Home / Lei das fake news deve ser votada na próxima semana

Lei das fake news deve ser votada na próxima semana

Fonte: Poder360

15 de fevereiro de 2022

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta 3ª feira (15.fev.2022) que o projeto de lei que estabelece regras para a liberdade e transparência no uso da internet deverá ser votado na próxima semana.

O relator do projeto 2.630 de 2020, deputado Orlando Silva (PC do B-SP) apresentou seu parecer a líderes de partidos da base do governo em almoço nesta 3ª feira na residência oficial da Câmara.

De acordo com Lira, Silva agora apresentará o texto a todas as bancadas da Casa. “Ele vai extrair dali um sentimento de votação ou alguma adequação de texto. Há temas polêmicos, mas vamos enfrentar a matéria, não tenho dúvida disso”, disse.

De acordo com o presidente da Câmara, Silva também está levando as mudanças que fez ao texto já aprovado pelo Senado para os próprios senadores para que, quando o projeto voltar a outra Casa, tenha andamento mais célere.

O projeto, que estabelece regras para o uso de redes sociais por autoridades públicas e determina penalidades para quem disseminar informações falsas, deverá ser votado na próxima semana.

Um grupo de trabalho aprovou a versão do texto de Silva no início de dezembro. A proposta proíbe que o presidente da República, deputados, governadores e outros ocupantes de cargos públicos bloqueiem usuários de visualizar suas postagens em redes sociais.

Além disso, sujeita os dados referentes a esses perfis à Lei de Acesso à Informação. O projeto determina que os provedores de redes sociais, serviços de busca e de mensagens criem um órgão de autorregulação.

Lira afirmou ainda que o projeto não pretende “fazer uma disputa nacional pelo Telegram”. “Nós não vamos fazer disso uma pauta nacional de um embate, como já existiram vários. […]. Não vamos fazer uma lei para determinado caso, determinada pessoa ou determinado objetivo”, disse.

De acordo com ele, Silva apresentou no almoço exemplos sobre como o Telegram acatou decisões judiciais na Alemanha. No último domingo (13.fev.2022), o aplicativo de mensagens bloqueou no país europeu 64 canais considerados desinformativos ou que agregavam discursos de “ódio e incitação”.

A informação é do jornal Süddeutsche Zeitung. A medida foi tomada depois de representantes do aplicativo se reunirem com a ministra do Interior da Alemanha, Nancy Faeser. Ela classificou a conversa como “produtiva”.

Confira matéria no Poder360

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

‘Washington Post’ cria produto de segmentação de anúncio contextual
“Para um anunciante, a segmentação junto com o conteúdo no contexto de um artigo será o status quo entre os editores na web”, escreveu Jarrod Dicker, vice-presidente de inovação e estratégia comercial,em um post de um convidado, apresentando o produto.Leia Mais
Pare de interromper, comece a entreter
Em artigo para o Propmark, Eduardo Simon, CEO da DPZ&T e vice-presidente da ABAP, fala sobre a importância do conteúdo relevante e significativo para uma comunicação fluida com o consumidor. “Não se trata mais de ter a audiência do espectador, mas sim seu interesse”, diz. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail