Home / Lei Paulo Gustavo é regulamentada

Lei Paulo Gustavo é regulamentada

Fonte: Globo

12 de maio de 2023

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou nesta quinta-feira (11) o decreto que regulamenta a Lei Paulo Gustavo, que garante o repasse de R$ 3,8 bilhões para a Cultura. A lei tenta bancar as atividades e produtos culturais como forma de atenuar os efeitos econômicos e sociais da pandemia de Covid-19 e é uma das três principais normas que preveem incentivos financeiros e fiscais para o fomento da cultura no país.

A cerimônia de lançamento da Lei ocorreu à noite, em Salvador. Do valor total disponibilizado pela nova lei, R$ 2 bilhões são destinados aos estados, e R$ 1,8 bilhão aos municípios. Durante o evento, Lula afirmou que a “cultura voltou” e defendeu mais investimentos para a área.

–Os ignorantes desse país precisam aprender que cultura não é gasto, não é pornografia, não é uma coisa menor. Cultura é o jeito da gente falar, da gente comer, dançar, andar, da gente cantar, da gente pintar, da gente fazer aquilo que a gente sabe fazer – disse Lula– E cultura significa emprego, milhões de oportunidades para gente que precisa comer, tomar café, almoçar, e jantar. Portanto, os ignorantes fiquem sabendo: a cultura voltou nas mãos de uma mulher negra da Bahia para fazer a revolução necessária.

O texto garante ainda medidas de acessibilidade nos projetos e ações afirmativas. Estados e municípios devem, por exemplo, garantir estímulo à participação e protagonismo de mulheres, negros, pessoas com deficiência, indígenas, LGBTQIAP+ e pessoas com deficiência, entre outros segmentos. Ao menos 20% das vagas devem ser destinadas a pessoas negras e 10% a indígenas.

Do valor total destinado à Lei Paulo Gustavo, R$ 2,7 bilhões serão repassados para o setor audiovisual, divididos da seguinte forma: R$ 1,95 bilhão para o apoio a produções audiovisuais; R$ 447,5 milhões para reformas, restauros, manutenção e funcionamento de salas de cinema; R$ 224,7 milhões para capacitação, formação e qualificação no audiovisual, apoio a cineclubes e à realização de festivais e mostras de produções audiovisuais; R$ 167,8 milhões para apoio a micro e pequenas empresas do setor audiovisual.

Ainda de acordo com a lei regulamentada ontem, para as demais áreas culturais será destinado R$ 1,06 bilhão.

Antes de Lula iniciar sua fala no evento uma mulher da plateia subiu ao palco chorando para pedir a ajuda do presidente. Lula abraçou a senhora e pediu que ela se acalmasse. A Secretaria de Comunicação da Presidência informou que ela entregou a Lula documentos sobre o Quilombo Rio dos Macacos, na Bahia, mas não detalhou o conteúdo. O presidente chorou após o episódio.

– Essa mulher representa um pouco daquilo que passa o povo brasileiro. Esse país tinha dado um salto de qualidade, esse país tinha se transformado no país mais alegre do mundo, mais otimista do mundo. Esse país tinha gerado, em 13 anos, 22 milhões de emprego com carteira, tinha aumentado salário mínimo em 74%, tinha feito a maior revolução educacional em ciência e tecnologia, universidade, fundamental e escola técnica – afirmou.

A Lei Paulo Gustavo foi promulgada no ano passado, depois de o ex-presidente Jair Bolsonaro vetar integralmente o projeto alegando contrariedade ao interesse público.

Segundo o então chefe do Executivo, a despesa estaria sujeita a limite constitucional e causaria cortes em outras áreas. O Congresso, no entanto, derrubou o veto de Bolsonaro, e o texto foi promulgado. Depois disso, o Executivo editou uma medida provisória para adiar os repasses via Lei Paulo Gustavo e Lei Aldir Blanc 2. Na época, o pagamento dos recursos previstos na Lei Paulo Gustavo foi adiado para 2023. E, no caso da Lei Aldir Blanc 2, os repasses, que deveriam iniciar em 2023, foram adiados para 2024.

A medida do Executivo foi então suspensa em decisão da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), que considerou a manobra inconstitucional.

Corte de verbas

Desde a transição de governo, a equipe de cultura de Lula defendia a regulamentação e aplicação das leis destinadas ao setor como forma de incrementar o montante de recursos destinado à área, desmontada durante o governo Bolsonaro. Na gestão do ex-presidente, a Cultura foi reduzida a uma secretaria e viu recursos minguarem.

Em 2021, foi autorizado cerca de R$ 1,4 bilhão para a área, caindo para R$1,2 bilhão no último ano do governo de Bolsonaro. Para 2023, o valor autorizado foi por volta de R$ 6 bilhões.

Confira matéria no Globo

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Desoneração de IoT e liberação do Fust para internet em votação do Senado
O Senado pode votar dois projetos importantes para o setor de telecomunicações: o PL 172/2020, que prevê o uso dos recursos do fundo de universalização dos serviços de telecomunicações para ampliação do acesso à internet no país e o PL 6.549/2020, que isenta tributação de Fistel, Condecine e CFRP para dispositivos de IoT e M2M.Leia […]
JR Trade: Presidente da ABAP comenta o simbolismo de ser a primeira mulher a ocupar o cargo
Pela primeira vez em 73 anos de história a Associação Brasileira de Agências de Publicidade, a ABAP, é presidida por uma mulher. Em entrevista ao JR Trade, a nova presidente da ABAP, Márcia Esteves, comentou sobre a importância e o simbolismo de sua posse na associação. Ela também é CEO e sócia da Agência Lew’Lara\TBW e […]

Receba a newsletter no seu e-mail