Home / Facebook e Instagram coletam dados de navegação de menores de 18 anos, diz estudo

Facebook e Instagram coletam dados de navegação de menores de 18 anos, diz estudo

Fonte: The Guardian

16 de novembro de 2021

O Facebook e o Instagram estão coletando dados de menores de 18 anos usando um software que rastreia a atividade de navegação dos usuários na web, de acordo com a pesquisa.

A empresa-mãe das plataformas anunciou em julho que permitiria aos anunciantes atingir os usuários jovens com base em apenas três categorias – idade, sexo e localização – em vez de uma gama de opções, incluindo seus interesses pessoais.

No entanto, uma pesquisa feita por um trio de grupos de campanha afirma que o Facebook e o Instagram mantiveram o uso de software, conhecido como APIs de conversão, que reúne detalhes das atividades de navegação na web dos adolescentes.

O dono do Facebook e Instagram, Meta , negou que os dados estivessem sendo usados ​​pelo sistema de entrega de anúncios baseado em algoritmo da empresa para veicular anúncios em usuários menores de 18 anos.

A coleta de dados foi sinalizada em pesquisa do grupo ambientalista Global Action Plan, Reset Australia, que busca a reforma de grandes empresas de tecnologia, e Fairplay, que faz campanha contra o marketing para crianças.

Em uma carta aberta a Mark Zuckerberg, o presidente-executivo da Meta , 44 grupos de defesa instaram o fundador do Facebook a descartar a coleta de dados, dizendo que ela estava sendo usada para permitir “publicidade de vigilância” para jovens usuários.

Ele acrescentou: “Substituir ‘segmentação selecionada por anunciantes’ por ‘otimização selecionada por um sistema de entrega de aprendizado de máquina’ não representa uma melhoria demonstrável para crianças, apesar das afirmações do Facebook em julho. O Facebook ainda está usando a vasta quantidade de dados que coleta sobre os jovens para determinar quais crianças têm maior probabilidade de ser vulneráveis ​​a um determinado anúncio ”.

Os signatários da carta incluem 5Rights, que faz campanha por controles online mais rígidos para crianças no Reino Unido, e o Center for Digital Democracy, com sede nos Estados Unidos.

O estudo do Facebook criou três contas falsas, para um garoto de 13 e dois de 16, e os pesquisadores puderam visualizar os dados coletados pelo software da empresa no Facebook, Instagram e Messenger, conforme os “usuários” os visitavam sites como jornais locais e varejistas de roupas.

Os pesquisadores descobriram: “O Facebook pode coletar dados de outras guias e páginas do navegador que as crianças abrem e coletar informações como os botões em que clicam, os termos que pesquisam ou os produtos que compram ou colocam na cesta (‘conversões’). Não há razão para armazenar esse tipo de dados de conversão, exceto para abastecer o sistema de entrega de anúncios. ”

Joe Osborne, porta-voz da Meta, disse: “É errado dizer que, porque mostramos dados em nossas ferramentas de transparência, eles são usados ​​automaticamente para anúncios. Não usamos dados de sites e aplicativos de nossos anunciantes e parceiros para personalizar anúncios para menores de 18 anos.

“O motivo pelo qual essas informações aparecem em nossas ferramentas de transparência é porque os adolescentes visitam sites ou aplicativos que usam nossas ferramentas de negócios. Queremos fornecer transparência aos dados que recebemos, mesmo que não sejam usados ​​para personalização de anúncios ”.

Confira matéria completa no The Guardian

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Influenciador digital está na mira do Conar
O Conselho Nacional de Autoregulamentação Pública (Conar) vem travando uma batalha com influenciadores digitais durante a pandemia por causa da falta de identificação de publicidade em postagens. O número de casos julgados sobre o assunto em decorrência de denúncias de consumidores, de empresas ou investigações feitas pelo próprio Conselho vem aumentado. Os casos não envolvem apenas profissionais […]
Deloitte aponta tendências para o marketing no ano
A pesquisa 2022 Global Marketing Trends, da Deloitte, entrevistou mais de mil executivos globais e 11.500 consumidores de todo o mundo, inclusive do Brasil.

Receba a newsletter no seu e-mail