Home / Gastos com publicidade eleitoral devem chegar a US$ 10 bilhões nos EUA

Gastos com publicidade eleitoral devem chegar a US$ 10 bilhões nos EUA

Fonte: CNN

19 de setembro de 2023

O ciclo eleitoral de 2024 nos Estados Unidos é projetado para ser o mais caro até o momento, com gastos publicitários previstos em US$ 10,2 bilhões (R$ 49,68 bilhões) em todas as plataformas.

Em um novo relatório, a empresa de monitorização de anúncios AdImpact afirmou que o ciclo eleitoral que abrange os anos de 2023 e 2024 “será o ciclo político mais caro de todos os tempos, 13% superior ao recorde do ciclo 2019-2020 de US$ 9,02 bilhões (R$ 43,93 bilhões)”.

Detalhando suas projeções, a AdImpact disse que espera que US$ 2,7 bilhões (R$ 13,1 bilhões) sejam gastos em publicidade na corrida presidencial, que já gerou quase US$ 200 milhões (R$ 974,1 milhões) em gastos com publicidade até agora. Vários estados conhecidos como campos de batalha receberiam uma parcela significativa desses gastos, previu a AdImpact em seu relatório.

“É esperado que os gastos nas eleições gerais presidenciais se concentrem em sete estados principais: Pensilvânia, Arizona, Geórgia, Michigan, Carolina do Norte, Nevada e Wisconsin”, disse a empresa.

A AdImpact projetou ainda US$ 2,1 bilhões (R$ 10,2 bilhões) em gastos com publicidade em disputas para o Senado, US$ 1,7 bilhão (R$ 8,2 bilhões) em gastos com publicidade em disputas para a Câmara, US$ 361 milhões (R$ 1,7 bilhão) em gastos com publicidade para eleições para governador e US$ 3,3 bilhões (R$ 16 bilhões) gastos em anúncios em várias disputas eleitorais e outras iniciativas.

O controle do Congresso estará em jogo no próximo ano – com os republicanos defendendo uma estreita maioria na Câmara dos EUA e os democratas tentando manter a sua pequena margem no Senado dos EUA.

Reconhecendo o clima político carregado, a AdImpact disse que suas projeções foram baseadas em parte “devido a uma eleição presidencial altamente contestada, margens mínimas no Congresso e um tremendo crescimento na categoria de voto negativo, que consiste em todos os gastos políticos que não sejam presidenciais, da Câmara, Senado ou Governador”.

A AdImpact também destacou a influência das medidas eleitorais relacionadas ao aborto no aumento dos gastos com publicidade. Essas iniciativas eleitorais foram votadas em vários estados desde a derrubada do caso Roe vs. Wade no ano passado, com mais esperadas neste ciclo.

Os eleitores de Ohio avaliarão em novembro deste ano uma proposta para consagrar o direito ao aborto na constituição do estado, o que ocorre depois que os defensores do direito ao aborto obtiveram uma vitória crítica em uma medida separada neste verão, no que foi visto como uma batalha por procuração sobre a votação de novembro.

“As iniciativas eleitorais relacionadas ao aborto parecem ser um importante impulsionador dos gastos políticos neste ciclo”, escreveu a empresa.

“As medidas eleitorais relacionadas ao aborto em Ohio já geraram mais de US$ 30 milhões (R$ 146,1 milhões) em 2023 e vários outros estados estão tentando colocar a questão nas urnas em 2024. Os resultados eleitorais e os totais de gastos no Kansas durante o ciclo de 2022 demonstraram que o aborto pode impulsionar os gastos com publicidade política mesmo em estados considerados seguramente vermelhos”.

Gastos com publicidade presidencial dominam

Até agora, neste ano, a maior parte do dinheiro para publicidade foi canalizado para a disputa presidencial. Até ao início de setembro, campanhas e grupos externos de ambos os partidos gastos combinados de mais de US$ 200 milhões (R$ 974 milhões) em publicidade para a corrida presidencial de 2024, incluindo em reservas para os próximos meses.

Os gastos na disputa de 2024 também estão significativamente à frente do ritmo estabelecido durante as primárias presidenciais de 2020. Durante o fim de semana do Dia do Trabalho deste ano, cerca de US$ 121 milhões (R$ 589,3 milhões) em publicidade presidencial já tinham sido veiculados; durante o fim de semana do Dia do Trabalho em 2019, esse valor foi de cerca de US$ 60 milhões (R$ 292,2 milhões).

Na corrida republicana, os super Comitês de Ação Política alinhados com cinco candidatos – o ex-presidente, Donald Trump, o governador da Flórida, Ron DeSantis, o senador da Carolina do Sul, Tim Scott, a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, e o governador da Dakota do Norte, Doug Burgum – dominaram os gastos com publicidade no início do ciclo.

Confira matéria na CNN

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Autoridade de concorrência da Austrália decide não regulamentar agências de publicidade (em inglês)
A Australian Competition and Consumer Commission (ACCC) decidiu contra a intervenção regulatória para agências de mídia em relação a preços de anúncios digitais e práticas de divulgação de abatimentos, descontos e incentivos.Leia Mais
Quais são os desafios da publicidade em 2021?
Profissionais do mercado falam sobre os principais obstáculos a serem superados pelas agências e clientes em 2021. Para Eduardo Simon, CEO da DPZ&T e vice-presidente da ABAP, será essencial unir entretenimento e performance. “O grande desafio, portanto, é construir relevância antes de vender e, para isso, as marcas precisam aprender a entreter”, diz.Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail