Home / Geek Power indica diferenças geracionais no consumo dos geeks

Geek Power indica diferenças geracionais no consumo dos geeks

Fonte: Meio e Mensagem

1 de dezembro de 2022

Pesquisa do Omelete com a MindMiners detalha consumo de filmes, séries, games, streamers, e-Sports, animês e outros elementos ligados à cultura geek

Tradicionalmente, durante o Unlock, evento de negócios pré-CCXP do Omelete, o grupo apresenta a pesquisa Geek Power, um levantamento feito em parceria com a MindMiners cujo intuito é compreender os hábitos de consumo dos geeks. Este ano, o estudo incluiu as divergências e concordâncias no perfil consumidor dos millennials e dos geeks da geração Z.

A edição da Geek Power deste ano contou com 6.678 respondentes no total, que se submeteram a uma pesquosa quantitativa online realizada em outubro de 2022. A maioria (66%) desse público está na casa entre 22 a 39 anos e possui ensino superior completo (38%). Eles estão bem divididos entre as classes sociais e grande parte (47%) investe seu dinheiro. A maioria (65%) é solteira e 81% não tem filhos. Em termos de locomoção, 52% não tem carro próprio, cerca de 40% usa ônibus para se locomover.

O que é ser geek?

Quando o Omelete foi criado, há 20 anos atrás, o termo “geek” nem era usado, lembrou Pierre Montovani, CEO do grupo. Isso acontece, em parte, porque o termo “geek” se tornou uma forma de ressiginificar a imagem esteriotipada do nerd. Enquanto o nerd é descrito como um membro tradicional, introvertido, mais técnico e acadêmico, os geeks são considerados os nerds contemporrâneos, comunicativo, cool e especialista em cultura pop. No levantamento, 56% se considera geek e 51% nerd.

Hoje, a cultura geek se faz presente no mercado de cinema, de séries, animações, games, HQs, jogos de tabuleiro, entre outros.

Diferenças geracionais entre geeks

O estudo mapeou os valores dos geeks de diferentes gerações, principalmente a Geração Millennial e Geralção Z. Os geek millennials são formados por uma maioria masculina e estão inseridos em uma comunidade esteriotipada e menos inclusiva. Eles são grandes conhecedores da cultura nerd.

Em termos de consumo de conteúdo, eles preferem material informativo, vídeos longos e mais explicativos e aprender sobre a cultura nipônica; são maratonistas de série, críticos de cinema, são saudosistas e relembram o passado de forma nostálgica.

Seu consumo de games é pautado em universos mais “hardcore” e em jogos para computadores e consoles de videogame.

Ao consumir histórias em quadrinhos, o millennial se preocupa mais com questões técnicas e adaptações cinematográficas.

Já os geeks da Geração Z tem maior presença feminina e estão em uma comunidade mais plural e inclusiva. Esse aspecto é reforçado no conumo de HQs, em que eles buscam representação racial e de gênero.  Eles consideram que a cultura geek é mainstream e estão inteirados de curiosidades e fofocas da cultura pop.

No consumo de conteúdo, a Geração Z gosta de se identificar com os personagensprefere vídeos curtos e engraçados, ou então de lifestyle e brincadeiras do universo otaku. Eles descobrem coisas do passado que passaram batido e começam a amar tal descoberta.

Nos games, eles estão presentes casualmente e fazem maior uso do celular para jogar.

Apesar dessas divergências, ambos os grupos consomem animações, vão ao cinema rotineiramente, conversam e brincam sobre elementos desse universo e vão à eventos sobre a cultura na qual estão inseridos.

Consumo geek de filmes e séries

A Netflix segue como a plataforma de streaming favorita do público, concentrando 34% das respostas. Em seguida está a HBO Max (23%), mas 12% afirma não ter um serviço favorito. A Netflix também é a que tem mais assinantes (88%), disputando lugar com o Prime Video (84%). Disney, HBO Max e Star+ seguem ambos.

O streaming é consumido diariamente por 45% dos entrevistados. O device mais utilizado é a Smart TV (45%) e a pandemia fez com que 47% aumentassem o consumo de filmes e séries.

O gênero de conteúdo audiovisual favorito do público é aqueles com super-heróis, voto de 44% dos respondentes. Em seguida estão ficção-científica (35%) e animação (34%).

Os filmes mais aguardados por eles são Homem Formiga e a Vespa, Guardiões da Galáxia Vol. 3 e The Marvels, todos do universo da Marvel. Já as séries mais cobiçadas atualmente são: House of the Dragon, Anéis do Poder e Stranger Things.

Consumo geek de games

A grande maioria dos entrevistados (70%) joga jogos eletrônicos, mas uma porcentagem menor se considera muito ou extremamente gamer (31%) e cerca de 21% joga de forma casual.

Mas não só de eletrônicos vivem os gamers: 54% afirma jogar jogos de tabuleiro também. O gênero de jogo favorito é o de caça ao tesouro (52%) e o dispositivo mais usado para essa atividade é o celular.

Além de jogar, há outras formas de estar inserido no universo dos jogos. Dos entrevistados, 27% acompanha streamers. Alanzoca, Gaulês e Cellbit figuram entre os principais. E 14% assiste e-Sports. League of Legends, CS: Go e Valorant são alguns dos jogos dos quais eles acompanham as competições.

Consumo geek de animês, mangás e quadrinhos

Otaku é a expressão japonesa usada para se referir à fãs de animês e mangás. Do público pesquisado, 33% se considera muito ou extremamente otakus; outros 27% se vê como otaku casual. Entre os mangás mais consumidos estão One Peace, Naturo e Dragon Ball. A lista não muda para os animês mais consumidos, mas a ordem de importância se altera: Naruto, One Peace e Dragon Ball.

Um montante de 60% do público geek gosta de quadrinhos, mas a frequência desse passatempo entre o público é pequeno. A maioria (58%) lê menos de uma vez por semana, enquanto porcentagens menores leem mais vezes na semana.

A editora favorita do público é a Marvel (51%), seguida pela DC (45%). Já o gênero literário favorito do público é fantasia (52%), seguido por ficcção científica (33%) e aventura (29%).

Consumo geek de áudio

O consumo de áudio desse grupo também é grande. Ao menos 70% deles pretende manter as assinaturas de streaming de música que já têm. Os gêneros musicais mais consumidos são: rock (52%), pop (33%) e indie (29%).

Cerca de 65% dos entrevistados ouve podcast. Desses, 77% escuta conteúdo relacionado à cultura pop e 20% à arte e entretenimento.

Confira matéria no Meio e Mensagem

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

O papel da educação midiática no antirracismo
Artigo de Mariana Mandelli, coordenadora de comunicação do Instituto Palavra Aberta, fala sobre o papel da educação e das mídias na valorização da diversidade e como forma de construir uma sociedade antirracista. Leia Mais
Prêmio Sim à Igualdade Racial: ID_BR anuncia finalistas da edição de 2021
O Instituto Identidades do Brasil (ID_BR) anunciou os finalistas da edição de 2021 do “Prêmio Sim à Igualdade Racial”. A cerimônia de premiação será exibida pelo Multishow e pelo Facebook do ID_BR no dia 29 de maio. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail