Home / Meta lucra com anúncios de venda de perfis falsos para golpes e propaganda enganosa

Meta lucra com anúncios de venda de perfis falsos para golpes e propaganda enganosa

Fonte: Terra

23 de junho de 2023

Falhas na moderação permitiram que a Meta lucrasse com anúncios que oferecem perfis falsos a usuários que foram bloqueados, no Facebook e no Instagram, por terem feito propaganda enganosa. “Cansado dos blocks do Markinho?”, questiona uma das peças, em referência ao cofundador e CEO da Meta, Mark Zuckerberg, retratado em uma caricatura.

As propagandas que infringem regras da empresa permanecem no ar, ofertando “perfis prontos para anunciar” que são usados para aplicar golpes e vender serviços fraudulentos.

  • Os perfis falsos são usados por usuários que atuam no “nicho black”, segmento do marketing digital que está diretamente vinculado a golpes que prometem dinheiro fácil ou ofertas apelativas de tratamentos sem eficácia para emagrecer rapidamente, melhorar o desempenho sexual ou curar doenças — como o Aos Fatos mostrou em reportagem recente;
  • As contas reserva são importantes para quem atua nessa área, porque a derrubada dos anúncios e o eventual bloqueio de quem os publicou são tidos como questão de tempo. “No marketing digital, vence quem fica por mais tempo [no ar]”, sintetiza um youtuber em vídeo sobre o tema;
  • É no período entre a publicação do anúncio fraudulento e a identificação dos problemas pela plataforma que os vendedores do “nicho black” conseguem atingir seu público e faturar. Quando o anúncio é derrubado e o perfil bloqueado, uma nova conta permitirá recomeçar o ciclo e garantir a continuidade das vendas;
  • Além da comercialização de perfis falsos, a Biblioteca de Anúncios da Meta mostra ofertas de gestores de propaganda sensacionalista e cursos que ensinam a burlar as regras de publicidade da própria empresa.

Pechincha. Anúncio no Facebook oferece perfis por R$ 40 para quem foi bloqueado por propaganda irregular (Reprodução)

Segundo as políticas de publicidade da Meta, são proibidos “anúncios que promovam produtos, serviços, esquemas ou ofertas que usem práticas identificadas como enganosas ou fraudulentas”, como os que usam “declarações enganosas ou exageradas sobre o sucesso de um produto ou serviço”.

Por causa de restrições como essas, conseguir a aprovação de anúncios do “nicho black” exige o uso de estratégias como o uso de figuras de linguagem e de tecnologias que enganam os robôs responsáveis pela moderação. Vale ressaltar que nem todo produto desse segmento é ilegal, já que o que o define é a agressividade da promessa, muitas vezes enganosa.

As estratégias para burlar a moderação também são vetadas pela Meta, embora continuem sendo usadas pela propaganda irregular, o que garante receitas de publicidade para a empresa.

Pedalada. Anúncio no Facebook aplica técnicas para burlar moderação, como o uso de figuras de linguagem para se referir ao desempenho sexual (Reprodução)

Como o Aos Fatos revelou nesta semana, vídeos que ensinam técnicas para burlar sistemas de moderação estão disponíveis no YouTube sem moderação da plataforma. Esses conteúdos também são compartilhados em comunidades de marketing digital no Facebook e em perfis no Instagram.

Os especialistas no “nicho black” destacam nos tutoriais que quem quiser trabalhar no ramo precisa montar uma “estratégia de contingência” que inclui, entre outras medidas, ter perfis reservas nas redes para continuar rodando a publicidade em caso de bloqueio da conta principal.

Don’t stop. Perfil no Instagram recomenda uso de técnicas para burlar moderação do Facebook, incluindo uso de ferramentas para camuflar link em anúncio que não respeita regras da Meta (Reprodução)

“Perfis prontos para anunciar por apenas [R$] 40”, dizia uma peça publicada na biblioteca de anúncios da Meta por uma conta que garantia ter “os melhores perfis para nichos black e white”. O link da propaganda levava para uma conta no WhatsApp, por meio da qual o interessado poderia concluir a negociação. Esse anúncio foi removido pela Meta após questionamento do Aos Fatos, mas propagandas similares seguem no ar.

