Home / Feminino, com renda de até R$ 4 mil e hábito de consumo: o público gamer do Brasil

Feminino, com renda de até R$ 4 mil e hábito de consumo: o público gamer do Brasil

Fonte: Propmark

18 de abril de 2022

Pesquisa Game Brasil 2022 mostrou um aumento no número de pessoas que dizem jogar algum tipo de game

O consumo de mercado de games continua em trajetória de crescimento no Brasil, como apontou a edição deste ano da Pesquisa Game Brasil (PGB). O levantamento mostrou que 3 em cada 4 brasileiros, ou 74,5% da população, têm o hábito de jogar jogos eletrônicos.

O dado representa uma alta de 2,5 pontos percentuais em relação aos números apresentados no ano passado, quando 72% dos entrevistados afirmaram estar no universo dos games, e um ponto percentual abaixo do estudo de 2018 (75,5%).

O acesso aos jogos têm sido feito preferencialmente por smartphones, com 48,3%, um crescimento de 6,7 pontos percentuais. Computadores ficaram com a segunda posição colocação, com 23,3% – somando desktops e notebooks -,  e os consoles vêm na sequência, com 20%.

Há um aumento perceptível também em jogos online – ou em rede – , com participação de 36,9% do público gamer que joga todos os dias, e 28,7% entre os usuários que entram de três a seis dias da semana. O percentual de quem não joga conectado é de 6,7%.

Domínio feminino
As mulheres mantiveram o domínio no universo gamer, respondendo por 51% do público brasileiro. “Essa predominância se relaciona aos smartphones, plataforma com mais adeptos de jogos no Brasil e com volume ainda maior do público feminino (60,4%), mas também com as características gerais da população do Brasil”,  afirma Guilherme Camargo, sócio do Sioux Group e professor na pós-graduação da ESPM.

Os dados demográficos registram ainda que a maior parcela do público gamer se identifica como parda ou preta, com 49,4%. Logo na sequência, aparecem pessoas que se declaram brancas (46,6%).

Em relação à idade, os usuários majoritários têm entre 20 a 24 anos (25,5%). Depois, adolescentes entre 16 a 19 anos (17,7%) e pessoas com idades entre 25 a 29 anos (13,6%). Apesar disso, os números apresentam também uma diversidade etária. Pessoas entre 30 e 34 anos, por exemplo, representam 12,9% dos jogadores e com idade entre 35 a 39, 11,2%.

Nos recortes de renda, a pesquisa traz que a maioria é de classe média, compreendida entre as faixas B2, C1 e C2, com 62,7%. Pessoas de classe média alta (B1) representam 12,3% do público, aparecendo na sequência a classe A, que representa 13,5%, e pela base da pirâmide (classes D e E) com 11,6%.

Este dado condiz com a renda familiar média dos jogadores no Brasil: a maioria (29,1%) possui uma renda de entre R$ 2.090,01 a R$ 4.180, procedida por pessoas que recebem até R$ 2.090 (27,5%). O público com renda de R$ 4.180,01 à R$ 10.450 é de 26,7%.

O ato de comprar jogos eletrônicos também foi um comportamento que se manteve entre o público, com a maioria (36%) afirmando ter adquirido até três títulos no último ano. Entre o público que opta por não pagar por jogos, 40,2% apontam os valores elevados como principal motivo.

E por mais que 24,6% dos jogadores tenham afirmado que não gastaram nada em equipamentos para jogos ao longo do último ano, há ainda parcela quase correlata (22,6%) que investiu, pelo menos, até R$ 499,99 em produtos gamers, e outro público considerável (19,9%) que gastou entre R$ 500 e R$1.250 em equipamentos para games.

A PGB 2022 mostrou ainda que 78,6% deste público possui cartão de crédito, e que a comunidade realiza investimentos, optando majoritariamente pela poupança (36,3%) e renda fixa (21,5%), enquanto 28,2% dos jogadores disseram não investir. Criptomoedas também são fonte de investimento para boa parcela dos gamers brasileiros (17%), e nesta moeda o Bitcoin prevalece com folga entre o público (79,2%).

Metaverso e inovações
Tema do momento, o metaverso parece contar com o apreço dos jogadores brasileiros. O ecossistema já é conhecido por 63,8% dos players. Além disso, ainda de acordo com a pesquisa, 59,3% gostam da ideia de contar com eventos sociais nos jogos e 51,7% simpatizam com marcas que se inserem nos ecossistemas.

Por outro lado, os NFTs são bem menos conhecidos no segmento, registrando taxa de 50,8% entre os gamers. Entre os que conhecem, 32,1% afirmam possuir os tokens.

A pesquisa, feita pelo Sioux Group e Go Gamers em parceria com Blend New Research e ESPM, ouviu 13.051 pessoas em 26 estados e no Distrito Federal entre os dias 11 de fevereiro e 7 de março.

Confira matéria no Propmark

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Mercado se posiciona contra programática em audiência do TCU
Em painel promovido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para debater sobre as verbas de publicidade do Governo Federal, representantes do setor de comunicação criticaram a utilização de plataformas como o Google AdSense para a aplicação de verbas governamentais. Leia Mais
Confira a edição nº 72 do CENP em Revista
A edição do CENP em Revista de abril destaca o lançamento da campanha “Agência de publicidade não é tudo igual” no Estado da Bahia e a divulgação do ranking de agências do CENP-Meios. Acesse a edição completa em Leia Mais. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail