Home / Governo Biden acusa big techs de fraude na semana que elas atingem o ápice do lucro

Governo Biden acusa big techs de fraude na semana que elas atingem o ápice do lucro

Fonte: Poder360

4 de agosto de 2021

Empresas visadas valem US$ 9,3 trilhões na Bolsa de Nova York

A advogada e professora de direito Lina Khan é conhecida por sua visão de que Amazon e Facebook, só para ficar nos suspeitos de sempre, devem ser divididos.

Em seu trabalho de conclusão de curso na Universidade Yale, publicado em janeiro de 2017, Khan escreveu que é que a lei antitruste norte-americana é mal aparelhada para punir um gigante que está destruindo o comércio local, a Amazon. Seu nome é Lina Kahn, mas pode chamá-la de Ms. Antitruste.

Por isso, foi um susto quando ela apareceu no Congresso dos EUA na última 4ª feira falando não de truste, como todo mundo esperava, mas de fraude. Aos 32 anos, ela é a presidente de uma comissão superpoderosa, a FTC (Federal Trade Commission), cuja função nº 1 é proteger o consumidor. Na sua 1ª apresentação aos congressistas, a advogada mostrou que o governo de Joe Biden quer estripar as big techs.

Estripar, neste caso, não é um verbo retórico. É isso mesmo que a FTC quer fazer com empresas como Facebook, Amazon, Apple e Microsoft. Além de dividi-las, Khan quer entender como os algoritmos funcionam para fisgar os consumidores. Ela quer saber como o titã funciona na prática. Foi o que ela revelou na 1ª aparição no Congresso.

“A fraude continua a crescer”, disse ela, sem citar nenhuma empresa nominalmente. “Uma das razões é que a fraude é turbinada pelas redes digitais, nas quais esse tipo de atitude não só é tolerado, mas até mesmo incentivado”.

Mais adiante, a professora de direito da Universidade Columbia explicou a que ela se referia: os algoritmos que governam as redes, coletam dados do consumidor e fazem com que as big techs saibam de tudo sobre você: um consumidor de livros de ficção tende a votar com os liberais e a esquerda; já um comprador de balas de pistola .70 no Walmart é trumpista de carteirinha.

Esses exemplos são óbvios, mas há casos de micro-segmentação muito mais sofisticados. Os usos políticos desse tipo de filtragem permitiram que Trump obtivesse votos num segmento inimaginável para quem tem uma fama de racista que vem dos anos 1970 e se aliou aos supremacistas: o dos negros.

Outro comissário da FTC, Rohit Chopra, com quem Khan trabalhou, deu detalhes do alvo dos democratas: entender como as políticas de segmentação funcionam para criar uma barreira que dispare sempre que encontre o que os eles consideram fraude. Sem esse entendimento, segundo ele, o governo norte-americano vai saltar de um fraudador para outro fraudador sem interromper as fraudes. É a política de enxugar gelo.

Os democratas sempre prometeram mundos e fundos contra os 5 gigantes da economia americana, mas na hora H recuaram da punição para preservar sob o pretexto de preservar o poderio americano. Obama fez isso com as big techs e os bancos. Biden parece ter outra disposição, mas é cedo para fazer saber se ele terá força política para repartir as maiores empresas da história do capitalismo.

No mesmo dia em que Khan ameaçava as big techs com a acusação de fraude, algumas das maiores empresas dos EUA divulgavam seus balanços do 2º trimestre de 2021. Os números são assustadores.

O jornal The New York Times fez um bom resumo do gigantismo que essas empresas conquistaram, impulsionado por uma pandemia que devastou outros ramos da economia:

  • As 5 big techs (Amazon, Apple, Facebook, Google e Microsoft) valem no mercado acionário US$ 9,3 trilhões. Esse montante é maior do que o valor das 27 companhias norte-americanas que aparecem no ranking depois do quinteto, entre as quais estão gigantes do porte da Tesla e JP Morgan;
  • O lucro da Apple no 2º trimestre deste ano, de US$ 21,7 bilhões, é a soma do lucro das 5 maiores companhias aéreas dos Estados Unidos em 2019, antes da ruína provocada pela covid-19;
  • Uma empresa comprada pela Microsoft e que não tem muita importância no portfolio da companhia, o LinkedIn, é 4 vezes maior do que um dos astros da pandemia, o Zoom Video Communications.

A pergunta a ser feita é muito simples: será que o presidente Biden e o Congresso dos EUA terão coragem de flertar com o desconhecido e dividir as empresas de maior sucesso na história do capitalismo? E se esse lucro foi, ao menos em parte, resultado de “fraude”, como diz a principal executiva do governo Biden que cuida de política concorrencial? Por mais que os democratas queiram dar uma lição nas big techs –sobretudo no Facebook pelo cinismo de divulgar fake news sob o pretexto de lutar pela liberdade de expressão– parece uma miragem para o próximo século ver essas empresas divididas em 4 ou 5 companhias.

Biden parece sinceramente convencido de que o capitalismo nos EUA precisa ser reformado para que haja mais competição. Mas essa não parece ser uma luta de um mandato, mas um dos 12 trabalhos de Hércules.

Confira a matéria em Poder360.

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Quais são as estratégias das diretoras de criação para ter mais mulheres em agências
A falta de mulheres em cargos de alta liderança nas agências de publicidade, principalmente no departamento de criação, considerado ainda um ambiente machista, é uma das principais barreiras a serem quebradas no mercado brasileiro e uma reflexão importante a ser feita no mês do Dia Internacional da Mulher. O PROPMARK ouviu algumas das principais diretoras […]
Facebook mostra o quanto anúncios têm estereótipos e como isso afeta os negócios
O estudo do Facebook “Representação diversa e inclusiva na publicidade online: uma exploração do cenário atual e expectativas das pessoas”, divulgado pela Exame, incluiu uma pesquisa com 1.200 consumidores, uma análise de mais de 1.000 anúncios de vídeo do Facebook e uma revisão de mais de 1.200 estudos globais, em parceria com Instituto Geena Davis.Leia […]

Receba a newsletter no seu e-mail