnologia caminha em uma velocidade mais rápida que a sociedade e, pelo fato de sua empresa fazer parte de um grupo internacional, de fato há um arsenal maior que dá vantagem competitiva à agência.

Contudo, Bartholomeu salientou que, de fato, o que muda a “textura e relevo” para uma agência nesse sentido são as pessoas e o paralelo que podem estabelecer com as ferramentas tecnológicas. O ponto foi corroborado por Lica, que reconhece que há um desafio em equilibrar os dois aspectos, mas que o grande valor e das agências é ter a estratégia em seu core. “O que vem se mantendo e tornando um diferencial das agências é a capacidade de ser estratégica, e de alguma maneira olhar essa estratégia como um todo”, complementou.

Dentro do âmbito da discussão, entra também em pauta a retenção de talentos e como as mudanças geracionais vem exercendo impacto em como as pessoas encaram as agências e os empregos dentro delas. “Nossa indústria já foi a mais sexy de todas. […] Não estamos mais em um lugar de privilégio em que já estivemos, mas isso não significa que com o processo certo não consigamos os talentos certos também”, classifica a CEO da Talent Marcel. Para ela, as agências precisam reavaliar o que retém talentos atualmente – aspectos que se diferem de anos atrás – e mudar KPIs de retenção, desprendendo-se do passado.

“Temos que focar nossos esforços em isso não ser tão traumático para nós, clientes e parceiros, porque é uma evolução de hábito e cultura”, complementou a executiva. Já Bartholomeu salientou que nunca foi tão rica a múltipla possibilidade de atrair talentos, fugindo da tradicional bolha do mercado publicitário a partir de uma maior diversidade de lugares, formatos e regiões os quais as agências podem alcançar.

As necessidades do futuro

Uma tendência já atual para a adoção em processos mais complexos no cotidiano são humildade e flexibilidade, conforme indicaram os líderes. Seja pela velocidade das transformações ou pela fragmentação das necessidades dos anunciantes. “Não é sobre ser cada vez mais full service, mas ter a humildade de reconhecer que uma única solução não vai resolver a vida do cliente”, comentou o CEO da AlmapBBDO.

O mesmo pode ser aplicado aos modelos ágeis hoje tão necessários para as mudanças constantes e cenário polarizado em que o mundo, e sobretudo o Brasil. A executiva da Talent Marcel traz a possibilidade de teste de modelos e salienta a parceria com os clientes para uma entrega mais acertada nos tempos atuais. Somado a isso, agências devem também ter em mente que nem sempre o produto ou solução específica proposta será o drive das estratégias e criatividade de determinada marca.

Para os próximos meses que vem pela frente, ambos endossam a necessidade de criar um ambiente de crescimento e progresso não só para as empresas, mas principalmente para a sociedade. E o grande destaque, é claro, é dado sempre às pessoas e à criatividade neste momento em que a indústria da publicidade e da comunicação se encontram.

Confira matéria no Meio e Mensagem

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Washington quer regular algoritmos do Facebook, o que pode ser inconstitucional (em inglês)
Reforma da Seção 230 do Ato de Decência em Comunicações, principal estratégia do Congresso dos EUA para regular os algoritmos das plataformas digitais, pode enfrentar desafios no judiciário norte-americano.
Criativos mudam comando do clube
Eleição realizada nesta segunda-feira (4) definiu a chapa 2, de oposição, para comandar o Clube de Criação nos próximos dois anos. Em votação online, os sócios elegeram Heitor Caetano Gomes, da DPZ, da nomeada Chapa Coletiva, como novo presidente, com 150 votos. tendo como vice Tatiana Gomes Nascimento, fundadora da produtora musical Janga. A chapa […]

Receba a newsletter no seu e-mail