Home / Na guerra travada pelas plataformas de streaming, publicidade será a grande vencedora

Na guerra travada pelas plataformas de streaming, publicidade será a grande vencedora

Fonte: Fast Company

18 de maio de 2022

“O fim da publicidade está próximo”, declarou, há cerca de cinco anos, um pesquisador da Forrester.

Citando o relatório de 2017 da consultoria sobre o assunto, o pesquisador explicou que, cada vez mais, “os consumidores têm opções para conseguir o que querem sem interrupções”. Este não era um pensamento incomum na época.

Um livro publicado naquele mesmo ano, intitulado, sem rodeios, “The End of Advertising” (O Fim da Propaganda, em tradução livre), trazia argumento semelhante: “As ruínas dos anúncios estão caindo sobre nós”, resumia. “Hoje, milhões estão baixando softwares de bloqueio de anúncios e ainda mais gente está pagando assinaturas para evitar publicidade. Essa indústria de US$ 600 bilhões está agora caminhando para a extinção total, depois de ter dado como certo um público cativo por muito tempo, levando a anúncios preguiçosos, superabundantes e irritantes.”

Se você estivesse procurando por uma única empresa que incorporasse essa linha de pensamento, poderia fazer pior do que apontar para a Netflix. Líder da “revolução sem publicidade”, como um observador colocou recentemente, a gigante do streaming se tornou um sucesso monstruoso precisamente por causa de sua ênfase em uma experiência de visualização de qualidade – e sem interrupções. Parte dessa abordagem, que durou anos, envolveu uma perspectiva muito clara sobre a publicidade.

Para citar o CEO, Reed Hastings: “Nenhuma publicidade chegará à Netflix. E ponto final.”

Recentemente, contudo, a Netflix anunciou que a publicidade está chegando, sim, ao seu território. Os detalhes são nebulosos, mas talvez ainda este ano a empresa introduza uma versão suportada por anúncios, como forma de impulsionar o crescimento de assinantes, principalmente no exterior.

Em parte, isso se deve às necessidades distintas e em evolução da própria Netflix como negócio (a empresa perdeu assinantes pela primeira vez em uma década) e, em parte, à realidade do aumento drástico da concorrência na categoria de streaming de entretenimento, em grande parte com subsídios de propaganda. 

Mas se a Netflix mudou de ideia, foi também em função de algo maior: o surpreendente triunfo da publicidade na era digital. Isso contraria, talvez de uma vez por todas, a narrativa sobre o fim da publicidade que há décadas vem sendo reforçada e interrompida.

Publicidade está viva e bem, obrigada

A ideia geral é mais ou menos assim: antigamente, os consumidores aceitavam passivamente a persuasão comercial que a tecnologia empurrava, em um mundo de escolhas de mídia altamente limitadas e estritamente verticais. A publicidade era uma máquina “imparável”; Mad Men, a série de TV, era basicamente um documentário!

Então, segundo essa argumentação, vieram uma série de mudanças na tecnologia e na mídia – cabo, gravadores de vídeo digital, web etc. – que deram mais controle a um consumidor cada vez mais ativo e exigente. Isso foi acompanhado (ou talvez causado, dependendo de quem está contando a história) por uma mudança fundamental no comportamento do consumidor: um desprezo, supostamente novo, pela publicidade. Descansem em paz, Don Draper!

Claro que surgiram empresas que evitam anúncios, da HBO a uma infinidade de serviços de assinatura premium. E muitos negócios financiados por publicidade, como redes de TV e jornais, sofreram ou até faliram.

Mas, ao mesmo tempo, algumas das histórias de sucesso mais incompreensíveis da era digital acabaram sendo puramente orientadas por anúncios. Apesar da resistência inicial de seus respectivos fundadores, Google e Facebook tornaram-se gigantes da publicidade. A mídia da era móvel continua completamente encharcada de mensagens comerciais, desde o mundo obscuro dos “influenciadores” de mídia social até anúncios tradicionais da velha guarda, interrompendo videoclipes e artigos ou mensagens patrocinadas no meio de resultados de pesquisa e feeds de conteúdo.

É por isso que a Netflix dificilmente será a única empresa focada em assinaturas a ceder à publicidade. O Spotify, para citar um exemplo de destaque, está gastando milhões para construir presença em podcasts originais, em parte, para poder explorar o potencial comercial do gênero.

O mundo dos videogames – e, portanto, qualquer que seja o “metaverso” – também é cada vez mais direcionado a anúncios. Até a Amazon obtém receita substancial com publicidade, por meio do que antes parecia uma tática completamente impensável: aumentar as listagens de produtos com resultados patrocinados.

Publicidade que paga a conta

Em suma, é improvável que experimentemos o “fim da publicidade” tão cedo. Ao contrário, a publicidade persistirá – por mais “preguiçosa, superabundante e irritante” que possa parecer – precisamente porque ela é a base de um modelo de negócios comprovado. Ela torna todos os tipos de entretenimento, informação e outros serviços muito mais baratos, ou mesmo gratuitos, para muito mais consumidores. E os consumidores gostam disso.

A atitude da Netflix quando anunciou que se renderia à publicidade parece um pouco arrogante. A empresa não foi coletando o tipo de dados do usuário que os anunciantes agora cobiçam.  Mas Hastings faz pouco caso e considera essa uma questão “terceirizável”:

“Podemos ser um editor direto e outros fazerem a correspondência sofisticada de anúncios, integrando todos os dados sobre os consumidores”, disse recentemente. Mas a realidade pode ser um pouco mais complicada. E, como aponta Jeff Beer, da Fast Company, anunciantes e marcas podem querer uma atitude mais séria e criativa antes de comprar qualquer ideia que a Netflix tenha em mente.

Dito isso, a Netflix está fazendo o único movimento possível como resposta ao comportamento do consumidor no mundo real. Hastings descreveu o novo posicionamento como uma forma de atender aos “tolerantes a anúncios”. É uma descrição interessante, porque se aplica a ninguém e a todo mundo. Praticamente, nenhum de nós escolhe receber anúncios. Mas todos sabemos que não há como evitá-los. E ponto final.

Confira matéria na Fast Company

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Reuniões das 1ªe 7ª Câmaras
O Conselho de Ética iniciou na manhã de hoje, por meio da sua 1ª Câmara, as sessões virtuais de julgamento do mês de março. Confira os resultados: Representação Nº 202/22, em recurso ordinário, “FCA Fiat Chrysler Automóveis Brasil – Jeep – A natureza é seu parque de diversões”. Resultado: arquivamento por unanimidade. Representação Nº 232/22, […]
Diversidade e sustentabilidade: ABA lança Carta Global de Mídia 2023
Com o objetivo de impulsionar a transformação da indústria publicitária, a ABA (Associação Brasileira de Anunciantes), em colaboração com a WFA (World Federation of Advertisers), apresenta a Carta Global de Mídia 2023. Apresentado durante o evento ABA Summit, que aconteceu nesta terça-feira (31), em São Paulo, o documento é uma evolução da Carta Global de Mídia publicada em 2018 pela ABA, tradução livre […]

Receba a newsletter no seu e-mail