“Chegou a hora de não depender mais de fornecedores de perfis e ativos ruins que caem na primeira campanha”, afirma outro anúncio, que continua ativo. A propaganda traz o link para uma página de venda de um curso que ensina como “automatizar criação de perfis e faturar mais de 20k mês”. O conteúdo está em desacordo com regras da Meta, que determinam que os anúncios não devem promover “produtos ou serviços criados para permitir o envolvimento do usuário em práticas fraudulentas ou enganosas”.

Ainda assim, o mesmo vendedor possui ao menos outras 12 propagandas ativas em redes da empresa, incluindo a peça citada no início desta reportagem, que usa uma caricatura de Mark Zuckerberg.

A demanda por conteúdo que ensina a promover anúncios irregulares é aquecida pela expansão do “marketing de afiliados”, expressão que define relações comerciais em que uma pessoa (o afiliado) divulga um produto em troca de comissão por cada venda realizada. A prática é legal e adotada por grandes redes do varejo online, como a Amazon e o Magazine Luiza. Entretanto, a estratégia também tem sido usada para aumentar a capilaridade de golpes na internet.

Como o Aos Fatos mostrou, o dono de uma empresa que veicula anúncios fraudulentos nas redes sociais foi um dos palestrantes da Afiliados Brasil, evento que se autodenomina o maior congresso sobre marketing de afiliados da América Latina. O tema de sua apresentação foi justamente como anunciar no Facebook sem sofrer bloqueios.

O modelo de afiliados permite que qualquer pessoa venda pela internet sem estoque ou investimento inicial, e a prática tem sido usada como fonte de renda extra. Com isso, as técnicas de marketing digital, incluindo as que visam burlar as regras de moderação, passaram a ser procuradas não apenas por profissionais do setor, mas também por usuários comuns das redes. Ao buscar pelo tema, esses iniciantes nas vendas virtuais acabam sendo impactados por conteúdos que ensinam a driblar as sanções das redes ao anunciar produtos do “nicho black”.

Especialistas. Peças publicitárias publicadas por duas diferentes empresas nas redes da Meta oferecem serviços de tráfego para anúncios do “nicho black” (Reprodução)

Procurada pelo Aos Fatos, a Meta disse que não permite “atividades fraudulentas ou quaisquer atividades que violem nossos padrões da comunidade ou de publicidade” e recomendou que usuários denunciem os perfis e anúncios que acreditem que possam violar suas políticas. A empresa não explicou por que os anúncios de venda de perfis e outros serviços para o “nicho black” estavam no ar.

Usuários que se sintam lesados por propaganda enganosa podem requerer o ressarcimento dos prejuízos e indenização no Judiciário, com base no Código de Defesa do Consumidor.

PL 2.630/2020, conhecido como “PL das Fake News”, em tramitação na Câmara, prevê que as plataformas digitais passem a ser responsabilizadas solidariamente por qualquer conteúdo que for veiculado mediante pagamento, o que inclui impulsionamentos e anúncios. O projeto aguarda votação.

Confira matéria no Terra

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Maximídia 2022 reúne as principais discussões do mercado
Estar por dentro das principais discussões do mercado pode parecer difícil. Mas foi exatamente esse o desafio que o Maximídia, evento realizado pelo Meio & Mensagem, enfrentou na hora de pensar sua programação. O Maximídia acontece nos dias 4, 5 e 6 de outubro, no Hotel Unique, em São Paulo. Com patrocínio master de Eletromidia, Elo, […]
Consultoria Globant compra a rede de agências Gut
Startup nascida em 2003, em Buenos Aires, e hoje presente em 30 países, a consultoria Globant, focada em negócios digitais e de tecnologia, compra participação majoritária na rede de agências Gut, fundada pelo brasileiro Anselmo Ramos e pelo argentino Gastón Bigio. A Globant soma mais de 27 mil funcionários e atende grandes clientes globais, como […]

Receba a newsletter no seu e-mail