Home / Meta enfrenta acusações de viciar jovens em Facebook e Instagram

Meta enfrenta acusações de viciar jovens em Facebook e Instagram

Fonte: Exame

13 de junho de 2022

Oito processos protocolados em tribunais nos EUA alegam que a Meta criou intencionalmente algoritmos que afetam negativamente a saúde de adolescentes

Meta agora é líder em outra tendência das redes sociais – ações judiciais que alegam que a empresa criou algoritmos que levam jovens a um vício destrutivo.

Oito processos protocolados em tribunais nos EUA na última semana alegam que a exposição excessiva a plataformas como Facebook e Instagram, ambos da Meta, levou a tentativas ou suicídios reais, distúrbios alimentares e insônia, entre outros problemas.

“Esses aplicativos poderiam ter sido projetados para minimizar possíveis danos, mas, em vez disso, foi tomada a decisão de viciar agressivamente adolescentes em nome dos lucros corporativos”, o advogado Andy Birchfield, diretor da Beasley Allen, o escritório de advocacia que entrou com as ações, disse em comunicado na quarta-feira.

As queixas somam-se a uma série de casos recentes contra Meta e a Snap, incluindo alguns apresentados por pais cujos filhos tiraram a própria vida. O litígio segue o depoimento de um ex-funcionário do Facebook no Congresso americano de que a empresa se recusou a assumir a responsabilidade por prejudicar a saúde mental de seus usuários mais jovens.

Um porta-voz do Facebook não respondeu a um pedido de comentário.

A Meta disse em abril que está melhorando as ferramentas que fornece para os pais acompanharem o que seus filhos fazem em suas plataformas. A empresa também disse que, para os adolescentes em particular, envia um lembrete “Faça uma pausa” que os leva a tópicos diferentes se eles se detiverem em um assunto por muito tempo.

Uma das novas ações foi movida por Naomi Charles, uma mulher de 22 anos que diz que começou a usar plataformas da Meta quando era menor e que seu vício a levou a tentar o suicídio e sofrimento.

A Meta “deturpou a segurança, utilidade e características não viciantes de seus produtos”, de acordo com um processo no tribunal federal de Miami.

Charles, como outros usuários, busca uma indenização para compensar a angústia, a perda do prazer pela vida e custos de hospitalização e contas médicas.

As alegações nos processos incluem design defeituoso, falta de aviso, fraude e negligência. As queixas foram apresentadas em tribunais federais nos estados do Texas, Tennessee, Colorado, Delaware, Flórida, Geórgia, Illinois e Missouri.

Confira matéria na Exame

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Balanço Conar: Conselho de Ética analisa cases da Kellogg Brasil, Ultrafarma e Ambev
A 2ª Câmara do Conselho de Ética do Conar analisou quatro representações esta semana. Confira os resultados. Representação Nº 106/20, em recurso ordinário, “Kellogg Brasil – Tudo fica melhor com Pringles, resto é um saco”. Resultado: alteração por maioria de votos. Representação Nº 151/20, “Ultrafarma Saúde – Acabe com o mau cheiro do vaso sanitário […]
Declínio de receita publicitária no 2º trimestre é maior do que inicialmente estimado nos EUA, Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia (em inglês)
A receita publicitária do 2º trimestre nos EUA, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e Canadá registrou redução média de 37,1% no período de abril a junho, de acordo com o Standard Media Index. O percentual de redução inicialmente estimado para o período era de 28,2%. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail